CONSAGRAÇÃO À NOSSA SENHORA APARECIDA NA VOZ DO PADRE VITOR COELHO CSsR

Ó MARIA SANTÍSSIMA, PELOS MÉRITOS DO SENHOR JESUS CRISTO QUE EM VOSSA IMAGEM MILAGROSA DE APARECIDA ESPALHAIS INÚMEROS BENEFÍCIOS SOBRE O BRASIL, EU, EMBORA INDIGNO DE PERTENCER AO NÚMERO DOS VOSSOS SERVOS, MAS DESEJANDO PARTICIPAR DOS BENEFÍCIOS DA VOSSA MISERICÓRDIA, PROSTRADO A VOSSOS PÉS, CONSAGRO-VOS O ENTENDIMENTO, PARA QUE SEMPRE PENSE NO AMOR QUE MERECEIS. CONSAGRO-VOS A LÍNGUA, PARA QUE SEMPRE VOS LOUVE E PROPAGUE A VOSSA DEVOÇÃO.CONSAGRO-VOS O CORAÇÃO, PARA QUE, DEPOIS DE DEUS, VOS AME SOBRE TODAS AS COUSAS.RECEBEI-NOS, Ó RAINHA INCOMPARÁVEL, QUE NOSSO CRISTO CRUCIFICADO DEU-NOS POR MÃE, NO DITOSO NÚMERO DOS VOSSOS SERVOS. ACOLHEI-NOS DEBAIXO DA VOSSA PROTEÇÃO. SOCORREI-NOS EM NOSSAS NECESSIDADES ESPIRITUAIS E TEMPORAIS E, SOBRETUDO, NA HORA DA NOSSA MORTE. ABENÇOAI-NOS Ó MÃE CELESTIAL, E COM VOSSA PODEROSA INTERCESSÃO FORTALECEI-NOS EM NOSSA FRAQUEZA, A FIM DE QUE, SERVINDO-VOS FIELMENTE NESTA VIDA, POSSAMOS LOUVAR-VOS, AMAR-VOS E RENDER-VOS GRAÇAS NO CÉU, POR TODA A ETERNIDADE. ASSIM SEJA! ...PELA INTERCESSÃO DE NOSSA SENHORA APARECIDA, RAINHA E PADROEIRA DO BRASIL, A BÊNÇÃO DE DEUS ONIPOTENTE, PAI, FILHO E ESPÍRITO SANTO, DESÇA SOBRE VÓS E PERMANEÇA SEMPRE.AMÉM!
PRÓXIMOS EVENTOS (Todos estão convidados)





ÁGAPE MENSAL
11 - fevereiro - 2017


MAIO - 2017
De 03 a 11 - Viagem / Peregrinação a Portugal
De 20 a 21 - 7º ERESER CAMPINAS
De 15 a 30 - 2ª Missão UNESER em Rondônia

JUNHO - 2017
De 17 a 18 - 2º ERESER CAMPINAS

JULHO - 2017

De 05 a 15 - 3ª Peregrinação a Pé Caminho da Fé
De 14 a 16 - 37º ERESER PROVÍNCIA RIO/MINAS/ES
De 21 a 23 - 22º ENESER - APARECIDA

SETEMBRO - 2017
De 01 a 03 - 5º ERESER VICE PROVÍNCIA MANAUS

OUTUBRO - 2017

Dia 07 - ERESER NA NOVENA DE APARECIDA
Dia 21 - 11º ERESER MAIRINQUE

NOVEMBRO - 2017
De 12 a 15 - 7º ERESER PROVÍNCIA DE CAMPO GRANDE


XIII RETIRO
De 02 a 04 de fevereiro de 2018
Local: Pedrinha (a ser confirmado)




SOM NO BLOG

QUANDO QUISER ASSISTIR ALGUM VÍDEO DO BLOG, VÁ ATÉ À "RÁDIO UNESER INTERATIVA" (caixa à direita do blog) E CLIQUE NO BOTÃO DE PAUSA (II).
APÓS ASSISTIR O VÍDEO, CLIQUE NO MESMO BOTÃO (PLAY) PARA CONTINUAR OUVINDO A RÁDIO.

31 de julho de 2010

Afonso de Ligório III: a Oração, caminho no Amor

Publicamos o terceiro artigo de Rui Vasconcelos, CSsR sobre Santo Afonso.


“O meio mais necessário para a vida espiritual e para ganhar o amor de Jesus Cristo, é a oração (...) Por este meio Deus nos faz conhecer o grande amor que nos tem” (Prática de Amar a Jesus Cristo). O Seguimento de Jesus é viver uma Aliança com ele. É comprometer a nossa vida com ele e com o Reino do Pai. É um caminho de transformação pessoal, no Espírito, rumo ao Homem Novo. Como vimos, para Afonso, este caminho espiritual assenta num processo de conversão e no procurar viver a vontade de Deus-Pai a meu respeito.

Este processo é exigente. É claro que não bastam as nossas forças, a nossa boa-vontade. Só acontece como resposta de amor ao Deus que nos amou primeiro, o próprio Pai nos assiste neste caminho, que acontece no Espírito: «Se me amais, guardai os meus mandamentos; e eu pedirei ao Pai que vos envie um outro Paráclito, que esteja convosco sempre» (Jo 14, 15-16). No pensamento de Afonso, é a Graça de Deus que nos permite conhecer e viver a sua vontade: “A oração é o meio mais necessário e certo de alcançarmos todas as graças necessárias para a salvação” (O grande meio da Oração, n°1).

Para Afonso, a atitude de oração é todo o contrário da atitude de auto-suficiencia, egoísmo e isolamento: é a atitude da abertura, do acolhimento do grande dom de Deus em Cristo, o Espírito Santo, acolhimento da sua Graça, da sua Salvação para nós. É o motor de uma vida de Aliança, de comunhão pessoal, de caminhar na vontade do Pai que é a nossa salvação e de ter a força do Espírito para as difíceis opções de conversão.

A oração (que, mais do que atos ou momentos, é uma atitude fundamental de acolhimento e abertura ao Amor de Deus-Pai) torna-se, por isso, condição de salvação, porque condição de viver no Amor, a Deus e aos irmãos: por isso a célebre máxima de Afonso “quem reza se salva, quem não reza certamente se condena” (Ibid). «Permanecei em mim e eu em vós. Como o sarmento não pode dar fruto por si só, se não permanecer na videira, tampouco vós, se não permaneceis em mim. Eu sou a videira, vós os sarmentos: quem permanece em mim e eu nele, dará muito fruto; pois sem mim não podeis fazer nada» (Jo 15, 4-5).
(Nota: Sarmento = haste da videira não podada)

É no rosto amoroso de Deus que é Pai, revelado na história da Salvação em Jesus Cristo, que Afonso deposita a possibilidade da vida de Fé e Oração. “Jesus Cristo, na oração do Pai-Nosso que Ele ensinou para obter todas as graças necessárias para a nossa salvação, como nos ensina a chamar a Deus? Não “Senhor”, não “Juiz”, mas Pai; Pai-Nosso, porque quer que nós busquemos de Deus as graças com aquela confiança com a qual um filho, pobre ou enfermo, busca o alimento ou o remédio ao seu próprio pai” (Necessità della Preghiera). Por isso convida ao diálogo familiar e confiante com o Abbà: “Tende o costume de lhe falar a sós, familiarmente, com confidencia e amor, como a um vosso amigo” (Modo de falar continua e familiarmente com Deus, n°6).
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                        
Diante da eficácia ou não da oração (que está sempre em função da caridade), Afonso apresenta determinadas condições. Uma delas é precisamente a confiança: esta assenta na fidelidade que o Pai demonstra aos seus filhos. Significa comprometer-me com o que peço, colaborar para que aconteça, arriscar as consequências. Sem esta confiança e abertura, saímos derrotados à partida: é permanente que, depois de um milagre, Jesus diga «A tua Fé te salvou» (Lc 7, 50; 8, 48; 17, 19; 18, 42). É abrirmo-nos à força de Deus em nós: “Toda a nossa força consiste em colocarmos toda a nossa confiança em Deus e em nos calarmos, quer dizer, em repousarmos nos braços de sua misericórdia, sem confiar em nossos esforços e nos meios humanos” (O grande meio da Oração, p.72).

Outra condição é a humildade: como atitude de abertura, a oração “baixa” todas as nossas defesas à acção de Deus, como podem ser o orgulho e a soberba. É importante ler o exemplo apresentado por Jesus do «fariseu e do coletor de impostos no templo, para alguns que confiavam em sua própria honradez e desprezavam os demais» (Lc 18, 9-14).

Por fim, a perseverança: “a graça da salvação não é uma única graça, mas uma cadeia de graças que depois todas se unem com a graça da perseverança final. Ora, a esta cadeia de graças deve corresponder uma outra cadeia, a das nossas orações” (Necessità della Preghiera). As transformações fundamentais da nossa vida não acontecem de um dia para o outro: são um caminho, um processo que precisa de renovar-se dia após dia na oração.

É na oração mental que o crente torna seu, assume, explicita numa linguagem sua a Palavra escutada, lê a sua vida à luz desta e responde com “afetos”, com o diálogo tu-a-tu com Deus-Pai, e com decisões de conversão pessoal. “Devemos pedir a Deus a graça de não pensar, de não procurar, e de não querer senão o que Deus quer, pois que toda a santidade e perfeição do amar consiste em uniformizar-se a nossa vontade com a vontade de Deus” (O grande meio da Oração, p.63).

