CONSAGRAÇÃO À NOSSA SENHORA APARECIDA NA VOZ DO PADRE VITOR COELHO CSsR

Ó MARIA SANTÍSSIMA, PELOS MÉRITOS DO SENHOR JESUS CRISTO QUE EM VOSSA IMAGEM MILAGROSA DE APARECIDA ESPALHAIS INÚMEROS BENEFÍCIOS SOBRE O BRASIL, EU, EMBORA INDIGNO DE PERTENCER AO NÚMERO DOS VOSSOS SERVOS, MAS DESEJANDO PARTICIPAR DOS BENEFÍCIOS DA VOSSA MISERICÓRDIA, PROSTRADO A VOSSOS PÉS, CONSAGRO-VOS O ENTENDIMENTO, PARA QUE SEMPRE PENSE NO AMOR QUE MERECEIS. CONSAGRO-VOS A LÍNGUA, PARA QUE SEMPRE VOS LOUVE E PROPAGUE A VOSSA DEVOÇÃO.CONSAGRO-VOS O CORAÇÃO, PARA QUE, DEPOIS DE DEUS, VOS AME SOBRE TODAS AS COUSAS.RECEBEI-NOS, Ó RAINHA INCOMPARÁVEL, QUE NOSSO CRISTO CRUCIFICADO DEU-NOS POR MÃE, NO DITOSO NÚMERO DOS VOSSOS SERVOS. ACOLHEI-NOS DEBAIXO DA VOSSA PROTEÇÃO. SOCORREI-NOS EM NOSSAS NECESSIDADES ESPIRITUAIS E TEMPORAIS E, SOBRETUDO, NA HORA DA NOSSA MORTE. ABENÇOAI-NOS Ó MÃE CELESTIAL, E COM VOSSA PODEROSA INTERCESSÃO FORTALECEI-NOS EM NOSSA FRAQUEZA, A FIM DE QUE, SERVINDO-VOS FIELMENTE NESTA VIDA, POSSAMOS LOUVAR-VOS, AMAR-VOS E RENDER-VOS GRAÇAS NO CÉU, POR TODA A ETERNIDADE. ASSIM SEJA! ...PELA INTERCESSÃO DE NOSSA SENHORA APARECIDA, RAINHA E PADROEIRA DO BRASIL, A BÊNÇÃO DE DEUS ONIPOTENTE, PAI, FILHO E ESPÍRITO SANTO, DESÇA SOBRE VÓS E PERMANEÇA SEMPRE.AMÉM!
PRÓXIMOS EVENTOS (Todos estão convidados)





ÁGAPE MENSAL
11 - fevereiro - 2017


SETEMBRO - 2017
De 01 a 03 - 5º ERESER VICE PROVÍNCIA MANAUS
De 29 a 01/10 - ERESER CURITIBA

OUTUBRO - 2017

Dia 07 - ERESER NA NOVENA DE APARECIDA
Dia 21 - 11º ERESER MAIRINQUE

NOVEMBRO - 2017
De 12 a 15 - 7º ERESER PROVÍNCIA DE CAMPO GRANDE


XIII RETIRO
De 26 A 28 de janeiro de 2018
Local: Vila Santo Afonso - Pedrinha
Tema: A Espiritualidade Redentorista na Prática
Orientador: Padre Alfredo Viana Avelar, CSsR - Rio




SOM NO BLOG

QUANDO QUISER ASSISTIR ALGUM VÍDEO DO BLOG, VÁ ATÉ À "RÁDIO UNESER INTERATIVA" (caixa à direita do blog) E CLIQUE NO BOTÃO DE PAUSA (II).
APÓS ASSISTIR O VÍDEO, CLIQUE NO MESMO BOTÃO (PLAY) PARA CONTINUAR OUVINDO A RÁDIO.

31 de agosto de 2010

NOVENA DE NOSSA SENHORA

Recebemos do colega Alexandre Dumas o texto a seguir:

Às vezes, fico conjecturando se vale a pena continuar escrevendo minhas reminiscências, já dizia o ditado latino "Verba volant, Scripta manent". A gente pode falar um monte de bobagens, as palavras voam. Mas, escrever exige um cuidado especial, pois a escrita permanece. Não posso, no entanto, deixar de expressar meu descontentamento pela pouca divulgação que se dá à nossa participação na Novena de Nossa Senhora. Entre os eventos divulgados com antecedência e até com insistência pelos nossos sites e blogs, não se dá a devida importância a essa homenagem que se presta àquela da qual nos dizíamos escolhidos. Essa convocação se faz às vésperas do evento, não se empenhando na motivação que nos levaria a participar de um testemunho de nossa devoção, expressando em grupo a importância da existência da Uneser. Chega o dia, a Basílica nos reserva um lugar especial, o microfone anuncia a nossa presença, procura-se os ex-seminaristas e ali estão poucos representantes de um movimento que se diz de abrangência nacional. É vinculado a esse assunto que passo a narrar um fato importante acontecido em minha vida, antes da entrada para o seminário

 A PEDRA FUNDAMENTAL

          Estávamos no mês de setembro de 1946, eu tinha 8 anos e há dez meses atuava como coroinha da Basílica Nacional. Decorara o latinório, ajudava missas, rezas, procissões, enterros e todas e quaisquer cerimônias que exigissem a presença do padre e junto dele o coroinha. Trabalhavam na Basílica três padres novos dos quais me lembro muito bem:- Roriz, Amaral e França, todos os três encarregados de nos cobrar as escalas de serviços, nunca remunerados.  O vigário era o Pe Antonio Andrade e por lá apareciam sempre o Pe Pires, provincial na época, Pe Macedo, Pe Pelágio, Pe Paulo, Pe Pedro, Miné, Siqueira e outros mais.
            Naquele mês de setembro, já transcorridas a novena e a festa de Nossa Senhora, precisamente em 10/09/1946, sábado, estava marcada para a tarde a cerimônia do lançamento da Pedra Fundamental da Nova Basílica. Porque isto não acontecera no dia oito, festa de Nossa Senhora? É que o Cardeal Cerejeira, patriarca de Lisboa, que fora designado como representante do Papa para a cerimônia, não podia estar presente naquela data e somente por esse motivo o evento foi adiado. Compareceram, igualmente, os cardeais Dom Carmelo, Dom Jaime Câmara, bispos em profusão, governador do estado, representante do presidente da república.  inúmeras autoridades civis e eclesiásticas, guarda civil de São Paulo, banda da força pública, etc., etc., etc. Naquele dia, Pe Roriz me incumbiu de fazer parte do séquito do cardeal  Cerejeira.
                           Aonde ia Sua Eminência, ali estava o coroinha, sempre pronto a carregar algum paramento ou pertence. Seguimos em procissão para o Morro das Pitas, os padres, seminaristas, coroinhas, a banda militar e o povão fomos todos em procissão. As autoridades maiores, bispos e cardeais seguiram em seus carrões ladeira abaixo e morro acima. A banda tocava, entoávamos hinos e carregávamos o andor de Nossa Senhora, naquela época, a imagem verdadeira  acompanhava as procissões mais importantes.          
 Feitos os discursos, cantadas músicas religiosas, entoado o hino nacional e, logicamente, o “Virgem Mãe Aparecida”, enterrou-se a pedra e batemos em retirada, agora morro abaixo e ladeira acima. Acontece que, naquela época, não se rezava missa às tardes, nem de sábado, domingo ou qualquer outro dia. Então, a cerimônia da Primeira Missa ficou para domingo, dia 11/09/46. Padre Roriz nos convocou e deu a cada um uma tarefa, a minha foi de carregar uma almofada para servir ao celebrante, Cardeal Mota. Toda vez que ele se ajoelhasse, ali estava eu com a almofada. Em razão disso, postei-me à direita do altar, bem próximo do cardeal.                  

