CONSAGRAÇÃO À NOSSA SENHORA APARECIDA NA VOZ DO PADRE VITOR COELHO CSsR

Ó MARIA SANTÍSSIMA, PELOS MÉRITOS DO SENHOR JESUS CRISTO QUE EM VOSSA IMAGEM MILAGROSA DE APARECIDA ESPALHAIS INÚMEROS BENEFÍCIOS SOBRE O BRASIL, EU, EMBORA INDIGNO DE PERTENCER AO NÚMERO DOS VOSSOS SERVOS, MAS DESEJANDO PARTICIPAR DOS BENEFÍCIOS DA VOSSA MISERICÓRDIA, PROSTRADO A VOSSOS PÉS, CONSAGRO-VOS O ENTENDIMENTO, PARA QUE SEMPRE PENSE NO AMOR QUE MERECEIS. CONSAGRO-VOS A LÍNGUA, PARA QUE SEMPRE VOS LOUVE E PROPAGUE A VOSSA DEVOÇÃO.CONSAGRO-VOS O CORAÇÃO, PARA QUE, DEPOIS DE DEUS, VOS AME SOBRE TODAS AS COUSAS.RECEBEI-NOS, Ó RAINHA INCOMPARÁVEL, QUE NOSSO CRISTO CRUCIFICADO DEU-NOS POR MÃE, NO DITOSO NÚMERO DOS VOSSOS SERVOS. ACOLHEI-NOS DEBAIXO DA VOSSA PROTEÇÃO. SOCORREI-NOS EM NOSSAS NECESSIDADES ESPIRITUAIS E TEMPORAIS E, SOBRETUDO, NA HORA DA NOSSA MORTE. ABENÇOAI-NOS Ó MÃE CELESTIAL, E COM VOSSA PODEROSA INTERCESSÃO FORTALECEI-NOS EM NOSSA FRAQUEZA, A FIM DE QUE, SERVINDO-VOS FIELMENTE NESTA VIDA, POSSAMOS LOUVAR-VOS, AMAR-VOS E RENDER-VOS GRAÇAS NO CÉU, POR TODA A ETERNIDADE. ASSIM SEJA! ...PELA INTERCESSÃO DE NOSSA SENHORA APARECIDA, RAINHA E PADROEIRA DO BRASIL, A BÊNÇÃO DE DEUS ONIPOTENTE, PAI, FILHO E ESPÍRITO SANTO, DESÇA SOBRE VÓS E PERMANEÇA SEMPRE.AMÉM!
PRÓXIMOS EVENTOS (Todos estão convidados)





ÁGAPE MENSAL
11 - fevereiro - 2017


SETEMBRO - 2017
De 01 a 03 - 5º ERESER VICE PROVÍNCIA MANAUS
De 29 a 01/10 - ERESER CURITIBA

OUTUBRO - 2017

Dia 07 - ERESER NA NOVENA DE APARECIDA
Dia 21 - 11º ERESER MAIRINQUE

NOVEMBRO - 2017
De 12 a 15 - 7º ERESER PROVÍNCIA DE CAMPO GRANDE


XIII RETIRO
De 26 A 28 de janeiro de 2018
Local: Vila Santo Afonso - Pedrinha
Tema: A Espiritualidade Redentorista na Prática
Orientador: Padre Alfredo Viana Avelar, CSsR - Rio




SOM NO BLOG

QUANDO QUISER ASSISTIR ALGUM VÍDEO DO BLOG, VÁ ATÉ À "RÁDIO UNESER INTERATIVA" (caixa à direita do blog) E CLIQUE NO BOTÃO DE PAUSA (II).
APÓS ASSISTIR O VÍDEO, CLIQUE NO MESMO BOTÃO (PLAY) PARA CONTINUAR OUVINDO A RÁDIO.