E com estes terminam os três textos dedicados às pistas que Afonso propõe no Seguimento de Jesus. Para todos os que costumam acompanhar por aqui, um bom fim-de-semana e uma boa festa de S. Afonso de Ligório!

Fonte: Rui Vasconcelos, CSsR (Blog Economia da Salvação)

NOSSO BLOG HÁ UM ANO! - 31/07/2009

CLICAR SOBRE OS LINK's
E
NA SETA DE RETORNO PARA VOLTAR


GERALDO DOS SIMPLES - FIM

RELIGIÃO TAMBÉM SE APRENDE! - O DOM DAS LÍNGUAS

A UNIÃO DOS EX-SEMINARISTAS DO SRSA - 4

CHICO XAVIER

SANTO INÁCIO DE LOYOLA

ENESER XV....A CHEGADA...



Todos juntos estamos reunidos outra vez.....

Mais um encontro....mais um ENESER...

Foi assim a sexta-feira....a correria da Lili e Lourdes...Mané, Paulinho, Nelson e Pe.Libárdi, fora do palco fazendo os últimos reparos....

E a turma chegando e se abraçando...Fotos...café....papos gostosos....assim foi e à noite a oração final....

Hoje tem mais....e amanhã também...

VIVÊNCIAS - DE PERTO @ DE LONGE


Nº 0031 31/07/2010
0149. Evangelho de hoje (31-07-2010) - 1ª leit Jr 26, 11-16.24; Sl 68; Mt 14, 1-12 - A fama de Jesus chegou aos ouvidos do governador Herodes, que disse a seus servidores: “É João Batista que ressuscitou dos mortos; e, por isso, os poderes miraculosos atuam nele”. De fato, Herodes tinha mandado prender João, amarrá-lo e colocá-lo na prisão, por causa de Herodíades, a mulher de seu irmão Filipe, pois João tinha dito a Herodes: “Não te é permitido tê-la como esposa”. Herodes queria matar João, mas tinha medo do povo, que o considerava como profeta. Por ocasião do aniversário de Herodes, a filha de Herodíades dançou diante de todos e agradou tanto a Herodes que ele prometeu, com juramento, dar a ela tudo o que pedisse. Instigada pela mãe, ela disse: “Dá-me num prato a cabeça de João Batista”. O rei ficou triste mas, por causa do juramento diante dos convidados, ordenou que atendessem o pedido dela. E mandou cortar a cabeça de João, no cárcere. Depois, a cabeça foi trazida num prato, entregue à moça e esta a levou a sua mãe. Os discípulos de João foram buscar o corpo e o enterraram. Depois foram contar tudo a Jesus.

0150. A Cara da Morte, os sepultadores, o imaginário fúnebre e o universo onírico - Livro (pgs 262) de Clarissa De Franco, psicóloga clínica. A autora dedica seu livro “aos mortos que ainda se querem vivos” e, assim, nos introduz em sua obra: “A principal tarefa deste estudo é compreender o imaginário que cerca a morte. Tarefa, esta, certamente ampla e complexa, do ponto de vista literário, e até como um esforço psicológico, uma vez que o “morrer” envolve concepções pessoais ligadas a universos culturais e simbólicos que muitas vezes são negados ou que incomodam nosso convívio”. (vendas@ideiaseletras.com.br; tel (12) 3104 2000).

0151. Processo Civil Romano, Noções Elementares - Livro (pgs 166) de Mário Curtis Giordani, onde o autor apresenta noções elementares sobre o surgimento das normas jurídicas na Roma Antiga, através do Processo Civil Romano e como o Direito Romano daquela época sempre influenciou e influencia professores e alunos que se dedicam ao estudo e à compreensão do Processo Civil. O livro expõe uma síntese da evolução histórica do Direito por meio do Processo Civil Romano em suas três fases: Ações da Lei, Processo Formular e Processo Extraordinário. (vendas@ideiaseletras.com.br; tel (12) 3104 2000 begin_of_the_skype_highlighting            (12) 3104 2000      end_of_the_skype_highlighting).
0152. William James - Livro (pgs 512) organizado por Ruth Anna Putnam, onde ela coloca as interações de William James com outros filósofos de seu tempo, que também são examinadas, assim como seu relacionamento com seu irmão Henry. Situando James em seu cenário intelectual, o livro destina-se não apenas a filósofos, mas também a professores e estudantes de Religião, Psicologia e História. A obra inclui assuntos técnico-filosóficos, especulação religiosa, filosofia moral e controvérsias políticas. James era filósofo e psicólogo. Ele nos recomenda: “Reconhecer Deus e viver são uma e a mesma coisa. Deus é o que a vida é. Pois bem! Viva, busque Deus, e não haverá nenhuma vida sem ele!” (vendas@ideiaseletras.com.br; tel (12) 3104 2000 begin_of_the_skype_highlighting            (12) 3104 2000      end_of_the_skype_highlighting).
0153. Bioviolência, prevenção de crimes e terrorismos biológicos - Livro (pgs 544) de Barry Kellman, onde o autor trata o tema que leva pessoas ou organizações a infligir doenças de maneira hostil. Bioviolência, tema central do livro, é isso. O autor trata da ameaça que a prática representa ao Planeta, além de relatar esquemas de organização dos bioagressores para a disseminação da bioviolência. Como forma de conter o problema, Kellman propõe uma cooperação entre organizações de âmbito nacional e internacional, visando a elaboração de uma estratégia que promova a biociência, alertando também para seus perigos. O autor trata longamente da Interpol (criada em 1923), a maior organização internacional para prevenir o bioterrorismo e responder a ele. (vendas@ideiaseletras.com.br; tel (12) 3104 2000 begin_of_the_skype_highlighting            (12) 3104 2000      end_of_the_skype_highlighting).
0154. “Ives Gandra: Palavra” - Livro (pgs 288) homenagem elaborado por 42 personagens, dedicado inteiramente a Ives Gandra “uma das pessoas mais dedicadas à causa pública entre nós”, no testemunho de José Mindlin. Ives Gandra mestre, advogado, jurista, escritor, poeta, íntegro, ético, erudito, sapiente, amigo”. Cada um dos 42 depoimentos revela-se uma obra de humanismo e arte. http://www.gandramartins.adv.br


PADRE GERALDO RODRIGUES CSsR
http://www.aparecidadasaguas.com
vivencias@aparecidadasaguas.com

DO SITE BOLETIM DO PADRE PELÁGIO (PADRE CLÓVIS CSsR)

31 DE JULHO – SANTO DO DIA


CONVERTEU-SE LENDO A VIDA DOS SANTOS
S. Inácio de Loyola (1491-1556) é um dos grandes convertidos e fundador dos Jesuítas. Nasceu no seio da ilustre família dos Loyola na Espanha. Quando jovem, abraçou a carreira militar. Sonhava com glórias e renome. Fez carreira no exército. Era destemido e arrojado.

Mas foi ferido gravemente na batalha de Pamplona. Passou por dolorosas cirurgias no hospital.
Como passatempo, durante a longa convalescença pediu que lhe trouxessem romances de cavalaria. Deram-lhe a “Vida dos santos”. Viu que esses eram os verdadeiros heróis. Viu também que sua vida tinha sido vazia até aí.

Após o restabelecimento, foi passar algum tempo na solidão de Montserrat, onde confirmou e consolidou sua conversão. Daí para frente Inácio era outro homem. Ordenou-se padre, reuniu alguns companheiros corajosos e fundou a benemérita Ordem dos Jesuítas.
É famoso o livro dos “Exercícios Espirituais” que ainda se lê nas centenas de retiros pregados por eles. Seu lema era: Tudo para maior glória de Deus
!
No século em que surgiu o protestantismo, Inácio reconquistou para a nossa religião um terço da Europa. Santo Inácio foi sem dúvida o lutador suscitado pela Providência para atender de modo pleno às necessidades da Igreja.
Oração
Senhor, faze que imitemos Santo Inácio de Loyola nos combates desta vida, para partilharmos de sua vitória no céu. Amém!


PADRE CLÓVIS DE JESUS BOVO CSsR
Recomende este site aos seus amigos:
http://www.boletimpadrepelagio.org

AINDA DO SITE BOLETIM DO PE.PELÁGIO (PADRE CLÓVIS CSsR)


PADRE CLÓVIS DE JESUS BOVO CSsR

0 PRIVILÉGIO DAS RAINHAS

As rainhas sempre tiveram seus privilégios. Um deles era este. Na hora da execução dos condenados, caso o condenado tivesse qualquer moeda no bolso, não importava o valor, ela o resgataria, libertando-o da forca.
Assim acontece com nossa Mãe e Rainha do céu. Ela se contenta com pouca coisa para nos libertar da condenação e nos levar para o céu. Confiemos, mas não abusemos.


QUEM ARREDONDOU A PEDRA?