 O  CURIOSO DISSO TUDO É QUE A POSIÇAO EM QUE FIQUEI, EM RELAÇAO AO ALTAR, COINCIDE COM O LUGAR QUE HOJE   É DESTINADO AOS EX- SEMINARISTAS NA CERIMÔNIA DA NOVENA. Eis aí a razão porque eu curto a novena e torço para que nossa presença se perpetue e seja prestigiada, se não pelos ex-seminaristas de longe, pelo menos por aqueles que residem em Aparecida e adjacências.
As fotografias anexas, se aumentadas, mostram-me ao lado do Cardeal Cerejeira à porta da Basílica Velha, na outra, eu apareço segurando a almofada junto ao cardeal Mota, e na terceira, estou com a turma de coroinhas perto do Pe Pires, que lia o texto da ata de lançamento da pedra, que seria juntada aos demais documentos depositados na urna.   
Minha irmã Margarida presenteou-me com um álbum onde  colecionou as fotografias e recortes de jornais relativos ao acontecimento. Na dedicatória, ela escreveu: - "Dumas, desde a infância, tivemos momentos de Maria, presenciamos, ouvimos e sentimos em nossos corações preces e hinos de súplicas e louvores, glórias e vivas. Fatos como  registrado nestas páginas marcaram as nossas vidas e Nossa Senhora permitiu que a sua presença fosse registrada e fizesse parte da história de seu Santuário."

  PS - Levei este álbum a um de nossos eventos e mostrei-o a um grupo mais próximo, entre eles jovem padre, ironicamente me perguntou se eu era da turma do Pe. Vitor Coelho. Quisera, mas entre tantas graças recebidas,  Deus não me presenteou com mais essa, pois, além de ter vivido bem perto de Nossa Senhora, teria também convivido com um Santo...

COMPAREÇAM À  NOVENA

Vamos ocupar todos os lugares a nós reservados, vale a pena!!! Ao vivo e juntos, façamos nossas vozes ecoarem!!!

SALVE REGINA !

NOSSO BLOG HÁ UM ANO - 31 DE AGOSTO DE 2009

CLICAR SOBRE OS LINK's

E

NA SETA DE RETORNO PARA VOLTAR




RELIGIÃO TAMBÉM SE APRENDE - COMUNHÃO-3

"Oração é futuro"

SITE DO PE.PELÁGIO CSsR...PELO PE.CLÓVIS CSsR - 11

MUITO MARKETING E CATEQUESE POUCA

DIÁCONOS PERMANENTES



Acontece em Brasília, de 26 a 29, no Instituto Bíblico de Brasília (IBB) o 11º Encontro Nacional de Diretores e Formadores das Escolas Diaconais. O evento é bienal e tem como finalidade, segundo a Comissão Nacional dos Diáconos do Brasil (CND), atualizar a formação nas escolas dos candidatos ao diaconado permanente.
Segundo o arcebispo de Teresina (PI) e integrante da Comissão para atualização das Diretrizes do Diaconato Permanente, dom Sérgio da Rocha, há índice de crescimento no número de diáconos e de escolas de formação para esses agentes, no Brasil.
“Este encontro está ajudando na atualização das Diretrizes do Diaconato Permanente, pois cada escola aqui representada traz suas questões, suas problemáticas. Além disso, essa partilha de experiências revela o crescimento do número de diáconos e de escolas diaconais, mostrando a importância desse agente pastoral, e detalhando a necessidade de aprofundamento que as escolas formadoras estão aplicando nos futuros diáconos. E esta tendência de crescimento é um fator nacional”, ressaltou dom Sérgio.
O presidente da Comissão Nacional dos Diáconos do Brasil, diácono Odélcio Calligaris da Costa, detalhou os crescimento apontado pelo arcebispo de Teresina. “Pelo que constatamos, a estimativa é que haja aproximadamente 2400 diáconos, 70 escolas formadoras e 600 candidatos a formação permanente no Brasil”.
Ainda segundo o presidente da CND, a importância da formação do agente pastoral e de sua atuação nas comunidades é vital para uma evangelização mais eficiente. “Este encontro serve de motivação para a continuidade de formação dos futuros diáconos e no seu aprofundamento. Para ser um bom agente de pastoral é necessário generosidade, disposição é competência. Os dois primeiros são dons de Deus, e o último deve ser conquistado pelos estudos, por isso destaco a importância da formação permanente do diácono”, ressaltou.
O bispo de Balsas (MA), dom Enemésio Angelo Lazzaris, também participa do encontro. Segundo o bispo, a tendência de crescimento é perceptível em sua diocese. “Quando assumi a diocese de Balsas, havia dois diáconos. Atualmente há a formação de mais sete futuros diáconos permanentes”. Segundo o bispo, o maior problema que sua diocese enfrenta é a grande distância de uma extremidade a outra. “Não há mais candidatos ao diaconato porque sofremos com a longa distância de nossa diocese. Ao todo são 700 km, então fica muito complicado reunir essas pessoas. Mas mesmo com essa longa distância, estamos trabalhando na constante atualização e formação aprofundada dos futuros diáconos”, afirmou dom Enemésio.
Segundo dados da Comissão Nacional de Diáconos do Brasil o crescimento de diáconos no mundo é da faixa de 35%, e no Brasil os números são maiores.
Outras informações acesse o site da Comissão de Diáconos, no endereço eletrônico www.cnd.org.br

Fonte: Site da CNBB

PARABÉNS ESPECIAL

Este informativo é muito especial...

Hoje comemoramos os 47 anos de idade do Provincial  PADRE LUIS RODRIGUES






Data de nascimento: 31 de agosto de 1963
Pai: Alcides Rodrigues Batista
Mãe: Floripe Correa Machado Batista
Profissão Religiosa: 02 de fevereiro de 1991.
Sacerdócio: 14 de abril de 1996.
No dia 23 de maio de 2008, houve a eleição para Provincial da Província Redentorista de São Paulo O nome do Pe. Luís Rodrigues Batista foi apontado para esta tarefa para o triênio: 2009 - 2011. No dia 24 de maio, o Superior Geral, Pe. Joseph W. Tobin e seu Conselho reconfirmaram o seu nome para continuar desempenhando as funções de moderador da Província e de presidente do Conselho Provincial “com o encargo de dirigir e organizar a Província, de acordo com as Constituições e os Estatutos gerais ou particulares” (C.125).
Pe. Luis Rodrigues nasceu em Porto Feliz - SP. Entrou para o Seminário Menor Santa Teresinha, em Tietê SP, a 09/02/1980. Em 1990 fez o Noviciado, emitindo a Primeira Profissão a 02/02/1991. Cursou a Teologia em São Paulo (ITESP), e fez a Profissão Perpétua a 12/11/1994. Foi ordenado sacerdote por Dom Pedro Fré, então bispo de Barretos, em Porto Feliz – SP, a 14/04/1996.
Trabalhou inicialmente como formador no Seminário Santo Afonso, em Aparecida SP. Em seguida, trabalhou na Editora Santuário. Em 1999, formou-se em Comunicações Sociais, com habilitação em Jornalismo. Por 2 anos, atuou na Rádio Aparecida.
Foi superior da Comunidade das Comunicações, em Aparecida SP. Em 2002, foi eleito Vigário Provincial do Provincial Pe.José Ulysses da Silva e assumiu como Superior da Comunidade e como primeiro Pároco da Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na cidade de São João da Boa Vista SP. Exerceu o cargo de Provincial no triênio 2005 - 2008
Pe. Luís Rodrigues é um confrade simples e sempre acessível, sabe discernir as situações com sabedoria e tranqüilidade, sem criar dramas desnecessários.

Nossos votos de muitas alegrias e realizações !
UM GRANDE ABRAÇO DA FAMÍLIA UNESER !

PARABÉNS


Festejando mais um aniversário:

GENILDO BATISTA DE OLIVEIRA (TURMA DE 1988) de Sacramento - MG

JOÃO BATISTA DE ANDRADE (1975) de Campinas - SP

LUIZ TIRAPELLI de Campinas - SP

PADRE JORGE PAULO DA SILVA SAMPAIO comemorando 39 anos de idade
PADRE DORIVALDO PIRES DE CAMARGO que festeja 30 anos de Ordenação Sacerdotal
PADRE FERNANDO VELOSO DA SILVA que comemora 8 anos de Sacerdócio

Nossos votos de muitas felicidades e muitos anos de vida repletos de bênçãos do Altíssimo!

DO SITE BOLETIM DO PADRE PELÁGIO - (PADRE CLÓVIS CSsR

31 DE AGOSTO - SANTO DO DIA


TRANCARAM SUA BOCA COM UM CADEADO

Foi com São Raimundo Nonato (1200-1240) – Nonato significa que não nasceu pelas vias normais. Retiraram-no vivo do seio da mãe, logo que ela faleceu. Foi pastor de ovelhas quando menino.

Ingressou na Ordem dos Mercedários e dedicou-se inteiramente à libertação dos cristãos cativos. Por fim, esgotados os recursos financeiros para esse caridoso mister, entregou-se a si mesmo como refém.