30 de junho de 2014

Beato Januário Maria Sarnelli


Memória Litúrgica: 30 de Junho

O Beato Januário Maria Sarnelli (1702-1744), missionário redentorista e amigo de Santo Afonso, pode ser considerado um “sinal de esperança” para os excluídos, os sem esperanças de seu tempo. De modo especial, exerceu este ministério através de seu trabalho em defesa das mulheres marginalizadas, na atenção às crianças abandonadas e sem instrução e na evangelização dos pobres operários. Sarnelli soube inventar novas formas de viver o carisma e a missão redentorista, continuando o Redentor em meio aos abandonados de seu tempo. Sarnelli soube também usar novos meios para a evangelização, valendo-se principalmente do apostolado da imprensa, da instrução aos leigos e da missão popular. Em sua beatificação, o Papa João Paulo II, assim se expressou: “Januário Maria Sarnelli pode ser proposto à comunidade cristã de hoje, no limiar do novo milênio, como exemplo de apóstolo aberto a aceitar toda inovação útil para o anúncio missionário da perene mensagem de salvação”.

O zelo apostólico de Sarnelli não o permitia descansar. Sempre estava envolvido com várias atividades, pregando, atendendo confissões ou escrevendo. Muitas vezes sem ao menos ter tempo para comer ou dormir. Embora sua saúde fosse sempre frágil, continuou sua obra apostólica e espiritual e dizia para aqueles que lhe aconselhavam repouso: “se fosse trabalhar somente quando estou bem de saúde, pouco ou nada teria feito até agora, ou nada faria daqui para adiante. Como é maravilhoso sacrificar a vida por Deus”. Januário Sarnelli não media esforços para ajudar os abandonados, para dar-lhes de comer privava-se até do próprio alimento, pedia esmolas, mesmo sendo de família nobre. Deixava tudo o que estava fazendo para atender a quem mais precisasse.

A grande preocupação de Sarnelli era a de “ajudar o ser humano a recuperar e a viver o sentido pleno profundo da própria dignidade humana”. Por isso, toda obra de Sarnelli está centrada em torno do grande amor de Deus por nós, revelado na Trindade, que transforma nossas mazelas humanas e restaura nossa dignidade de filhos, como bem expressa em seus escritos: “a razão humana desenha o próximo como ele é em sua natureza. A razão da fé o pinta como ele é em Deus”.

A principal obra pastoral de Sarnelli se dá em torno da defesa das meninas em perigo de prostituição e das mulheres marginalizadas, pois se calculava em torno de 30 a 40 mil prostitutas em Nápoles (10% da população). Escreve denunciando esta triste realidade e pressiona as autoridades civis e eclesiásticas para tomarem atitudes concretas e eficientes para sanar esta situação. Defendia a formação e instrução do povo para melhorar a sociedade. Por trabalhar com as prostitutas, Januário Sarnelli correu muitos perigos, arriscou varias vezes sua própria vida, sendo ameaçados por aqueles que se aproveitavam da exploração das mulheres. Apesar disso, dizia que para este tipo de apostolado e para a maior glória de Deus daria até a própria vida.

“A esperança não decepciona” (Rom 5, 5), esta palavra foi plenamente realizada na vida e na obra do Beato Januário Maria Sarnelli. Mesmo que tenha vivido pouco tempo, pois morreu aos 42 anos de idade, atingiu em sua vida a plenitude de uma vida longa, ungida por uma esperança inquebrantável, que o tornou capaz de ser sinal desta mesma esperança para os últimos de seu tempo. Diante do testemunho desse grande homem de fé e esperança, é preciso nos questionar sobre nosso modo de ser redentorista, se realmente estamos indo em direção aos “sem esperança”, aos abandonados, levando-os a uma verdadeira experiência de Redenção, razão de ser de nossa vida e missão.