“Um filósofo chamado Tagore assim falou quando viu uma pedra redonda e lisa no fundo do rio:
“Não foi o martelo que martelou e nem o cinzel que cinzelou esta pedra, mas a água, com sua doçura, sua dança e sua canção e sua persistência.
Fonte: Fábulas para Seishum

Nossa lição: Onde a dureza só faz destruir, a suavidade consegue construir”. Duro com duro não faz bom muro

41 Orações Escritas Por Santo Afonso

Encerramos hoje, véspera da grande festa de Santo Afonso, a publicação das 41 orações escritas por ele

Oração XLI


Sim, meu Jesus e meu Esposo, eis-me aqui. Não quero resistir mais ao vosso amor. Vós vos destes inteiramente a mim e eu me dou de todo a vós.

Eu agora merecia ser repelida, por ter tantas vezes levado a ingratidão até fechar os ouvidos a vossa voz; mas o desejo que me inspirais de ser toda vossa, me dá a confiança de que me quereis receber bem. Acolhei-me, pois, meu Jesus, por esse amor que vos levou a morrer por mim na cruz. Meu doce Jesus, se eu estivesse agora no inferno que mereci, não poderia mais vos amar; mas, já que me dais ainda tempo de vos amar, eu quero vos amar e não amar senão a vós. Ah! meu amado Salvador, como é possível vos considerar, no presépio de Belém, ou na cruz do Calvário ou no Sacramento do altar, sem ficar arrebatada de amor para convosco? A quem, pois, poderia eu amar, se não amasse um Deus que morreu por mim?Oh! Eu vos amo, meu Redentor, meu amor, meu tudo!Aumentai em mim vosso santo amor; recordai-me sem cessar tudo o que fizestes e sofrestes por mim, e não permitais que eu vos seja ainda ingrata. Ó belas chamas de amor que consumistes a vida de meu Jesus sobre o altar da cruz, vinde, abrasai todo o meu coração e destrui nele todos os afetos às coisas criadas.Eu me dou inteiramente à vós, Jesus, meu amor, e se não sei dar-me, como devia, tomai-me e fazei-me toda vossa. Fazei que minhas palavras, meus pensamentos, meus desejos, não tenham mais outro objeto, que vos amar e vos agradar. Eu espero tudo pelos vossos méritos, meu Jesus.E eu confio também em vós, ó Maria, minha esperança, me obtereis a graça de não amar de ora em diante senão o vosso divino Filho, meu Esposo, e a vós, minha terna Mãe.

Fonte: Livro: A Verdadeira Esposa de Jesus Cristo, escrito por Santo Afonso

IMITAÇÃO DE CRISTO - LIVRO SEGUNDO - CAPÍTULO 12

TOMÁS DE KEMPIS

Da estrada real da santa cruz
1. A muitos parece dura esta palavra: Renuncia a ti mesmo, toma a tua cruz e segue a Jesus Cristo (Mt 16,24). Muito mais duro, porém, será de ouvir aquela sentença final: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno (Mt 25,41). Pois os que agora ouvem e seguem, docilmente, a palavra da cruz não recearão então a sentença da eterna condenação. Este sinal da cruz estará no céu,
quando o Senhor vier para julgar. Então todos os servos da cruz, que em vida se conformam com Cristo crucificado, com grande confiança chegar-se-ão a Cristo juiz.
2. Por que temes, pois, tomar a cruz, pela qual se caminha ao reino do céu? Na cruz está a salvação, na cruz a vida, na cruz o amparo contra os inimigos, na cruz a abundância da suavidade divina, na cruz a fortaleza do coração, na cruz o compêndio das virtudes, na cruz a perfeição da santidade. Não há salvação da alma nem esperança da vida, senão na cruz. Toma, pois, a tua cruz, segue a Jesus e entrarás na vida eterna. O Senhor foi adiante, com a cruz às costas, e nela morreu por teu amor, para que tu também leves a tua cruz e nela desejes morrer. Porquanto, se com ele morreres, também com ele viverás. E, se fores seu companheiro na pena, também o serás na glória.
3. Verdadeiramente, da cruz tudo depende, e em morrer para si mesmo está tudo; não há outro caminho para a vida e para a verdadeira paz interior, senão o caminho da santa cruz e da contínua mortificação. Vai para onde quiseres, procura quanto quiseres, e não acharás caminho mais sublime em cima nem mais seguro embaixo que o caminho da santa cruz. Dispõe e ordena tudo conforme teu desejo e parecer, e verás que sempre hás de sofrer alguma coisa, bom ou mau grado teu; o que quer dizer que sempre haverás de encontrar a cruz. Ou sentirás dores no corpo, ou tribulações no espírito.
4. Ora serás desamparado de Deus, ora perseguido do próximo, e o que é pior não raro serás molesto a ti mesmo. E não haverá remédio e nem conforto que te possa livrar ou aliviar; cumpre que sofras quanto tempo Deus quiser. Pois Deus quer ensinar-te a sofrer a tribulação sem alívio, para que de todo te submetas a ele e mais humilde te faças pela tribulação. Ninguém sente tão vivamente a paixão de Cristo como quem passou por semelhantes sofrimentos. A cruz, pois, está sempre preparada e em qualquer lugar te espera. Não lhe podes fugir, para onde quer que te voltes, pois em qualquer lugar a que fores, te levarás contigo e sempre encontrarás a ti mesmo. Volta-te para cima ou para baixo, volta-te para fora ou para dentro, em toda parte acharás a cruz; e é necessário que sempre tenhas paciência, se queres alcançar a paz da alma e merecer a coroa eterna.
5. Se levares a cruz de boa vontade, ela te há de levar e conduzir ao termo desejado, onde acaba o sofrimento, posto que não seja neste mundo. Se a levares de má vontade, aumenta-lhe o peso e
fardo maior te impões; contudo é forçoso que a leves. Se rejeitares uma cruz, sem dúvida acharás outra, talvez mais pesada.
6. Pensas tu escapar àquilo de que nenhum mortal pôde eximir-se? Que santo houve no mundo sem tribulação? Nem Jesus Cristo, Senhor Nosso, esteve uma hora, em toda a sua vida, sem dor e sofrimento. Convinha, disse ele, que Cristo sofresse e ressurgisse dos mortos, e assim entrasse na sua glória (Lc 24,26). Como, pois, buscas tu outro caminho que não seja o caminho real da santa cruz?
7. Toda a vida de Cristo foi cruz e martírio; e tu procuras só descanso e gozo? Andas errado, e muito errado, se outra coisa procuras e não sofrimentos e tribulações; pois toda esta vida mortal está cheia de misérias e assinalada de cruzes. E quanto mais uma pessoa faz progressos na vida espiritual, tanto maiores cruzes encontra, muitas vezes, porque o amor lhe torna o exílio mais doloroso.
8. Mas, apesar de tantas aflições, o homem não está sem o alívio da consolação, porque sente o grande fruto que lhe advém à alma pelo sofrimento da cruz. Pois, quando de bom grado a toma às costas, todo o peso da tribulação se lhe converte em confiança na divina consolação. E quanto mais a carne é cruciada pela aflição, tanto mais se fortalece o espírito pela graça interior. E, às vezes, tanto se fortalece, pelo amor das penas e tribulações que, para conformar-se com a cruz de Cristo, não quisera estar sem dores e sofrimentos, pois julga ser tanto mais aceito a Deus, quanto mais e maiores males sofre por seu amor. Não é isto virtude humana, mas graça de Cristo, que tanto pode e realiza na carne frágil, que o espírito com ardor abraça e ama o que a natureza aborrece e foge.
1. Não é conforme à inclinação humana levar a cruz, amar a cruz, cartigar o corpo e impor-lhe sujeição, fugir às honras,
2. aceitar as injúrias, desprezar-se a si mesmo e desejar ser desprezado, suportar as aflições e desgraças e não almejar prosperidade alguma neste mundo. Se olhares somente a ti, reconheces que de nada disso és capaz. Mas, se confiares em Deus, do céu te será concedida a fortaleza, e sujeitar-se-ão ao teu mando o mundo e a carne. Nem o infernal inimigo temerás, se andares escudado na fé e armado com a cruz de Cristo.
9. Portanto, como bom e fiel servo de Cristo, dispõe-te a levar a cruz do teu Senhor, por teu amor crucificado. Prepara-te a sofrer muitos contratempos e incômodos nesta vida miserável, pois em todaa parte, onde quer que estiveres, ou te esconderes, os encontrarás.
Convém que assim seja e não há outro remédio contra a tribulação da dor e dos males senão sofrê-los com paciência. Bebe, generoso, o cálice do Senhor, se queres ser seu amigo e ter parte com ele. Entrega a Deus as consolações, para ele dispor delas como lhe aprouver. Tu, porém, dispõe-te a suportar as tribulações e considera-as como as consolações mais preciosas, porquanto não têm proporção as penas do tempo com a glória futura (Rom 8,18) que havemos de merecer, ainda que tu só as devesses sofrer todas.
10. Quando chegares a tal ponto que a tribulação te seja doce e amável por amor de Cristo, dá-te por feliz, pois achaste
o paraíso na terra. Enquanto o padecer te é molesto e procuras fugir-lhe, andas mal, e em toda parte te persegue o medo da tribulação.
1. Se te resolveres ao que deves, isto é, a padecer e morrer, logo te sentirás melhor e acharás paz. Ainda que fosses arrebatado, com S.Paulo, ao terceiro céu, nem por isso estarias livre de sofrer alguma contrariedade. Eu, diz Jesus, mostrar-lhes-ei quanto terá de sofrer por meu nome (At 9,16). Não te resta, pois, senão sofrer se pretendes amar e servir a Jesus para sempre.
2. Oxalá fosses digno de sofrer alguma coisa pelo nome de Jesus! Que grande glória resultaria para ti, que alegria para os santos de Deus, e que edificação para o próximo! Pois todos recomendam a paciência, ainda que poucos queiram praticá-la. Com razão devias padecer, de bom grado, este pouco por amor de Cristo, quando muitos sofrem pelo mundo coisas incomparavelmente maiores.
3. Fica sabendo e tem por certo que tua vida deve ser uma morte contínua, e quanto mais cada um morre a si mesmo, tanto mais começa a viver para Deus. Só é capaz de compreender as coisas do céu quem por Cristo se resolve a sofrer toda adversidade. Nada neste mundo é mais agradável a Deus nem mais proveitoso a ti, que o sofrer, de bom grado, por Cristo. E se te dessem a escolha, antes deverias desejar sofrer adversidade, por amor de Cristo, do que ser recreado com muitas consolações porque assim serias mais conforme a Cristo, e mais semelhante a todos os santos. Porquanto não consiste nosso merecimento e progresso espiritual em ter muitas doçuras e consolações, mas em sofrer grandes angústias e tribulações.
4. Se houvera coisa melhor e mais proveitosa para a salvação dos homens do que o padecer, Cristo, de certo, o teria ensinado com palavras e exemplo. Pois claramente exorta seus discípulos e
quantos o desejam seguir a que levem a cruz, dizendo: Quem quiser vir após mim renuncie a si mesmo, tome sua cruz, e siga-me (Lc 9,23). Seja, pois, de todas as lições e estudos este o resultado final: Cumpre-nos passar por muitas tribulações, para entrar no reino de Deus (At 14,21)