Defensor da Fé contra os maometanos, foi preso e acorrentado, tendo ainda os lábios trancados com um cadeado. Esteve a ponto de morrer sob as torturas, mas foi resgatado a tempo. É muito venerado nas regiões do Piauí.


PADRE CLÓVIS DE JESUS BOVO CSsR
Recomende este site aos seus amigos:
http://www.boletimpadrepelagio.org

VIVÊNCIAS DE PERTO @ DE LONGE




Nº 0062 31/08/2010
0286. Evangelho de terça-feira (31-08-2010) - 1ª leit 1Cor 2, 10b-16; Sl 144; Lc 4, 31-37 - Jesus desceu a Cafarnaum, cidade da Galileia, e aí ensinava-os aos sábados. As pessoas ficavam admiradas com o seu ensinamento, porque Jesus falava com autoridade. Na sinagoga, havia um homem possuído pelo espírito de um demônio impuro, que gritou em alta voz: “Que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus!” Jesus o ameaçou, dizendo: “Cala-te, e sai dele!” Então o demônio lançou o homem no chão, saiu dele, e não lhe fez mal nenhum. O espanto se apossou de todos e eles comentavam entre si: “Que palavra é essa? Ele manda nos espíritos impuros, com autoridade e poder, e eles saem”. E a fama de Jesus se espalhava na redondeza.

N.R.: Jesus, consciente de sua missão, fala com firmeza e poder. Que nos ensine a agir e falar com convicção e a testemunhar o Evangelho.

0287. Orientando - Serviço Voluntário - Com orientação enviada pela Dra. Tatiane M. Arikawa, da Táfer, apresentamos o assunto que é de grande interesse de organizações que se dedicam a servir o próximo! É considerado trabalho voluntário a atividade não remunerada, prestada por pessoa física, entidade pública de qualquer natureza ou instituição privada de fins não lucrativos, que tenha objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência social, inclusive mutualidade. O serviço deve ter um “Termo de Adesão ao Serviço Voluntário” entre a entidade e o prestador do serviço voluntário. No termo deve constar o objeto e as condições de seu exercício. Neste tipo de serviço, só é permitido o ressarcimento das despesas que o voluntário realizar no desempenho das atividades voluntárias e ele deve comprovar tais despesas e elas devem ser expressamente autorizadas pela entidade. Nenhum outro tipo de remuneração pode ser-lhe concedido. O serviço voluntário não pode gerar vínculo empregatício nem obrigação de natureza trabalhista, previdenciária o afim.
0288. Orientando 02 - Serviço Voluntário - O espírito da lei - A lei visa garantir o caráter de benevolência do serviço. Quando alguém se interessa por fazer um trabalho voluntário, como em uma paróquia ou projeto social, está interessado em fazer o bem para o próximo, em doar algum tempo livre para fazer algo bom para a sociedade e para si mesmo. A gratificação vem em retorno pessoal e nunca pode vir de retorno financeiro. A legislação trabalhista é extramemente protecionista aos direitos do empregado. Por isso, é importante não contratar como voluntários pessoas que já foram empregadas da entidade, mesmo que estas pessoas solicitem ou concordem com isso.

Mesmo que o empregado assine um “Termo de Voluntariado” e trabalhe, realmente, como voluntário em horário diverso de sua jornada de trabalho, se houver discussão judicial, a validade do “Termo de Adesão” poderá ser questionada e a Entidade será obrigada a pagar como horas-extras aquelas trabalhadas como voluntárias! A Entidade deve se resguardar de futuras confusões pois, havendo dúvidas acerca da natureza do contrato, a interpretação será sempre em favor do vínculo empregatício, já que este é mais benéfico ao trabalhador.

0289. Orientando 03 - Serviço Voluntário - Sem interesses e sem compromissos - O voluntário não deve ter interesse em obter lucros ou ganhos materiais com a atividade e, por esse mesmo motivo, a entidade que faz uso de seu trabalho não pode remunerá-lo a qualquer título ou forma, inclusive como gratificação, ajuda de custo, cesta básica ou outra forma de prêmio. Quando a entidade passa a remunerá-lo de alguma forma, cria-se o risco de equiparar-se a salário e o serviço voluntário ser confundido com contrato de emprego.

Só é permitido o reembolso de despesas que o voluntário tiver em razão da atividade prestada. Mas tal despesa deve estar previamente autorizada pela entidade para que não configure remuneração indireta e deve ser no valor exato do gasto efetuado, tudo conforme comprovantes como recibos e notas fiscais.
Os serviços não podem ser exigidos do voluntário como uma obrigação. O voluntário deve se disponibilizar a comparecer ao local da prestação de serviços por vontade própria e não por imposição da entidade. Por isso, quando não há mais o interesse em servir, o voluntário apenas se desliga da entidade e não precisa cumprir qualquer aviso prévio ou pagar multa. Dispomos de modelos de “Termo de Adesão ao Serviço Voluntário” e de “Recibo de Reembolso das Despesas”.

PADRE GERALDO RODRIGUES CSsR
http://www.aparecidadasaguas.com
vivencias@aparecidadasaguas.com

IMITAÇÃO DE CRISTO - LIVRO TERCEIRO - CAPÍTULO 31


TOMÁS DE KEMPIS



Do desprezo de toda criatura, para que se possa achar o Criador


1. A alma: Senhor, muita graça ainda me é necessária para chegar a tal ponto, que nenhum homem nem criatura alguma me possa estorvar. Pois, enquanto me detém alguma coisa, não posso voar à vós livremente. Aspirava a esta liberdade o profeta, quando dizia: Quem me dera asas como a pomba, para poder voar e descansar! (Sl 54,7). Que há de mais sereno que o olhar singelo, e quem é mais livre que o homem sem desejo terrestre? Por isso importa elevares-te acima de todas as criaturas, e renunciares totalmente a ti mesmo, e naquele arroubo da alma perseverares e compreenderes que
o Autor de todas as coisas não tem semelhança com as criaturas. E quem não estiver desprendido das criaturas, não poderá livremente atender às coisas divinas. Por isso se encontram tão poucos contemplativos, porque raros são os que sabem desapegar-se de todo das coisas perecedoras.
1. Para isso é mister graça poderosa, que levante a alma e a arrebate acima de si mesma. Enquanto o homem não for elevado em espírito, livre de todas as criaturas e todo unido a Deus, pouco vale quanto sabe e quanto possui. Imperfeito permanecerá por muito tempo e preso à terra quem algo estimar que não seja o único, imenso e terno Bem. Porque tudo que não é Deus é nulo, e deve ser tido em conta de nada. Há grande diferença entre a sabedoria de um homem iluminado e devoto e a ciência de um letrado e estudioso. Muito mais nobre é a doutrina que vem do céu, por inspiração divina, do que aquilo que o engenho humano adquire à custa de muito esforço.
2. Muitos há que desejam a vida contemplativa, mas não tratam de exercitar-se nas coisas que ela exige. O grande obstáculo é que se detêm nos sinais e coisas sensíveis, cuidando pouco da perfeita mortificação. Não sei o que é, nem que espírito nos move, nem que
pretendemos nós que passamos por homens espirituais quando empregamos tanto trabalho e cuidado nas coisas vis e transitórias, ao passo que raras vezes nos recolhemos plenamente a considerar nosso interior.
3. Ai! Que, depois de curto recolhimento, logo nos dissipamos, sem ponderar nossas ações em rigoroso exame. Não reparamos para onde se inclinam nossos afetos, nem deploramos quão defeituoso é tudo em nós. Por ter corrompido toda a carne o seu caminho (Gên 6,12), veio o grande dilúvio. Estando, pois, corrompido o nosso afeto interior, forçosamente se há de corromper a ação que dele se segue, patenteando bem a fraqueza interior. Só do coração puro procede o fruto da boa vida.
4. Muitos indagam quanto fez uma pessoa, mas de quanta virtude foi animada nem tanto se cura. Com diligência investigam se alguém é forte, rico, formoso, hábil, bom escritor, bom cantor, bom artista; mas quão pobre seja de espírito, quão paciente e manso, quão piedoso e espiritual, disso não se faz caso. A natureza só considera o exterior do homem, mas a graça olha o interior. Aquela muitas vezes se engana, esta espera em Deus, para não ser iludida.

ATUALIDADES DE ONTEM DO C.Ss.R.REDEMPTOR - Sete pecados


PADRE RAFAEL VIEIRA CSsR


A partir de agora, quem faltou ao catecismo no dia em que uma doce senhora ensinava a lista dos pecados capitais, já poderá decorar o nome dessas traições ao amor de Deus. Quem esteve presente na catequese sobre o mal moral, mas a memória já não ajuda a enumerar os sete pecados também poderá recordá-los. Uma telenovela da Rede Globo de Televisão, que teve início na semana passada, se propõe a contar histórias do cotidiano com o foco nesses pecados e a dimensão didática – para ensinar ou lembrar – está assegurada na arte gráfica que será apresentada de segunda a sábado, nos próximos meses, pela abertura do programa. E não se trata apenas de insinuação simbólica, cada um dos pecados tem o seu nome colocado em letras garrafais: luxúria, ira, gula, vaidade, inveja, avareza e preguiça. Não é de se estranhar que o tema chegue a ganhar tanto acento num folhetim de dramaturgia popular. O Brasil anda de mal a pior no que se refere ao discurso público sobre ética pessoal. A lambança dos políticos respinga em toda a sociedade e a opinião generalizada das pessoas é a de que cada um tem a marca de um pecado especial. A novela explora isso. Uma inverdade que traz consigo um risco enorme para a formação da consciência.
Uma face desse risco é representada justamente pela armadilha feita pela poderosa indústria da imagem para pegar incautos telespectadores ao acender o fogo do tratamento do pecado com um certo glamour. De repente, parece que ficou bonito e interessante ser pecador. A mistura de conceitos mal elaborados de certas ações humanas que diminuem a dignidade e corroem a capacidade de crescimento com saúde espiritual têm dado a impressão de que o reconhecimento do pecado e sua espetacular exploração parecem ser sinal de liberdade de expressão e, pior, de criatividade na cultura de massa. Se brincar, daqui a pouco, começarão a fazer concursos para se premiar quem é mais invejoso, avarento ou vaidoso. A luxúria já foi levada ao posto de um pecado atraente por conta da histórica repressão sexual do ocidente. A gula tornou-se, há muito tempo, objeto de publicidade para bons restaurantes e a ira ganhou, em meios mais juvenis, a conotação de algo excelente. Os jovens quando dizem que algo é irado, querem dizer que é maravilhoso.
Na Exortação Apostólica Reconciliatio et penitenciae, assinada pelo saudoso João Paulo II, há uma advertência que compensa ser recordada diante de um quadro de banalização do pecado como se verifica atualmente. O Papa afirma: “exclusão de Deus, ruptura com Deus, desobediência a Deus: é isto o que tem sido, ao longo de toda a história humana, e continua a ser, sob formas diversas, o pecado, que pode chegar até à negação de Deus e da sua existência”. É completamente inaceitável que a indústria do entretenimento queira entrouxar na realidade pecado, as características que sugerem bem-estar, realização e felicidade. O pecado é a negação de tudo isso porque sua prática exclui a fonte de todo o bem. Pouca gente vai se lembrar disso ao apreciar a abertura da novela das sete e, certamente, como sempre, muita gente vai eleger seus pecados e pecadores prediletos no folhetim. Pena. Restará sempre a misericórdia.
D. Orlando Brandes, bispo de Joinville, Santa Catarina tem uma palavra bonita sobre a misericórdia que pode nos dar a exata medida da tolerância da abordagem dos sete pecados capitais. Ele diz que o que não é misericórdia: “Não é permissividade. (...) Não é cumplicidade, isto é, não é justificação do mal, mas a destruição do mal. Não é banalização do pecado. A graça não é barata”. A misericórdia é, recorda Dom Orlando, tolerância, paciência, compaixão, compreensão. E para contrabalançar o mágico numero sete dos pecados que agora ganham figurino “global”, pode-se recorrer a uma imagem apresentada pelo bispo de Joinville: “Temos sete obras de misericórdia. O caminho da paz, o reino da solidariedade, a cultura do perdão, a civilização do amor, são expressões concretas da misericórdia. Quanto mais misericórdia, mais amizade e mais solidariedade. A misericórdia não conhece limites, é inesgotável, mas ela põe um limite ao mal.”.
Pe. Rafael Vieira, CSsR / 25.06.2007

REFLETINDO A PALAVRA Nº295 - Aprendendo a amar Maria.


Pe. Luiz Carlos de Oliveira CSsR

Aprendendo a amar Maria.

Na escola de Jesus.

Neste mês de maio pudemos manifestar de muitos modos o amor a Nossa Senhora. Certamente isso encheu nosso coração de alegria e esperança. Notamos também que cresceu muito, nestes últimos tempos, a devoção e o amor a Nossa Senhora. É um bom sinal, pois, amando a Mãe, chegamos facilmente a amar o Filho. As historinhas contam quanto bem fez às pessoas uma simples expressão de devoção a Nossa Senhora. Quando queremos falar sobre Maria, sobre sua vida, missão na Igreja, deparamos com um problema que me angustia no momento: como lidar com uma Nossa Senhora que é uma mulher do povo de Deus e o mesmo tempo, elaborar uma reflexão teológica. Maria não é uma idéia, uma reflexão, um esquema de ensinamento sem referência a uma pessoa. Por outro lado ela não pode ser reduzida a uma simples mortal como outra qualquer, mesmo sendo a maior. Há algo mais. Creio que partindo do humano, podemos chegar ao conceito. O humano de Maria está direcionado ao seu Filho Jesus. Maria aprendeu a ser o que Jesus era e com Ele está a Ele na redenção do mundo.
Aprendizado lento e constante.
O primeiro aprendizado nesta escola de Jesus para Maria foi a capacidade de ser humana. Tirar o aspecto humano de Maria é transformá-la em uma idéia, uma teoria espiritual. Mesmo estando glorificada ela permanece a Maria de Nazaré, como Jesus. Isso nos ensina a viver intensamente a vida humana como primeiro caminho de redenção. O segundo momento da escola de Maria, que é nossa escola, é o aspecto de assimilação transformante de sua vida na vida Filho. Houve entre Maria e Jesus uma contínua troca de ensinamentos. Jesus aprendeu a ser humano e Maria aprendeu dEle a construir em si a vida de Deus. Ela estava unida a Jesus pelos laços da maternidade e pelos laços da fé. Por estes laços pode adquirir os sentimentos de Cristo e com eles, continuar a missão de Cristo. Os grandes privilégios de Maria não lhe tiram a humanidade, mas levam-na a colocá-los inteiramente a serviço da humanidade. Por aí podemos chamá-la de Imaculada, Mãe, Virgem e Assunta ao Céu. Unindo-nos a Maria pelo afeto e pela fé em seu Filho Jesus, justificamos nossa oração a ela, nosso pedido de graça, nosso agradecimento.
Escola de redenção.
Maria, unida ao Filho torna-se co-redentora, participa da redenção que Ele nos traz. Nós também, nos tornamos com ela participantes da redenção de Cristo, sendo redimidos e anunciando a redenção. Estamos unidos a ela também através de nossa unidade no Corpo de Cristo. Nossa união de afeto nos introduz nessa mesma vida e por isso recebemos dela os imensos favores. É bom que sejamos devotos de Maria e tenhamos sempre em nossa vida sua presença. Viveremos a vida de Cristo e participaremos de seu mistério de redenção. Nossa união a Maria se faz pelos simples gestos de piedade, pelas orações que aprendemos desde pequenos, pela flor que levamos ao seu altar, pela medalhinha que trazemos com carinho, pela novena, pela súplica de uma graça, pela leitura de um livro sobre ela, por um estudo apaixonado de seus dons e privilégios. Sem Maria jamais entendemos Jesus.