PARABÉNS

Comemoram mais um aniversário:

DIÁCONO INÁCIO DE MELO MESQUITA (1953) de São Paulo - SP





CELSO ANTÔNIO HENRIQUES (FORMIGÃO)Turma de 1970 - BELO HORIZONTE-MG

SÉRGIO DALANEZE - RIO CLARO-SP
e
 PADRE REINALDO BRAGANTIM que festeja 33 anos de Ordenação Sacerdotal

Aos amigos nossos votos de muitas felicidades e muitos anos de vida!

ATUALIDADES DE ONTEM DO C.Ss.R. REDEMPTOR - Diego Alemão

PADRE RAFAEL VIEIRA CSsR

Fui um dos escolhidos para testes pela Rede Globo na semana que antecedeu a estréia da primeira edição do Big Brother Brasil em 2002. Já contei essa história e fiz uma série de reflexões sobre espiritualidade do cotidiano num livro publicado pela Editora Santuário. Por conta disso, até hoje, quando o assunto é tratado em alguma faculdade ou em comunidade da Igreja, em minha região, acabam me chamando para dar opinião. Depois de finalizada a edição de 2006, cheguei a conversar, pelo telefone, com o participante católico, ex-monge, Gustavo, que mora em Belo Horizonte, e disse a ele algo sobre a necessidade de se trazer para a reflexão, sobre o significado desses reality shows, uma questão de fundo: a experiência pretensamente divina do público que reage aos pedidos dos produtores do programa telefonando para punir quem é mau e para premiar quem se passa por bom. Tudo isso realizado, ao modo mais emocional possível, com pitadas de grandes contradições além de incluir o gravíssimo fato de que as chamadas telefônicas são a maior fonte de faturamento. As pessoas pagam para ver, fora do confinamento televisivo, os personagens que parecem ser merecedores de um castigo especial. E conservam, pela força aparente de um inocente voto, as figuras que mais chegam às profundidades da estrutura psíquica do telespectador comum. Ainda que tenha me esforçado para não me envolver, todo ano tenho que ficar sabendo do que ocorre no programa. Essa parece ser a vez de Diego Alemão.
O queridinho da hora é loiro e meio esquentado. Faz parte daquela cota definida pelo holandês John de Mol, criador dessa formatação de entretenimento, que inclui rapazes fortes, bonitos e pouco inteligentes. Ele é um descendente do Cleber Bam Bam. Claro que dotado de capacidade de articulação e não é um monumento à idiotice como se esculpiu na primeira versão. Alemão agrega um elemento novo que está fazendo uma diferença colossal na sucessão de paredões que enfrentou até agora. Ele é o antagonista, numa luta visceral, de um participante de nome Alberto que resolveu assumir fortemente o papel do estrategista desalmado capaz de destruir todas as simulações de afeto que são criadas na casa eletrônica. Seu codinome Caubói nada tem a ver com o vencedor caipira que passou três meses e meio calado, rezando para Nossa Senhora Aparecida e foi coroado com o prêmio da segunda edição que foi ao ar em 2003. Esse portador de chapéu não tem medo de ser considerado mal compreendido. Ele tem sido, até agora, o algoz do Diego. Os mais aficionados do gênero acham que ele vai dançar na primeira oportunidade que enfrentar uma disputa popular. Essas mesmas pessoas consideram até que o Alemão está se esboçando como o virtual campeão da temporada. Mas como se trata de jogo, basta uma manobra, um deslize e tudo isso muda da noite para o dia.
O que permanece válida, enquanto esse tipo de atração televisiva sobreviver, é a necessidade de uma reflexão, por parte do público, sobre a nossa tendência maniqueísta, rasa, fortemente influenciada pelo comportamento externo de fazer juízos morais. Caímos facilmente na armadilha de criar duas categorias de pessoas. Uma formada por aqueles que consideramos dignos, íntegros e bondosos. Tudo que essa gente fala e faz tem que, necessariamente, ser bem acolhido, valorizado e colocado em evidência. E a outra é formada pela classe de gente que não corresponde às nossas expectativas de comportamentos e, por isso, sem constrangimento algum, enquadramos seus feitos e seus discursos na vala das coisas ruins. Qualquer esforço que os representantes dessa categoria façam para parecer bons poderá ser considerada uma dissimulação desesperada. Essa tendência que nos assalta é a grande responsável pelos nossos preconceitos, nossas injustiças e nossos pecados. Afinal, ela não respeita a ambigüidade própria da natureza de todo ser humano. Somos uma mescla de bondade e maldade e a simplificação entre mocinhos e bandidos tem feito perpetuar fenômenos horrorosos de juízos temerários.
O Alemão pode até ter atraído a simpatia por algum traço psicológico que desconheço. Pode também ter caído nas graças do público pelo fato de ser vítima do Alberto, mas ele pode representar, numa leitura moral o símbolo do bem na guerra eterna contra o mau. Certamente por causa disso são desculpadas as suas falhas menores e, cada vez que ele é levado ao ringue do paredão, uma multidão de milhões de impulsos tilintam dinheiro nos cofres da Rede Globo para que ele não saia da trama. Nesse quesito, o programa é retrato da realidade, é um show da realidade.
Pe. Rafael Vieira, CSsR / 19.03.2007

http://www.redemptor.com.br

Padre Walmir responde em 05/07/2010

PADRE WALMIR GARCIA DOS SANTOS CSsR

Leontina: A gente vive lendo por aí que ser feliz é um estado de espírito e que não podemos colocar nossa felicidade nas mãos dos outros. Isso é muito difícil. Eu ainda estou naquela de precisar de alguém para me fazer feliz.
A felicidade é uma decisão pessoal e não pode ser colocada na dependência de outra pessoa, apesar de que ninguém é feliz sozinho. Somos seres de relação e, claro, a felicidade é conquistada na sociedade em que vivemos e nunca isolados e sozinhos, mas nunca será feliz uma pessoa que vive na dependência dos outros, sem buscar ser ela mesma.

Joana Maria: Qual a diferença entre Irmão, Frater e Padre?
Na Vida religiosa consagrada temos essas categorias: Irmão ou Irmã é uma pessoa que se consagra na Vida Religiosa através dos votos religiosos, mas que não quer ser padre, vive como uma pessoa religiosa, nos conventos, servindo a Deus e ao povo, dando testemunho de sua consagração; Frater ou Frei (também significa Irmão) é um consagrado na vida religiosa, mas usamos esse denominação Frater, para os estudantes consagrados que buscam o sacerdócio; Padre é também um consagrado que assume o sacramento da Ordem para servir ao povo no seu serviço próprio de animar a comunidade e a ela oferecer os sacramentos da Igreja.

Cátia: Já o ouvi falar algumas vezes sobre casar na igreja, que somente pode casar mais de uma vez quem fica viúvo. Permita-me discordar, mas quem se divorcia encontra-se praticamente na mesma situação, desejam regularizar sua vida matrimonial novamente, portanto, acho que neste caso as leis da Igreja estão excluindo alguns fiéis.
Bom minha amiga, discordar é sempre um direito que temos, apesar de que não podemos mudar uma norma como esta pelo simples fato de terem pessoas discordantes. O matrimonio é um sacramento e não uma brincadeira que podemos fazer e desfazer segundo nossa vontade, baseada em superficialidades. Por isso a Igreja insiste para que as pessoas pensem muito antes de buscar o matrimonio, este deve ser baseado no amor recíproco. Sacramento é um sinal da presença de Deus e é para sempre. Creio que a Igreja deveria se preocupar mais com os casais em segunda união e realizar com eles uma pastoral mais acolhedora sem discriminação, mas não oferecer o sacramento por duas ou mais vezes, isto seria desvalorizar o sacramento.

Leni: Assistir a missa pela TV ou rádio é a mesma coisa que ir à Igreja?
Nunca será a mesma coisa. Você disse bem, assistir a missa pela TV. Na TV nós assistimos, na Igreja nós participamos, é bem diferente. Eu sou contra essa multiplicação de transmissões de missas pela TV, creio que isso pode acarretar um certo comodismo nas pessoas que acabam ficando em casa. Pela TV a pessoa não tem o calor humano da presença de seus irmãos na fé, não pode receber o sacramento da Eucaristia, como na Igreja. A Igreja permite a transmissão da missa pela TV para proporcionar às pessoas que estão impossibilitadas, como os doentes e idosos, de participar na Igreja e nunca para acomodar as pessoas no seu mundo fechado.

Leontina: Sei que não é uma pergunta fácil de responder, mas como um religioso, conhecedor profundo da Palavra de Deus, poderia me dar uma idéia do que seria o céu?
Céu é a plenitude da vida; é a realização plena da pessoa humana que vive o seu fim último, que é a convivência com Deus; é a beleza de ver Deus face a face.

Anita: Aqui no meu setor tem uma corrente de oração para Santa Edwirges. Dizem que se essa corrente for quebrada algo ruim acontece com a gente. Isso é verdade?
Esse tipo de oração está baseada em superstição e isso não é bem visto pela Igreja, aliás, não é aprovado pela Igreja. Eu nunca dou valor a este tipo de oração, pois é falsa e não leva a pessoa ao crescimento na fé. Eu sempre faço e aconselho os outros, quando receberem uma corrente jogue fora, não acontecerá nada, pode ter certeza.

Vanusa: Como define a palavra Fé?
Na carta aos Hebreus, no capítulo 11, vers. 1 tem uma ótima definição de fé, lá se lê: “ Fé é o fundamento do que se espera e a convicção das realidades que não se vêem”. Para mim esta é a melhor forma de definir fé.

Valdeci Ribeiro: Denunciei uma loja por corrupção, mas depois fiquei com a consciência pesada. Fiz bem ou mal?
A denúncia de um erro é sempre certa, não podemos ser coniventes com o erro, principalmente a corrupção. Você fez certo e não fique arrependida por algo correto que você fez. Pecado é ver o erro e não denunciar.

Romilda: Gostaria que comentasse esta frase: “Deus tem consciência do teu limite. Ele só quer o que tu podes, porém, se quiseres superar-te, Ele te dará forças”!
De fato, Deus nos criou e sabe muito bem de nossas limitações e dificuldades, mas Ele nunca exige mais do que podemos, sempre nos respeita e nos dá condições para enfrentarmos nossos limites e até superá-los. Busquemos a força de Deus e não nos acomodemos nos nossos limites.

Matilde: Uma pessoa que não é crismada pode ser madrinha de Crisma de outra pessoa?
Quando uma pessoa vai assumir a missão de madrinha ela deve saber o que isso significa. A madrinha de crisma é para ajudar no testemunho de sua fé e da vivência desse sacramento na vida do afilhado. Claro que ela deve ser crismada, senão não terá condições dar testemunho para o seu afilhado ou afilhada.

Eva Torres: Em uma das passagens da Bíblia aprendemos que devemos reconciliar com os nossos inimigos enquanto estamos a caminho com eles. O que isso quer dizer?
O que Jesus diz é que devemos reconciliar enquanto estamos a caminho do tribunal. Fazer a reconciliação, sem precisar de justiça para amenizar a situação de conflitos.

Não identificado: Tenho muita vontade de me casar com uma mulher de Deus, cheia do Espírito Santo. Será que a Bíblia me daria um direcionamento? Não quero fazer a minha vontade. Quero ter uma resposta do Senhor. O que pensa a respeito disso?
A Bíblia não dá esse tipo de direcionamento, apesar de aconselhar para que procuremos relacionar com pessoas de bem. Para que isso aconteça é preciso buscar na participação em grupos de oração ou em pastorais, para que ali se encontre uma mulher de Deus. Não desanime em procurar e também de pedir as luzes do Espírito Santo para este propósito se realize.

Zilda: Padre, o senhor conhece uma paróquia que tem na Av. Castelo Branco, ela chama Paróquia dos milagres. Essa igreja é reconhecida pela igreja católica?
Não é uma igreja séria, é pertencente a uma ramificação da Igreja Brasileira, igreja que foi excluída da Igreja Católica por desobediência formal. Eles geralmente colocam nomes que a Igreja Católica usa para enganar as pessoas. Fuja desses locais cujos objetivos são escusos.

Não se identificou: Por que o senhor não participa da festa de Trindade, como os outros padres?
Eu não participo da festa de Trindade porque sou reitor de um Santuário que não pode ficar sem atendimento. Os outros padres de nossa comunidade vão à festa, para dar a contribuição nas confissões e celebrações e eu fico aqui em Campinas, mas já participei muito das festas do Divino Pai Eterno quando morava em Trindade ou trabalhava em outros locais, mas na Matriz de Campinas temos muito trabalho.

http://www.matrizdecampinas.org.br

REFLETINDO A PALAVRA NR.939 - “Santo Afonso, um estímulo”

Pe. Luiz Carlos de Oliveira CSsR

“Santo Afonso, um estímulo”

A busca da coerência

A pessoa humana é sempre surpreendente na capacidade de improvisar e ser para os outros um estímulo a viver, a empreender e a dar rumos ao mundo. Todos têm grandes possibilidades. Alguns são as violetas humildes, outros astros luminosos, outros ainda, cometas fugidios. O que vale é o que cada um constrói com o que lhe é dado. Há homens e mulheres que deram rumos, outros deram o suporte necessário. Os redentoristas celebram, com a Igreja, dia primeiro de agosto, o fundador da Congregação Redentorista e um mestre e doutor da Igreja, S.Afonso. Foi um homem que marcou sua época e deu rumos novos. Este homem viveu 91 anos (27.09.1696-01.08.1787). Foi de família nobre. Teve formação completa para ser um nobre de sua cidade Nápoles, capital do Reino. Advogado aos 16 anos. Depois de uma carreira gloriosa, perdeu uma causa internacional que foi envolvida pela corrupção. Deixou tudo, fez-se padre e, em 1732, fundou a Congregação Religiosa para a evangelização do homem abandonado do campo. O que há de especial? Viveu intensamente a vida cristã, advogou com retidão de princípios pessoais, exerceu o sacerdócio com força de santidade e pastoral. O que fazia, era completo. Deixou os tribunais, mas continuou advogando na prática da formação do povo de Deus, sobretudo através da pregação da palavra e do atendimento das confissões, da opção pelo povo abandonado da cidade e posteriormente mudou-se definitivamente para o interior do país onde reinava a pobreza e a ignorância. Sua coerência com as opções de vida não era a comodidade para si, mas a busca de ser completamente homem e cristão no que fazia. Ser coerente dá resultados.
Uma opção coerente
Como foi muito bem preparado para as funções que exercia como sacerdote e como homem de seu tempo, trabalhou durante uns 30 anos nas missões optando pelo povo carente do interior. Com sua experiência e reflexão teológica, compôs um sistema moral, quer dizer, um modo de pensar a orientação moral do povo de Deus. Isso lhe exigiu um estudo imenso. Este seu ensinamento ainda é seguido, com as devidas adaptações. Sua preocupação sempre foi dar caminhos ao povo de Deus abandonado pelo Estado e pela Igreja. O povo estava sofrendo pela opressão espiritual de determinadas correntes teológicas. Com sua obra, pode orientá-lo para viver sua vida cristã com serenidade e sem medos. Sua coerência o leva a colocar nas mãos dos entendidos, as grandes obras de teologia e, nas mãos do povo, livros pequenos para acompanharem sua vida espiritual. São pequenos, mas com conteúdo, como as Visitas ao Santíssimo Sacramento.
A força do amor
O amor orienta toda a vida de Afonso. Ele o coloca como fundamento da vida espiritual: “Toda a santidade consiste em amar Jesus Cristo”. Ele abre a santidade a todos: “Todos podem ser santos, cada um no seu estado próprio de vida”. O amor é diálogo com Deus, por isso salva: “Quem reza se salva, quem não reza, se condena”. O amor a Deus é amor a Maria: “O verdadeiro devoto de Maria não se perde”. O amor aos abandonados levou-o a abandonar tudo para viver para eles. Usava uma linguagem popular. Ia aonde o povo vivia. Suas casas e Igrejas eram sua casa. Sua coerência fortalecia e unia suas capacidades humanas, intelectuais, espirituais e pastorais. É um estímulo para nós.

SOBRE O NOSSO BLOG!



Em 10 de fevereiro de 2009, conforme entendimento entre o Mané e Staliano, foi criado o BLOG da UNESER:


A intenção e missão desse BLOG é de trazer a todos os envolvidos, companheiros de seminário e redentoristas, fatos e lembranças dos tempos de convivência na casa de Santo Afonso, momentos da vida atual dos colegas de hoje, artigos sobre a participação católica, como vida dos santos, ascética, notícias da Santa Sé e CNBB, a atuação missionária da congregação redentorista e as notificações das datas comemorativas de aniversário, tempo de vida consagrada, ordenações e também rememorando aqueles que já partiram, após vida exemplar conosco...