REMEMORANDO REDENTORISTAS - PE.SANSON CSsR

Pe. Carlos Sanson, C.Ss.R

31 de Agosto 1992+

Carlito, como era carinhosamente chamado, nasceu no dia15 de fevereiro de 1928, numa cidade do interior do Paraná chamada Papagaios Novos, filho de uma família descendentes de Italianos. Seu pai chamava-se Desidero Sanson e sua mãe Laurinda F. Andrade. A família mudou para a cidade de Ponta Grossa, onde este conheceu os Redentoristas na Paróquia São José. Foi coroinha. Fez seus estudos do seminário Menor em Aparecida e noviciado junto com a Província de São Paulo. Tinha no Seminário o apelido de “turco” porque era de pele um pouco escura. Como seminarista, em Aparecida, sofreu perseguição do seu formador, um padre de origem alemã, o famoso Pe. Pedro, que não suportava turcos. Depois da primeira profissão religiosa foi para os Estados Unidos e completou os estudos de filosofia e teologia em Esopus, New York. Professou em 1948 e foi ordenado em 1953. Voltando ao Brasil, trabalhou em Miranda, Ponta Grossa, Curitiba e Campo Grande. Por ser uma pessoa muito inteligente foi enviado a lecionar português no então novo Seminário Menor, Santíssimo Redentor, em Ponta Grossa, e ali passou vários anos. Era um bom pregador. Quando transferido para Curitiba, viveu na comunidade do Perpétuo Socorro, dedicou-se ao Cursilho e ficou famoso, sendo diretor espiritual desse movimento por vários anos. Foi um grande diretor espiritual de leigos que buscavam entrosamento na Igreja local. Voltou à Ponta Grossa para ser ministro no Seminário Menor, quando o noviciado mudou de Tibagi para a casa das Irmãs de São José na propriedade do seminário.
Gostava muito de festas e se orgulhava em fazer a melhor caipirinha do Estado do Paraná. Gostava dos encontros de confraternização a cada dia antes do almoço, o chamado “Happy Hour”. Fumava como uma chaminé. Voltou à Curitiba, para a comunidade do Perpétuo Socorro e continuou seu trabalho no Cursilho e no atendimento ao povo. Fazia também muitas traduções do inglês para o português.
Conta-se que durante um retiro pregado na Província pelo falecido ex-geral, Pe. Tarcísio Amaral experimentou uma conversão muito profunda e mais tarde partilhou isso com alguns outros confrades. Dizia que até então estava desanimado e desacreditando de muitas coisas. Depois desse retiro voltou a ficar alegre e contente com a vida. Foi para ele um verdadeiro renascimento. Uma bênção toda especial de Deus. Após isso foi eleito Capitular e com grande afinco buscava fazer tudo que dizia respeito à vida provincial.
Um fato interessante foi que Pe. Guilherme Olsen trouxe, sem autorização, todos os documentos que falavam a respeito da nossa Província dos arquivos da Província de Baltimore. Ele não compreendia o porquê de tais documentos estarem lá e não queria atender o Provincial de Baltimore que lhe pedia para fazer cópias de tudo e deixasse os originais nos arquivos da Província Mãe. Pegou os originais! Quase houve uma guerra com o arquivista de Baltimore, pois padre Olsen recusava-se a devolver. Só quem conheceu padre Guilherme pode entender isso. Nesse momento, sem dizer nada para ninguém, Pe. Carlos, página por página, fez cópia de todos os documentos. Por isso, graças a ele uma parte importante de nossa história está em nossos arquivos, porque os originais finalmente foram devolvidos para Baltimore.
Faleceu no dia 31 de agosto de 1992, às 9h30 da manhã, segunda-feira, na casa da Ubaldino do Amaral. Tinha recém chegado do Cursilho onde havia trabalhado o final de semana todo. Na derradeira manhã, tomou café com o Padre Clement Krug que viajou logo em seguida para Ponta Grossa, onde era pároco. Deu uma blusa para nossa funcionária consertar e foi atender uma senhora. Quinze minutos depois que começou tal atendimento caiu desmaiado na cadeira, tinha sofrido um enfarto. A mulher que estava sendo atendida entrou em desespero, saiu correndo e gritando muito. Rita, funcionária da casa, chamou padre Estevão Vanyo que estava no quarto de hóspedes e estenderam seu corpo no chão. Seu peito abaixou na hora. O SIAT foi chamado imediatamente e levou exatamente dois minutos para chegar. Enquanto isso Pe. Estevão administrou o Sacramento dos enfermos. Usaram de todos os esforços e recursos para reanimá-lo, mas ele não reagiu. Sendo levado inconsciente para o hospital Cajuru foi declarado morto. Teve um enfarto fulminante! Segundo dados médicos ele morreu no momento do enfarto, enquanto atendia a senhora. Nunca apresentou estar doente. Nunca teve um histórico de doença. A morte foi rápida.
Na mesma noite, o corpo vestido com seu hábito redentorista, rosário e cruz missionária, foi velado no Santuário Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Lá do alto, junto ao mosaico branco, Nossa Senhora também velava um dos seus prediletos filhos. As 19h00 Dom Moacir Vitti, bispo auxiliar de Curitiba dirigiu uma para liturgia para todos os fiéis que estavam no velório. Ás 20h30 os confrades e estudantes participaram da Liturgia das horas e orações pelo confrade que havia partido. Às 22h00, Padre Capriotti, diretor espiritual diocesano dos Cursilhos, presidiu homenagens rodeado por centenas de cursilhistas que lotaram o Santuário para dar seu ultimo Adeus àquele que tantos anos lutou por esse Movimento. No dia seguinte, 1º de setembro, às 8h00, o Santuário estava novamente lotado para a missa de corpo presente, que foi presidida por Dom Pedro Fedalto, arcebispo de Curitiba. Aproximadamente 30 padres e muitos religiosos concelebraram e participaram. Padre Lourenço, Provincial na época, proferiu a homilia com palavras simples e diretas, bem ao estilo do padre Carlito. Após a encomendação a Igreja vibrou com o hino “Salve Regina”, entoado pelo clero e pelos religiosos. O sepultamento aconteceu no cemitério Parque Iguaçu, numa sepultura provisória, porque os jazigos da Congregação ainda não estavam prontos.
Bonita foi a reação da sua família. Ninguém exigiu absolutamente nada. Nem café na casa paroquial quiseram tomar, diziam que de modo algum queriam incomodar. E num sentimento de muita fé e entrega do seu ente querido a Deus acompanharam tudo de modo muito sereno. A única coisa que a família pediu foi uma foto. Um fato engraçado nesse momento de dor foi que o Padre Edmundo queria que colocasse os óculos no Carlito porque sua aparência era de como se ainda estivesse vivo. Tal velório foi um momento muito festivo, na hora da missa os cursilhistas cantavam com veemência a musica decolores. Na casa de Cursilho em Curitiba foi colocado um busto em homenagem a esse grande cursilhista.

Pe. Gelson Luiz Mikuszka, C.Ss.R
Contribuição: Pe. Lourenço Kearns, C.Ss.R
e Rita de Cássia
http://www.redentoristas.org.br

ORAÇÃO DA MANHÃ - DEUS EM MINHA CASA


PADRE FLÁVIO CAVALCA DE CASTRO CSsR


Oração da manhã para todos os dias

Senhor meu Deus, mais um dia está começando. Agradeço a vida que se renova para mim, os trabalhos que me esperam, as alegrias e também os pequenos dissabores que nunca faltam. Que tudo quanto viverei hoje sirva para me aproximar de vós e dos que estão ao meu redor.
Creio em vós, Senhor. Eu vos amo e tudo espero de vossa bondade.
Fazei de mim uma bênção para todos que eu encontrar. Amém.

As reflexões seguintes supõem que você antes leu o texto evangélico indicado.

Dia 31 − Terça-feira −

São Raimundo Nonato, religioso

Evangelho (Lc 4,31-37) “As pessoas ficavam admiradas com o seu ensinamento, porque Jesus falava com autoridade.”


Jesus não era como os outros rabinos e mestres que ensinavam e discutiam teorias. Ele falava da vida, ele vivia como ensinava. E ele, como Filho de Deus, agia no coração de seus ouvintes, conquistando-os por dentro, dando-lhes coragem para se decidirem por um jeito novo de viver. É assim que ele continua a nos ensinar agora: basta que nos deixemos conquistar e seduzir por ele.

Oração
Senhor Jesus, falai ao meu coração, tomai conta de meu modo de pensar e de viver. Acredito que só vós me podeis salvar, mudando-me por dentro, dando-me um jeito novo de viver. Quero seguir-vos sempre e estar convosco. Aumentai minha fé, meu amor e minha fidelidade. Confio em vosso poder e em vossa bondade. Tende paciência se nem sempre sou muito rápido em vos seguir. Amém.

30 de agosto de 2010

NOSSO BLOG HÁ UM ANO - 30 DE AGOSTO DE 2009

CLICAR SOBRE OS LINK's

E

NA SETA DE RETORNO PARA VOLTAR



RELIGIÃO TAMBÉM SE APRENDE - COMUNHÃO-2

"Oração e Adoração"

SITE DO PE.PELÁGIO CSsR...PELO PE.CLÓVIS CSsR-10

...testemunho de quem é...

SANTOS, SANTA E BEATA DO DIA 30 DE AGOSTO

São Félix e Santo Adauto


Poucos são os registros encontrados sobre Félix e Adauto, que são celebrados juntos no dia de hoje. As tradições mais antigas dos primeiros tempos do cristianismo narram-nos que eles foram perseguidos, martirizados e mortos pelo imperador Diocleciano no ano 303.
A mais conhecida diz que Félix era um padre e tinha sido condenado à morte por aquele imperador. Mas quando caminhava para a execução, foi interpelado por um desconhecido. Afrontando os soldados do exército imperial, o estranho declarou-se, espontaneamente, cristão e pediu para ser sacrificado junto com ele. Os soldados não questionaram. Logo após decapitarem Félix, com a mesma espada decapitaram o homem que tinha tido a ousadia de desafiar o decreto do imperador Diocleciano.
Nenhum dos presentes sabia dizer a identidade daquele homem. Por isso ele foi chamado somente de Adauto, que significa: adjunto, isto é “aquele que recebeu junto com Félix a coroa do martírio”.
Ainda segundo as narrativas, eles foram sepultados numa cripta do cemitério de Comodila, próxima da basílica de São Paulo Fora dos Muros. O papa Sirício transformou o lugar onde eles foram enterrados numa basílica, que se tornou lugar de grande peregrinação de devotos até depois da Idade Média, quando o culto dedicado a eles foi declinando.
O cemitério de Comodila e o túmulo de Félix e Adauto foram encontrados no ano de 1720, mas vieram a ruir logo em seguida, sendo novamente esquecidos e suas ruínas, abandonadas. Só em 1903 a pequena basílica foi definitivamente restaurada.
Esses martírios permaneceram vivos na memória da Igreja Católica, que dedicou o mesmo dia a são Félix e santo Adauto para as comemorações litúrgicas. Algumas fontes, mesmo, dizem que os dois santos eram irmãos de sangue.

São Félix, rogai por nós!
Santo Adauto, rogai por nós!
http://portalcot.com/br/catolicoemdia/sao-felix-e-santo-adauto/


Santa Tecla, virgem, mártir, séc. I

Tecla nasceu pelos anos 30 depois de Cristo em Ícone, cidade da actual Turquia. Reza a história que seus pais eram ricos e devassos. Tecla tinha desprezo pelo modo de vida de seus pais. Na busca de uma vida mais sã e culta dedicou-se ao estudo de Literatura e Belas Artes. Aos 18 anos encontrou o Apóstolo Paulo seguindo-o no seu apostolado. Após a morte de Paulo continuou com a sua missão de defesa dos pobres, dos escravos e na fundação de comunidades cristãs. Faleceu com cerca de 90 anos sendo considerada a primeira mulher mártir.


Beata Joana Jugan, religiosa, +1879

Joana Jugan lembra a misericórdia de Deus para com os pobres. Fundadora das Irmãzinhas dos Pobres, em 1830, foi beatificada por João Paulo II, no dia 3 de outubro de 1982. Natural da França, nasceu em 1792 e morreu em 1879. Durante toda sua vida, ela procurou identificar-se totalmente com os pobres e necessitados. Por ocasião de sua beatificação, João Paulo II afirmou:
"Na nossa época, o orgulho, a busca da eficiência e a tentação dos meios poderosos dominam facilmente o mundo e por vezes, infelizmente, a Igreja. Criam obstáculos à implantação do reino de Deus. Por isso a fisionomia espiritual de Joana é capaz de atrair os discípulos de Cristo e de lhes encher os corações de simplicidade e humildade, de esperança e de alegria evangélica, vindas de Deus e do esquecimento próprio" (apud J. Leite, op. cit., vol. II, p. 524).
Por ocasião de sua morte, havia cerca de 2.400 Irmãzinhas dos Pobres dedicadas ao serviço dos excluídos e a congregação espalhara-se por mais de dez países. Actualmente as irmãzinhas encontram-se presentes em mais de 30 nações, nos cinco continentes, e são cerca de 5 mil religiosas no mundo inteiro.
http://evangelhoquotidiano.org

IMITAÇÃO DE CRISTO - LIVRO TERCEIRO - CAPÍTULO 30


TOMÁS DE KEMPIS



Como se há de pedir o auxílio divino e confiar para recuperar a graça


1. Jesus: Filho, eu sou o Senhor, que te conforta no dia da tribulação (Na 1,7). Vem a mim quando te achares aflito. O que mais te impede de receber a consolação é que tarde recorres à oração. Antes que ores com atenção, procuras consolar-te, recreando-te com vários divertimentos exteriores. Daqui vem que pouco proveito tiras de tudo, até que conheças que sou eu quem salva do perigo os que em mim esperam, e que fora de mim não há auxílio valioso, nem conselho útil, nem remédio durável. Uma vez, porém, que recobraste alento depois da tempestade, procura readquirir forças à luz das minhas misericórdias; pois estou perto, diz o Senhor, para tudo restaurar, não só com integridade, mas também com abundância e profusão.
2. Porventura há para mim alguma coisa dificultosa (Jer 32,37), ou sou semelhante àquelas que dizem e não fazem? Onde está a tua fé? Tem firmeza e segurança! Mostra-te corajoso e magnânimo, e a seu tempo te virá a consolação. Espera por mim, espera! Virei e te curarei. É tentação o que te atormenta, é temor vão o que te assusta. Que ganhas com a solicitude de um futuro contingente, senão que tenhas tristeza sobre tristeza? A cada dia basta seu fardo (Mt 6,34). Coisa vã e inútil é entristecer-se ou regozijar-se com as coisas futuras, que talvez nunca venham a realizar-se.
3. É próprio do homem deixar-se iludir por tais imaginações, mas é sinal de pouco ânimo ceder tão facilmente às sugestões do inimigo. A ele pouco importa se é por meios verdadeiros ou falsos que te seduz e engana, se é com amor dos bens presentes, ou com o temor dos males futuros que te deita a perder. "Não se perturbe, pois, teu coração, nem se amedronte" (Jo 14,27). Crê em mim, e tem confiança em minha misericórdia. Quando te julgas muito longe de mim, mais perto estou, às vezes, de ti. Quando pensas que está tudo quase perdido, muitas vezes está próxima a ocasião de granjeares maior merecimento. Nem tudo está perdido, por te acontecer alguma contrariedade. Não julgues pela impressão do momento, nem te aflijas com qualquer tribulação, venha donde vier, como se não houvesse esperança de remédio.
4. Não te julgues inteiramente desamparado, ainda quando, de tempos a tempos, te mando alguma tribulação ou te privo de alguma consolação desejada; porque é este o caminho por onde se vai ao reino dos céus. E isto, sem dúvida, convém mais a ti e a todos os meus servos, serdes exercitados nas adversidades, do que se tudo vos sucedesse à vossa vontade. Eu conheço os pensamentos escondidos, e sei que muito importa à tua salvação seres, às vezes, privado de toda consolação espiritual, para que não te exalte o bom progresso e te desvaneças do que não és. O que dei posso tirar, e dar de novo, quando me aprouver.
5. É sempre meu o que dou, e quando o tiro; não tomo coisa tua, pois "de mim procede qualquer dádiva boa de todo dom perfeito" (Tg 1,17). Se eu te enviar qualquer pena ou contrariedade, não te revoltes nem desfaleça teu coração; eu posso num momento aliviar-te e transformar tua mágoa em alegria. Todavia, procedendo eu assim para contigo, sou justo e digno de louvor.
6. Se refletires bem e julgares as coisas segundo a verdade, não deves afligir-te tanto com a adversidade, nem desanimar, mas, ao contrário, alegrar-te e dar-me graças. Até deve ser tua única alegria que eu te aflija com dores, sem poupar-te. Assim como meu Pai me amou, também eu vos amo a vós (Jo 15,19), disse eu a meus diletos discípulos, e, entretanto, não os enviei às delícias temporais, mas às grandes pelejas, não às honras, mas aos desprezos, não aos passatempos, mas sim a produzir fruto copioso na paciência. Meu filho, lembra-te bem destas palavras.