O BLOG é periódico diário, com média de 10 artigos por dia, e traz artigos de colaboradores de forma direta ou por transcrição de outros sites ou blogs.

Segue padrão coerente, considerando a possibilidade de participação direta de todos os interessados ou pelos comentários no rodapé dos artigos ou mesmo pelo envio de e-mail’s para o endereço: uneserblog@gmail.com .

Os artigos recebidos são publicados na mesma data de sua remessa e os articulistas são também, no ato, informados pelo seu endereço de e-mail.

Hoje sabemos, com mais de 36.000 acessos e 3.650 postagens, que este veículo de comunicação pela web conta com leitores assíduos que já o configuraram em sua rotina de informações religiosas e redentoristas.

É justamente para essas pessoas interessadas que dirigimos o nosso trabalho e garantimos todo nosso empenho na continuidade e perseverança evangélica.

Portanto, no momento em que dedicamos nosso tempo para saber das matérias que envolvem o espírito e o corpo pelo computador pessoal (PC), com certeza encontramos no link acima mencionado, considerável repertório envolvendo assuntos do mais alto nível.

E encerramos dizendo aos colegas da UNESER, afiliados e diretoria, e a todos os membros da Congregação Redentorista, daqui e do exterior, que continuamos sempre à total disposição para o serviço de todos, por conta da PROVIDÊNCIA...

Com Santo Afonso, Salve Maria!

ORAÇÃO DA MANHÃ - DEUS EM MINHA CASA


PADRE FLÁVIO CAVALCA DE CASTRO CSsR

ORAR MEDITANDO


Orar, ou rezar, é colocar-nos em diálogo com Deus, para falar-lhe e principalmente ouvi-lo. E nós o podemos fazer de diversos modos.
O jeito mais comum é falar com ele usando fórmulas tradicionais, como o “Pai nosso”, ou criando nossas próprias orações. É o primeiro passo no caminho da oração.
Podemos, porém, orar de outras maneiras. Por exemplo:
─ Leia uma passagem do Evangelho ou de outro livro adequado. Leia calmamente, assimilando as ideias.
─ Terminada a leitura, procure recordar-se do que leu, pelo menos das ideias principais.
─ Aplique a sua vida o que acabou de ler, veja as mudanças que precisa fazer.
─ Decida o que você vai mudar para ser mais fiel a Deus.
─ Peça a Deus a ajuda necessária para fazer essas mudanças.
─ Renove sua fé, sua esperança e seu amor a Deus e ao próximo. Peça perdão de suas falhas. Agradeça, louve, alegre-se com Deus que se mostra tão misericordioso... Continue a conversa com ele o mais que puder.


Oração da manhã para todos os dias


Senhor meu Deus, mais um dia está começando. Agradeço a vida que se renova para mim, os trabalhos que me esperam, as alegrias e também os pequenos dissabores que nunca faltam. Que tudo quanto viverei hoje sirva para me aproximar de vós e dos que estão ao meu redor.
Creio em vós, Senhor. Eu vos amo e tudo espero de vossa bondade.
Fazei de mim uma bênção para todos que eu encontrar. Amém.

As reflexões seguintes supõem que você antes leu o texto evangélico indicado.

Dia 31 ─ Sábado ─

Sto. Inácio de Loyola, sacerdote

Evangelho (Mt 14,1-12) “Herodes tinha mandado prender João, amarrá-lo e colocá-lo na prisão, por causa de Herodíades, a mulher de seu irmão Filipe.”

É difícil engrandecer demais a pessoa de João, o que batizava. Sua figura no evangelho é a de homem íntegro, feito de uma só peça, sem compromissos com a falsidade. Bem o contrário do rei Herodes, uma das figuras mais foscas que podemos lembrar. Homem sempre levado pelos piores instintos. Tirano violento e cruel, e pobre escravo dominado por suas paixões desordenadas.

Oração
Senhor, eu vos louvo pela pessoa de João, profeta que enviastes para fazer a transição das antigas coisas para a novidade de Jesus. Ele vos foi fiel do prin-cípio ao fim. Fazei que eu tenha a mesma coerência de vida, para que fale sempre a verdade e viva sempre a verdade. Dai também a coragem necessária para resistir diante das ameaças da força ou da tirania das idéias de moda. Amém.

30 de julho de 2010

VIVÊNCIAS - DE PERTO @ DE LONGE




Nº 0030 30/07/2010
0144. Evangelho de hoje (30-07-2010) - 1ª leit Jr 26, 1-9; Sl 68; Mt 13, 54-58 - Dirigindo-se para a sua terra, Jesus ensinava na sinagoga, de modo que ficavam admirados e diziam: “De onde lhe vem essa sabedoria e esses milagres? Não é ele o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria, e seus irmãos não são Tiago, José, Simão e Judas? E suas irmãs não moram conosco? Então, de onde lhe vem tudo isso?” E ficaram escandalizados por causa dele. Jesus, porém, disse: “Um profeta só não é estimado em sua própria pátria e em sua família!” E Jesus não fez ali muitos milagres, porque eles não tinham fé.
0145. Papa já tem seu primeiro embaixador na Rússia - Dom Antônio Mennini, que ocupava o cargo de representante do Papa na Federação Russa, agora é oficialmente núncio (embaixador). No dia 15 de julho/10 ele apresentou suas Cartas Credenciais ao ministro de Assuntos Exteriores.

O vice-ministro de Exteriores da Rússia, Alexander Krusko, falou do desenvolvimento das relações bilaterais entre a Federação Russa e a Santa Sé que “têm-se caracterizado por uma sintonia e espírito de colaboração crescentes”. Em nome do presidente da Rússia, Medvedev, o vice-ministro desejou ao primeiro núncio da Rússia “uma frutífera colaboração nos grandes desafios morais e éticos que se verificam hoje”. O primeiro núncio do Vaticano transmitiu a saudação do Papa ao presidente russo, assegurando sua “colaboração para um ulterior reforço das relações com o governo, assim como para o crescimento espiritual e moral do povo russo”.
No dia 26 de junho/10, tinha sido a vez do embaixador russo na Santa Sé, Mikolaj Sadlichov, apresentar suas credenciais. No dia 3 de dezembro/09, Bento XVI e o presidente Dmitri Medvédev, após se encontrarem no Vaticano, haviam anunciado o estabelecimento de plenas relações diplomáticas. Pode-se agora dizer “amém” à longa e difícil caminhada de aproximação entre o Vaticano e a Federação Russa.

0146. Real Madri reconstrói escola no Haiti - O Real Madri, famosa equipe espanhola de futebol, providencia fundos para a reconstrução de uma escola do Haiti que foi destruída pelo terremoto. Trata-se da Escola São Geraldo, da paróquia dos missionários redentoristas de Porto Príncipe, no bairro Carrefour-Feuilles. Antes do terremoto, era uma escola de 1.200 alunos, mas desabou na hora do terremoto, matando cerca de 300 crianças. O projeto do Real Madri pretende financiar a reconstrução da escola e construir um centro social e esportivo, onde as crianças possam receber alimentação e atendimento à saúde.
0147. Encontro da Associação de bispos, padres e diáconos negros - A cidade de São João del Rei (MG) está acolhendo, de 26 a hoje, 30, a 22ª Assembléia Nacional do Instituto Mariama (IMA), associação que congrega bispos, padres e diáconos negros do Brasil. Segundo o presidente do Instituto Mariama, P. Guanair da Silva Santos, estão sendo abordados os temas "Arte Afro-Brasileira na arte sacra a partir de Minas Gerais", “os reflexos do Ano Sacerdotal para o Presbítero Negro na Igreja do Brasil", além da vocação e a realidade da juventude. Há também outras pessoas comprometidas com a causa da vida do negro brasileiro participando do encontro que se encerra hoje e que objetiva “identificar os artistas e a influência da cultura Afro-Brasileira na arte mineira; comunicar sobre a juventude negra, além de celebrar o jubileu de ouro da diocese de São João del Rei (MG) e do santuário do Bom Jesus de Matosinhos.
0148. Pós-Graduação em Pedagogia Catequética - A diocese de Goiás (GO), a Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO) e a Comissão Episcopal Pastoral para Animação Bíblico-Catequética da CNBB promoveram, de 19 a 27 de julho/10, um Curso de Pós-Graduação em Pedagogia Catequética. Foi realizado na cidade de Goiás (GO) e desta edição participaram 62 pessoas, da 4ª e 5ª turmas. O curso foi uma especialização para catequistas das várias regiões do país. Segundo o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para Animação Bíblico-Catequética e um dos assessores do curso, dom Eugênio Rixen, o curso teve como objetivo incentivar a pesquisa e a produção catequética, capacitar e qualificar catequistas.


PADRE GERALDO RODRIGUES CSsR
http://www.aparecidadasaguas.com
vivencias@aparecidadasaguas.com

DO SITE BOLETIM DO PADRE PELÁGIO (PADRE CLÓVIS CSsR)

DIA 30 DE JULHO – SANTOS DO DIA


CONFESSOR DURANTE 40 ANOS
Lepoldo de Castelnuovo (1866-1942) pertenceu à Ordem dos Capuchinhos. Foi monge, sacerdote, místico e confessor procuradíssimo.