VIVÊNCIAS DE PERTO @ DE LONGE


Nº 0061 30/08/2010
0283. Evangelho de segunda-feira (30-08-2010) - 1ª leit 1Cor 2, 1-5; Sl 118; Lc 4, 16-30 - Jesus foi a Nazaré, onde tinha se criado. Conforme seu costume, entrou na sinagoga no sábado e levantou-se para fazer a leitura. Deram-lhe o livro do profeta Isaías. Abrindo o livro, Jesus achou a passagem em que está escrito: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a Boa Nova aos pobres; enviou-me para proclamar a libertação aos cativos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos e para proclamar um ano da graça do Senhor”. Depois, fechou o livro, entregou-o ao ajudante e sentou-se. Todos os que estavam na sinagoga tinham os olhos fixos nele. Então começou a dizer-lhes: “Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir”. Todos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de encanto que saíam da sua boca. E diziam: “Não é este o filho de José?” Jesus, porém, disse: “Sem dúvida, vós me repetireis o provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo. Faze também aqui, em tua terra, tudo o que ouvimos dizer que fizeste em Cafarnaum”. E acrescentou: “Em verdade eu vos digo que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria. De fato, eu vos digo: no tempo do profeta Elias, quando não choveu durante três anos e seis meses e houve grande fome em toda a região, havia muitas viúvas em Israel. No entanto, a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a uma viúva que vivia em Sarepta, na Sidônia. No tempo do profeta Eliseu, havia muitos leprosos em Israel. Contudo, nenhum deles foi curado, mas sim Naamã, o sírio”. Quando ouviram estas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos. Levantaram-se e o expulsaram da cidade. Levaram-no até o alto do monte sobre o qual a cidade estava construída, com a intenção de lançá-lo no precipício. Jesus, porém, continuou seu caminho.

N.R.: Jesus nos apresenta sua missão que é nossa também: Fomos consagrados com a unção para anunciar a Boa Nova aos pobres!

0284. USA: sentença contra células embrionárias - Os bispos norte americanos acolheram com satisfação a sentença da Corte Federal de fazer com que a administração Obama detenha o financiamento de pesquisas com células tronco embrionárias. Em comunicado firmado pelo cardeal Daniel DiNardo, presidente do Comitê de Atividades Pró Vida da Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos, qualifica-se a decisão judicial de uma “grande vitória para uma ética médica sólida”. Esta decisão judicial respeita “a emenda Dickey, aprovada pelo Congresso em 1996, que não permite o financiamento federal de qualquer pesquisa que cause dano ou destruição de embriões humanos”. “Espero que esta decisão da Corte motive nosso governo a renovar e expandir seu compromisso com outras vias de pesquisa com células tronco que são eticamente aceitáveis”, acrescenta o comunicado.

Recordam os bispos que, desde 1996, o congresso aprova anualmente a conhecida “emenda Dickey”, para proibir o financiamento de qualquer “pesquisa” que danifique ou destrua embriões humanos. O objetivo desta emenda era garantir que os contribuintes americanos “não se vejam forçados a financiar projetos de investigação científica que impliquem a destruição da vida humana em seu estado primário”. Mas, começando por uma medida da administração Clinton, em janeiro de 1999, esta lei "foi distorcida e reduzida", para permitir o financiamento federal desse tipo de pesquisa.

0285. Terra Santa: o incrível muro de separação! - A Creche católica de Betânia (Shayyah), em Jerusalém, busca uma alternativa para continuar oferecendo seus serviços, já que as crianças não podem mais utilizar um pequeno buraco no muro de separação da Cisjordânia, que usaram durante um ano. Durante um ano as 50 crianças da área palestina de Aizaria cruzaram duas vezes por dia a parede, através de um pequeno buraco, escoltadas por dois soldados israelenses armados e na presença das freiras combonianas que dirigem a creche. Recentemente o núncio apostólico em Israel, Dom Antônio Franco, as religiosas e a autoridade militar da região tiveram um encontro do qual foi emitida uma instrução proibindo que as crianças continuem utilizando este sistema para o acesso à creche.

As autoridades militares consideram que essa passagem não é segura para ninguém. A creche deveria reabrir dentro de poucos dias, mas ainda não se sabe como as crianças chegarão até ela. Para irem de ônibus, terão que dar uma volta de 15 quilômetros, ou poderiam utilizar um atalho frequentado somente por militares, já que o muro que cerca Jerusalém divide a propriedade das religiosas!


PADRE GERALDO RODRIGUES CSsR
http://www.aparecidadasaguas.com
vivencias@aparecidadasaguas.com

PARABÉNS


Hoje é dia de festa para:

ANTÔNIO EDUARDO CASTRO NOGUEIRA - do Potim - SP









ALEXANDRE ANTÔNIO CATO FILHO (turma de 1964) nosso colega Diácono de Tietê - SP






 DOM PEDRO FRÉ
, Bispo emérito de Barretos que completa 86 anos de idade e está no Convento d o Santuário recuperando sua saúde.
Dom Fré foi o 3º Bispo Diocesano de Barretos. Seu lema : "Curar os corações feridos"

















PADRE MACIEL PINHEIRO do Santuário comemora hoje 7 anos de Ordenação Sacerdotal!




PARABÉNS A TODOS!
MUITAS FELICIDADES E MUITOS ANOS DE VIDA ABENÇOADOS E ILUMINADOS !

ATUALIDADES DE ONTEM DO C.Ss.R.REDEMPTOR - SIMPLESMENTE PARA FICAR PERTO


PADRE FLÁVIO CAVALCA DE CASTRO CSsR


A ladeira de Aparecida era uma festa de cores, ou melhor, um rio de cores que descia em direção ao Vale. Os tapetes, criados durante a noite pelos jovens, cobriam o sem-graça do asfalto. Céu azul, lá no horizonte a Mantiqueira com ligeiro véu de nuvens, como se fosse participar da procissão como antigamente. Festa de Corpus Christi. Não sei bem por quê, mas é uma festa diferente. No meu tempo de menino, sei que o que me chamava a atenção era a procissão ser feita de manhã. Diferente de todas as outras, que acabam sempre na melancolia do entardecer. Aquelas procissões de minha infância não. Terminavam com o esplendor do sol e o céu azul de nuvens brancas. O tapete que cobria as ruas tinha o perfume das folhas pisadas, folhas de mangueira, laranjeira, alecrim, de rosas, e as margaridas que, se feridas, não recendiam, mas punham no verde tons de amarelo e branco.
Talvez o diferente da festa esteja em ela ser, digamos assim, a festa da vitória sobre a saudade. Lendo os evangelhos, principalmente o de João, percebemos um tom de melancolia naquela tarde de quinta-feira antes crucifixão e da morte. Jesus sabe que está para deixar os seus, e a saudade já toma conta de seu coração. Vai deixar os seus; ainda que prometa continuar sempre com eles, essa presença será diferente e não basta como resposta para a saudade que gostaria de alguma coisa diferente, alguma coisa mais humana, mais próxima, mais calorosa. Certo que a eucaristia e a presença real do Senhor sob as espécies do pão e do vinho têm sentidos mais altos, mais profundos e mais teológicos. Não podemos, porém, não ver esse dado muito humano de quem, mesmo sendo o Filho, ama de jeito humano e, mesmo tendo de partir, não quer tomar distâncias, e de algum modo, nem que seja preciso descobrir um jeito novo, quer continuar perto.
Foi muito boa a inspiração da Igreja medieval, acho que entendeu muito bem a proposta de Jesus quando resolveu fazer uma festa especial para essa vitória sobre a saudade. Acreditou que Jesus queria estar presente e perto dos seus. E por isso saiu com a eucaristia pelas ruas da cidade, num alegre passeio, com muito som, muitas cores, incensos e sinos, janelas e portais enfeitados. Para que ele, não apenas com seu olhar divino de onisciente, mas de um jeito mais humano sentisse o cheiro das ruas, o colorido das casas, pudesse pelas janelas abertas espreitar o que ia pelos lares. Não visse apenas o esplendor das catedrais, mas também as arcadas do mercado, as lojas e oficinas da cidade dos homens.
Não creio que seja possível participar de uma procissão de Corpus Christi e não perceber que, de fato, o Senhor quis ficar entre nós. Sem necessidade de outros motivos: simplesmente para ficar perto.