Sua missão principal foi ouvir confissões. Atendeu penitentes durante 40 anos seguidos, numa média de l5 horas por dia. Vinham até ele ricos e pobres, sacerdotes e bispos, autoridades e mandatários.
Distinguiu-se por uma extraordinária mansidão no confessionário, qualidade que o tornava mais procurado ainda.
Atendeu confissões até o último dia de vida, quando já estava no hospital, praticamente às portas da morte.
Foi agraciado com os sagrados estigmas de Jesus Cristo, e com o dom da profecia e do discernimento dos espíritos. Lia nos corações.
Está sepultado junto à cela onde atendia seus penitentes. Seu corpo foi encontrado incorrupto no túmulo, 24 anos após o falecimento. Foi canonizado em 1983, apenas 41 anos depois da morte.

Oração
Temos tudo em Jesus. Ele é tudo para nós.
Queres curar tuas feridas? - Ele é o Médico.
Acalmar o ardor da febre? - Ele é a Fonte da água viva.
Punir a iniqüidade? - Ele é a Justiça.
Precisas de socorro? - Ele é a Força.
Receias a morte? - Ele é a Vida.
Procuras o céu? - Ele é o Caminho.
Se foges das trevas - Ele é a Luz.
Se tens fome - Ele é o Alimento. (Santo Ambrósio)


O SANTO DA PALAVRA DE OURO
Pedro Crisólogo (380-450) significa “palavra de ouro” pois nosso santo foi um grande orador e evangelizador, merecendo por isso o título de “Doutor da Igreja”. Realmente, as palavras que proferia nos seus sermões, eram do ouro mais castiço. Conta-se que, no ardor e fogo da pregação, chegava a perder os sentidos.

Gostava de repetir nos seus sermões: “Deus prefere ser amado, do que temido”. Em outra homilia disse uma vez: “Os que passaram, viveram para nós; nós, devemos viver para os vindouros; e ninguém deve viver só para si”.
Um contemporâneo falou dele: “Ele semeia as leis da justiça, ilumina as páginas obscuras da Bíblia, e o povo vem de longe para vê-lo e ouvi-lo”.
Conservam-se até hoje quase duzentos sermões de sua autoria. Além de profundos, são de fácil compreensão, inclusive pelos mais simples. Eles primam pela clareza e força de persuasão.
Pedro Crisólogo foi grande amigo do Papa Leão Magno. Lutou ombro a ombro contra os erros doutrinários que começaram a proliferar no século V.
Foi arcebispo Metropolita da cidade italiana de Ravena; o primeiro na História da Igreja a receber tal título. Daí para frente Ravena se desenvolveu em todos os setores, especialmente no campo da arte.
Pressentindo a aproximação da morte, Pedro viajou para a sua cidade natal, fórum Cornelii, onde queria terminar seus dias.
Foi declarado “doutor da Igreja”. É o protetor contra a febre e a loucura.

PADRE CLÓVIS DE JESUS BOVO CSsR
Recomende este site aos seus amigos:
http://www.boletimpadrepelagio.org

AINDA DO SITE BOLETIM DO PE.PELÁGIO (PADRE CLÓVIS CSsR)


PADRE CLÓVIS DE JESUS BOVO CSsR



ÂNDROCLES E O LEÃO

No Império Romano existia um escravo fugitivo chamado Ândrocles. Vivia escondido numa caverna. Quando não se sabe como, ouviu um rugido, mais de dor do que de terror. Era um enorme leão que urrava a ponto de espantar todos os bichos da floresta. Sua pata estava inchada devido a um espinho ou farpa que ali entrara. Androcles chegou perto do felino e tirou a farpa. E ficaram amigos.

Algum tempo depois, Androcles voltou para Roma. Mas foi preso. Sua pena era, servir nas festas do Coliseu, sujeitando-se a ser devorado pelas feras. Quando soltaram aquele leão em cima dele, ao invés de atacar o escravo, colocou-se mansamente aos pés dele. Então ele constatou que o leão era o mesmo que fora socorrido por ele, tirando-lhe o espinho da pata. Ambos foram poupados e soltos.

Lição: Até os animais sabem ser gratos. E nós!

Afonso de Ligório II. A Resposta ao Amor




Apresentamos a transcrição do 2º artigo de Rui Vasconcelos, CSsR sobre Santo Afonso.

“Toda a santidade e perfeição da alma consiste em amar a Jesus Cristo”: já vimos que a proposta espiritual de Afonso, a sua proposta de vida cristã, é uma resposta de amor e gratidão ao Amor revelado em Jesus Cristo.

Naturalmente que é impossível corresponder ao Amor de Deus: este será sempre Graça, plenitude, perfeição. Mas a resposta tem de acontecer. Para Afonso, diante de um Cristo que se entrega até à Cruz, só faz sentido entregar-se totalmente a Ele. “Ó meu Jesus, meu Senhor, meu Redentor, quanto não fizestes para me obrigar a amar-vos?! Quanto vos não custou o Amor que me tendes? Muito ingrato seria eu se me contentasse com amar-vos apenas friamente, depois de terdes dado por mim o sangue, a vida, tudo, e a vós mesmo. Se vós morrestes por mim, vosso pobre escravo, é bem de razão que morra por vós, meu Deus, e meu tudo” (Considerações sobre o Estado Religioso, n° 10).
O Homem está talhado para viver no Amor. É na comunhão que se torna imagem e semelhança de Deus que é Amor, e é no Amor que responde ao Amor Criador e Salvador de Deus. Afonso intuiu esta chamada universal à santidade: «É um grande erro o que afirmam alguns: Deus não quer todos santos. Não, diz S. Paulo: Esta é a vontade de Deus a vosso respeito, a vossa santificação (1Ts 4, 3). Deus quer-nos todos santos, cada um no seu estado: o religioso como religioso, o leigo como leigo, o sacerdote como sacerdote, o casado como casado, o negociante como negociante, o soldado como soldado, e assim a respeito de qualquer estado» (Prática de Amar a Jesus Cristo). É interessante confrontar com o que diz o Concilio Vaticano II: «Se todos, na Igreja, não caminham na mesma via, todavia são todos chamados à santidade e têm igualmente a bela sorte da Fé pela justiça de Deus» (Lumen Gentium n°32).

Todos, cada um no seu estado de vida e nas suas possibilidades (nos seus talentos, segundo a linguagem evangélica – cf. Mt 25, 14-30), devem corresponder a este Amor de Deus percorrendo um caminho de santidade. A proposta de Afonso é para todos, mesmo para os mais simples. No seu apostolado, seja com os comerciantes das Capelas do Entardecer, seja com os camponeses das missões populares, a todos chamará à conversão, a uma opção por Cristo e a um desejo de se fazer santo.

Para Afonso, esta resposta de Amor, este caminho de santidade, acontece pela uniformidade com a vontade de Deus. «Toda a nossa perfeição consiste em amar o nosso amabilíssimo Deus: A caridade é o vínculo da perfeição (Col 3, 14). Mas depois, toda a perfeição do amor a Deus consiste em unir a nossa vontade à sua santíssima vontade. Este é já o principal efeito do amor» (Uniformità alla Volontà di Dio).

Mais do que fazer coisas, obras, é esta a opção fundamental que o crente deve assumir, e que deve ser a base de todas as suas ações: «É certo que agradam a Deus as mortificações, as comunhões, as obras de caridade para com o próximo, mas quando? Quando são segundo a sua vontade. Mas quando não são a vontade de Deus, não somente Ele não as aprecia, mas abomina-as e as castiga» (Ibid). «Não quisestes sacrifícios nem oferendas, mas me formaste um corpo. Não te agradaram holocaustos nem sacrifícios expiatórios. Então eu disse: Aqui estou, eis que venho para cumprir, ò Deus, a tua vontade» (Heb 10, 5-7).

Afonso sabe que, ao caminhar neste encontro com o Pai e no discernir a sua vontade a nosso respeito, estamos a caminhar no que é melhor para nós: “E estejamos certos de que, quando queremos o que Deus quer, só queremos o nosso maior bem, porque seguramente Deus não quer senão o que é melhor para nós” (Prática). Sabemos que tudo concorre para o bem dos que amam a Deus, dos chamados segundo o seu desígnio (Rm 8, 28). Viver esta comunhão com Deus, que abraça toda a minha vida, significa aceitar que a responsabilidade pela minha própria vida e felicidade deixa de estar só nas minhas mãos, e passa a estar também nas mãos de Deus. Não estou sozinho! E isto é uma grande fonte de confiança...

Numa carta aos noviços da Congregação, Afonso apresenta aponta algumas pistas de discernimento. Uma é quanto à vontade de querer servir o Senhor e o seu Reino. O fim é bom, a questão é o como: “Quem for tentado com este pretexto de maior utilidade para o próximo, tenha presente que o maior bem que podemos fazer é o que Deus quer que façamos” (Conselhos aos Noviços, n°7). É o mistério de consagração, mistério de Fé, tal como o próprio Jesus: só o próprio Pai sabe o que é melhor para o seu Reino, e o Espírito Santo nos guia e potencializa os nossos talentos, tornando-os carismas ao serviço desse Reino. Muito bem, servo bom e fiel; foste confiável no pouco, eu te ponho à frente do importante (Mt 25, 21). Nem todo aquele que me disser: Senhor, Senhor! entrará no Reino de Deus, mas aquele que cumprir a vontade de meu Pai do Céu (Mt 7, 21).