DO SITE BOLETIM DO PADRE PELÁGIO - (PADRE CLÓVIS CSsR

30 DE AGOSTO - BEATO DO DIA (AQUI NO BRASIL)


O POVO NÃO LHE DAVA DESCANSO



Seus paroquianos eram pessoas simples, sem instrução religiosa. Visitava os doentes nas choupanas, distribuía roupas e alimentos aos necessitados, acudia nos problemas familiares. Era pai, amigo, advogado e pastor das almas. Reabriu a escola rural, moralizou as festas da Padroeira, pregou missões populares nas suas três paróquias. Conquistou assim toda a região, e ganhou fama de santo e taumaturgo.

Quando foi transferido para Poá,SP, o povo de Minas não queria deixá-lo sair.. Suas pregações e bênçãos logo criaram fama e projetaram o seu nome no Estado e no Brasil...Passou a ser conhecido como o "Vigário de Poá". A notícia de suas curas atraia verdadeiras multidões. A todos o bom padre procurava atender. Mas era gente demais. Os superiores precisaram esconder o padre para ele ter um pouco de descanso.

Veio para Belo Horizonte. Faleceu em 1942, em conseqüência da picada de um carrapato perigoso, quando andava pelas vilas abandonadas da paróquia. Foi beatificado recentemente pelo Cardeal José Saraiva, em Belo Horizonte.


PADRE CLÓVIS DE JESUS BOVO CSsR
Recomende este site aos seus amigos:
http://www.boletimpadrepelagio.org

AINDA DO SITE DO BOLETIM DO PADRE PELÁGIO - (PADRE CLÓVIS CSsR)


PADRE CLÓVIS DE JESUS BOVO CSsR



SANTA COM OS PÉS NO CHÃO

Assim foi Santa Teresa de Ávila. Viajou pela Espanha toda, a fim de fundar ou visitar os mosteiros das monjas carmelitas. As viagens daquele tempo (século XVI) eram feitas em carroções de tração animal, através de estradas lamacentas e precárias, quase intransitáveis. Outras vezes viajava em lombo de burro. Faça-se uma idéia das dificuldades que sobrevinham.
Mas o espírito esportivo de Teresa era inalterável. Podia perder o burro de carga com toda a bagagem... topar com manadas de touros selvagens... extraviar-se no meio da noite escura... dormir no paiol em companhia de bichos e cobras... mas nunca perdia o bom humor e a vivacidade.
Dotada de argúcia e clareza de idéias, jamais ficava devendo uma resposta. Seu confessor, PE. Graciano, costumava dizer: "Santo Deus! Eu prefiro discutir com os teólogos do mundo inteiro do que com essa mulher".
Madre Teresa não gostava de freiras emburradas, tristonhas, rabugentas. Dizia ter mais medo de uma monja descontente e amuada do que de uma corja de demônios.
Era cozinheira de mão cheia. Quando chegava sua vez de ir para a cozinha, as Irmãs pulavam de alegria: Hoje teremos comida gostosa!
Tinha uma conversa tão agradável, que as Irmãs a seguravam quase à força em seus recreios de comunidade. Às vezes chegava a dançar ao som da castanhola que ela mesma repenicava.

Santa Teresa de Ávila (1515-1582) — Nasceu em Ávila, Espanha. Reformadora das Irmãs Carmelitas. Construiu numerosos conventos e reformou a vida religiosa daquele tempo.

REFLETINDO A PALAVRA Nº291 - “Mãe de Misericórdia”.


Pe. Luiz Carlos de Oliveira CSsR

“Mãe de Misericórdia”.

Intercessão suplicante.

É gostoso recordar as coisas bonitas de nossos pais. É muito bom e proveitoso recordar as realizações daqueles que nos precederam na fé, como é o caso dos fundadores de uma congregação religiosa. Também eles podem nos transmitir conhecimentos importantes de nossa vida de Igreja. É o caso de Santo Afonso. Por que falar dele? Ele teve uma contribuição importante à teologia e devoção marianas. O próprio Pio IX afirma que sua argumentação quanto ao dogma da Imaculada contribuiu para a proclamação do mesmo. Santo Afonso escreveu um livro sobre Nossa Senhora intitulado “As Glórias de Maria”. Começou-o em Villa Schiavi, Italia, no ano de 1734. Escrevendo-o entre uma missão e outra, pode publicá-lo em 1750. Chega a quase 800 edições. Poucos autores conseguem tanto. O que tem de especial este livro? Nasce de um coração que amava Maria e de uma inteligência pastoral que queria dar ao povo um livro que orientasse sua devoção. S. Afonso tem uma visão muito especial do papel de Maria no Mistério de Cristo. Ele comenta que há muitos e bons livros de Nossa Senhora que falam de seus privilégios e glória. Escreve: “Neste livrinho quero falar principalmente de sua grande misericórdia e poderosa intercessão”. Sendo nós frágeis pecadores, necessitamos da misericórdia de Maria. Sua intercessão junto de Deus por nós é uma âncora para nossa busca da salvação.

Mãe da Misericórdia.

Vamos procurar entender como Maria é misericordiosa. Certamente entendemos que a misericórdia é uma atribuição do Pai que quer sempre atender às necessidades de seus filhos. Ele o faz em seu Filho Jesus que é a expressão da misericórdia do Pai que se manifestou. Zacarias cantou “Graças à misericórdia do coração de nosso Deus, sol nascente que nos veio visitar” (Lc 78). Jesus é misericordioso. Misericórdia significa enviar o coração para junto do coração da outra pessoa e sentir como ela sente. Assim Jesus, em seus sentimentos, tem na misericórdia o modo de realizar sua missão de redenção. Paulo escreve aos Filipenses (2,6): “tende em vós os mesmos sentimentos de Cristo Jesus”. Para ter os mesmos sentimentos de Cristo é necessário estar unido a Ele. E quem, mais que Maria, esteve mais unido a Jesus? Não só esteve unida a Ele espiritualmente, mas fisicamente. Maria participa de sua misericórdia. Assim é misericordiosa. Jesus sempre foi atrás da ovelha perdida e quis salvar a todos os pecadores. Temos em Maria o olhar de misericórdia voltado para nossas necessidades materiais e espirituais. O motivo é sua íntima união a Cristo. Ela é a mãe da Misericórdia que é Cristo e é a mãe misericordiosa com Cristo.

Intercessão suplicante.

Como Maria exerce sua misericórdia? Rezamos: “rogai por nós pecadores...”. Pedimos que reze por nós ao Filho. A intercessão de Maria constitui a pedra preciosa da Igreja. Maria, a primeira redimida, reza a Cristo para obter para nós a redenção. É um modo humano de dizer, mas quanto mais unidos a Deus, mais trazemos aos outros esta presença. Todos confiam na oração das pessoas. Estamos sempre pedindo que rezem por nós, por nossas necessidades. Se os humanos pecadores podem rezar, quanto mais os santos e Maria!

ORAÇÃO DA MANHÃ - DEUS EM MINHA CASA


PADRE FLÁVIO CAVALCA DE CASTRO CSsR


Oração da manhã para todos os dias

Senhor meu Deus, mais um dia está começando. Agradeço a vida que se renova para mim, os trabalhos que me esperam, as alegrias e também os pequenos dissabores que nunca faltam. Que tudo quanto viverei hoje sirva para me aproximar de vós e dos que estão ao meu redor.
Creio em vós, Senhor. Eu vos amo e tudo espero de vossa bondade.
Fazei de mim uma bênção para todos que eu encontrar. Amém.

As reflexões seguintes supõem que você antes leu o texto evangélico indicado.

Dia 30 − Segunda-feira −

Sta. Margarida Ward, mártir

Evangelho (Lc 4,16-30) “Todos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de encanto que saíam da sua boca.”


Os de Nazaré ouviam falar de Jesus, de sua pregação e dos milagres que fazia por outros lugares. Quando ele volta pela primeira vez, seus conterrâneos dividem-se. Alguns o admiram, outros o olham incertos, muitos o rejeitam de todo. Reações diferentes diante da mesma graça oferecida. Devo examinar-me para ver como reajo diante das oportunidades de salvação que Deus me oferece.

Oração
Senhor, sempre imagino que vos receberia muito bem como mestre e salvador. De fato, porém, nem sempre vos acolho quando me falais através de meus irmãos e irmãs. Vós os enviais a mim como vossos profetas. Aumentai minha fé, para que vos possa ver e ouvir mesmo através dos que considero simples e menos preparados; que o orgulhe não me feche o caminho da salvação. Amém.