Este caminho que Afonso propõe de resposta de Amor e comunhão pessoal com Deus, torna-se caminho de Fé. Partilho a minha vida no que mais profundo e decisivo possui – as minhas opções, projetos, decisões – com a vontade de Deus-Pai, sintonizando-me pela Palavra, construindo o seu Reino. Em linguagem bíblica, é construir uma casa sobre a Rocha: Assim, pois, quem escuta estas minhas palavras e as põe em prática parece-se com um homem prudente que construiu a casa sobre a rocha (Mt 7, 24).

Unido a esta comunhão de vontades no caminho espiritual está o processo de conversão. Esse processo reúne as consequências da minha opção fundamental por Cristo que, passo a passo, deve preencher toda a minha vida. Afonso é radical: “No caminho de Deus não avançar é retroceder” (Prática). A conversão é o processo de libertação pessoal de tudo o que me impede ou condiciona na minha entrega a Jesus Cristo. Não que o amor a Deus seja exclusivista: Quem ama a Deus ame também o próprio irmão (1Jo 4, 21). Trata-se de libertar-me de tudo o que me impede de amar mais e melhor, seja a Deus como os irmãos: critérios, atitudes, opções, hábitos, etc. “Feliz aquela alma que chega a tal estado em que se lhe torna insuportável qualquer coisa que não seja Deus” (Dell’Amore Divino, n° 11), ou, podemos incluir, que não seja de Deus ou para o seu Reino.
 
Fonte: Rui Vasconcelos, CSsR (Blog Economia da Salvação)

NOSSO BLOG HÁ UM ANO! - 30/07/2009

CLICAR SOBRE OS LINK's
E
NA SETA DE RETORNO PARA VOLTAR


A UNIÃO DOS EX-SEMINARISTAS DO SRSA - 3
http://uneserinterativa.blogspot.com/2009/07/uniao-dos-ex-seminaristas-do-srsa-3.html

GERALDO DOS SIMPLES - 10
http://uneserinterativa.blogspot.com/2009/07/geraldo-dos-simples-10.html

NOTÍCIAS
http://uneserinterativa.blogspot.com/2009/07/noticias.html

Padre Walmir responde em 01/07/2010

PADRE WALMIR GARCIA DOS SANTOS CSsR

Edilaine: Tem um ditado que diz: “Quem fala demais dá bom dia a cavalo”. Há pessoas que também ficam “ruminando” o mesmo assunto durante muito tempo. O silêncio em certos momentos é sinal de sabedoria ou de covardia?
Há momentos que precisamos nos calar e outros falar. De fato, quem fala demais, acaba falando o que não deve, se torna inconveniente. O silêncio,em muitos momentos, se torna gesto de sabedoria; para se emitir uma opinião é preciso refletir bem, para não dizer coisas que não convêm.

Não identificada: Minha família sempre foi cheia de conflitos e desentendimentos. Já desisti de comparecer a festas, porque, no final, sempre sai discussões e ninguém toma iniciativa de mudar os relacionamentos. Têm parentes que mal se cumprimentam e todos eles vão à missa todos os domingos. O que fazer para reverte esta situação?
Em primeiro lugar, não basta ir à missa para se tornar uma pessoa cristã. O que identifica o cristão é sua coerência de vida. Você diz que ninguém toma iniciativa de mudar a situação de desavenças em sua família, creio que esta pessoa deve ser você. Seja profeta, convoque as pessoas à reflexão sobre a coerência de vida, sobre o bem estar que cada um deve promover para o outro. Não seja omissa nessa missão de cristã.

Raimundo: Em I Samuel 16, 7 diz o seguinte: “Mas o Senhor disse a Samuel, não atentes para a sua aparência, nem para a grandeza da sua estatura, porque eu rejeitei; porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem olha para o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração”.
Este trecho se refere à escolha de Davi, como ungido do Senhor para ser Rei em Israel. Deus não escolhe as pessoas pela aparência. Pelo que se diz no livro de Samuel, Davi era um rapaz franzino, feio na aparência em relação aos seus irmãos, mas Deus o escolheu não pela beleza, mas pela capacidade, pela beleza do coração.

Calisto: Na parábola do jovem rico, Jesus o fez recordar dos mandamentos e ele respondeu que os seguia desde a infância. Então, Jesus mostrou que ele estava errado, que tudo o que tinha feito, não havia sido por amor, portanto, não valeu e lhe fez um novo convite, o qual ele não aceitou, preferiu a riqueza. Fale sobre esta passagem, por favor. Ouvi dizer que o jovem morreu no dia seguinte. É verdade?
Primeiro Jesus não disse ao jovem rico que ele estava errado em cumprir os mandamentos, pelo contrário, mas ele completou sobre a busca da perfeição: “Se queres ser perfeito...” aí ele acrescenta sobre a disponibilidade em renunciar àquilo que impede de ser perfeito, um dos empecilhos é o apego à riqueza.

Alcinéia: Gostaria de saber qual a diferença entre Velho e Novo Testamento?
Velho Testamento ou Antiga Aliança é a Aliança feita com o povo de Israel antes da vinda de Jesus, aliás, muito antes. A Nova Aliança, ou Novo Testamento é a Aliança que Deus faz com todos os povos, na morte e ressurreição de Jesus. A partir daí começa um novo tempo, uma nova e definitiva Aliança, a realização da Salvação de todos, realizada na verdadeira Páscoa: Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus.

Percival: Em sua opinião de religioso, porque é tão difícil para muitos de nós seguir os ensinamentos de Jesus?
Por causa da dureza do coração, esta é a causa da dificuldade em seguir os ensinamentos de Jesus. É tão simples, basta amar a Deus e aos outros, mas nós complicamos porque somos egoístas, ambiciosos e não queremos o bem para os outros, mas só para nós mesmos.

Agnes: Ouvi dizer que Judas Iscariotes se enforcou logo após descobrir o erro que havia cometido ao entregar Jesus aos soldados. O que significa que se arrependeu do que fez. Será que Deus não levaria isso em conta? E a parábola do filho pródigo?
O suicídio de Judas não significa que ele se arrependeu do erro, é bem diferente da Parábola do filho pródigo. Agora, o julgamento é de Deus e não sabemos se Ele perdoou Judas, mas não nos assustemos se ao chegar ao céu e depararmos com Judas lá. Mas na Escritura vemos Jesus falar que o único pecado que não tem perdão é o pecado contra o Espírito Santo, a não aceitação da ação de Deus em Jesus Cristo, e isto Judas fez, não aceitou e traiu.

Cida: Explique esta passagem em João 18, 33.36-37: “Tornou a entrar Pilatos no palácio e chamou a Jesus e disse: Tu és o rei dos judeus? Respondeu-lhe Jesus: O meu reino não é deste mundo, se o meu reino fosse desse mundo, certo que meus ministros haveriam de pelejar para que eu não fosse entregue aos judeus, mas por agora o meu reino não é daqui. Disse então Pilatos: Logo tu és rei? Respondeu Jesus: Tu o dizes, eu sou rei. Eu não nasci e nem vim ao mundo senão para dar testemunho da verdade, todo aquele que é da verdade ouve a minha voz”.
Na verdade Jesus não veio repetir os reinos deste mundo, que estão baseados na prática da violência, da exploração e da prepotência, ele veio implantar o reino escatológico (que não é deste mundo), que não recorre à violência. Este reino se concretiza pelo acolhimento da verdade de Deus manifestada em Jesus, Palavra encarnada do Pai.

Lázara: Quando Jesus diz: “Quem é minha mãe, quem são meus irmãos?” ele está ensinando o amor universal. Aquele que nos ensina a não fazer a diferença entre as pessoas. Então, porque a maioria das pessoas prioriza o parentesco de sangue? Muitas vezes nos damos muito melhor com um amigo do que com um irmão!
Jesus não está desprezando os laços sanguíneos, mas valorizando quem faz a vontade do Pai. Quem segue os seus ensinamentos se torna família de Deus. Nós não podemos deixar de lado a vontade do Pai em hipótese alguma.

Dagmar: Gostaria que me explicasse a “Parábola do semeador”.
A Palavra de Deus é lançada, proferida, proclamada para todos, mas nem todos se abrem para acolhê-la com disposição de fazê-la crescer. Quando Jesus veio ao mundo, Ele veio para todos, mas nem todos acolheram a sua Palavra. Muitos de nós somos como terreno duro, chão batido, que não deixa a semente (Palavra) entrar, não produz; outros são inconstantes e apesar de dizer que acreditam, por qualquer coisa ou dificuldade abafam a Palavra (terrenos pedregosos e cheios de espinhos). É preciso acolher a Palavra como um terreno fértil, deixar a semente produzir e dar frutos.

Helena Bento: Por que temos dificuldade de aceitar a velhice?
O homem sempre foi preocupado com a eterna juventude. A velhice muitas vezes nos assusta por causa das conseqüências que ela trás para nós, os limites e dificuldades próprias da idade avançada. Para se ter uma velhice feliz é preciso, desde novo pensar nela, e preparar mantendo uma vida saudável hoje, para não termos conseqüências desastrosas no futuro.

http://www.matrizdecampinas.org.br/blog-dos-padres