Rodrigo Costa
Noviço da Província do Rio

O Evangelho do dia


Dia Litúrgico: Segunda-feira da 13ª semana do Tempo Comum

Evangelho (Mt 8,18-22): Vendo uma grande multidão ao seu redor, Jesus deu ordem de passar para a outra margem do lago. Nisso, um escriba aproximou-se e disse: «Mestre, eu te seguirei aonde fores». Jesus lhe respondeu: «As raposas têm tocas e os pássaros do céu têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde repousar a cabeça». Um outro dos discípulos disse a Jesus: «Senhor, permite-me que primeiro eu vá enterrar meu pai». Mas Jesus lhe respondeu: «Segue-me, e deixa que os mortos enterrem os seus mortos».
Comentário: Rev. D. Jordi PASCUAL i Bancells (Salt, Girona, Espanha)

Segue-me

Hoje o Evangelho apresenta-nos —através de dois personagens— uma qualidade do bom discípulo de Jesus: o desprendimento dos bens materiais. Mas antes, o texto de São Mateus dá-nos um detalhe que não posso passar por alto: «Vendo uma grande multidão ao seu redor...» (Mt 8,18). As multidões se reúnem perto do Senhor para escutar a sua palavra, ser curados das suas doenças materiais e espirituais; buscam a salvação e um alento de Vida eterna no meio dos vaivens deste mundo.

Como então, algo parecido passa no nosso mundo de hoje em dia: todos —mais ou menos conscientemente— temos necessidade de Deus, de saciar o coração dos bens verdadeiros, como são o conhecimento e o amor de Jesus e uma vida de amizade com Ele. Se não, caímos na armadilha que quer encher o nosso coração de outros “deuses” que não podem dar sentido a nossa vida: o celular, Internet, as viagens, o trabalho sem medida para ganhar mais e mais dinheiro, o automóvel que seja melhor que o do vizinho, o ginásio para conseguir o corpo mais esbelto do país... É o que passa a muitos atualmente.

Em contraste, ressoa o grito do Papa João Paulo II que com força e confiança disse à juventude: «Se pode ser moderno e profundamente fiel a Jesus». Para isso é preciso, como o Senhor, o desprendimento de tudo o que nos ata a uma vida por demais materializada e que fecha as portas ao Espírito.

«O Filho do Homem não tem onde repousar a cabeça (...). Segue-me» (Mt 8,22), é o que nos diz o Evangelho de hoje. São Gregório Magno recorda-nos: «Tenhamos as coisas temporais para o uso, as eternas no desejo; sirvamo-nos das coisas da terra para o caminho, e desejemos as eternas para o fim da jornada». É um bom critério para examinar o nosso seguimento de Jesus.

Vivências - De perto @ De longe

N º 1462  -  30/06/2014
6156. Evangelho de 2ª feira (30-06-2014) -Beato Januário Maria Sarnelli -Am 2, 6-10. 13-16; Sl 49; Mt 8, 18-22 - Vendo uma multidão ao seu redor, Jesus mandou passar para a outra margem do lago. Então um mestre da Lei aproximou-se e disse: “Mestre, eu te seguirei aonde quer que tu vás”. Jesus lhe respondeu: “As raposas têm suas tocas e as aves dos céus têm seus ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”. Um outro dos discípulos disse a Jesus: “Senhor, permite-me que primeiro eu vá sepultar meu pai”. Mas Jesus lhe respondeu: “Segue-me, e deixa que os mortos sepultem os seus mortos”.

Recadinho: -Seguir a Jesus é doar-se. Mas ninguém precisa se desesperar. O que o Espírito Santo lhe inspira em termos de doação? -O provérbio popular citado por Jesus diz que deve-se deixar “que os mortos sepultem seus mortos”. Significa que em nossa vida não devemos dar preferência a coisas secundárias na escala de valores. É nesta linha seu modo de agir? -Dê seu testemunho de como segue a Jesus. -Conhece alguém muito especial dos tempos atuais que em termos de doação supera qualquer pessoa? -Pense em alguém que viveu a doação ao extremo.
 
6157. 30/junho -Beato Sarnelli - O redentorista beato Januário Maria Sarnelli (12/09/1702-30/06/1744) nasceu em Nápoles, na Itália. Aos 14 anos, pensou em ser jesuíta. Seu pai, porém, o desencorajou, por ser muito jovem ainda. Dedicou-se então aos estudos, tendo feito o doutorado em Direito Civil e Canônico. Foi visitando doentes, no Hospital dos Incuráveis, que escutou o chamado de Deus que o queria sacerdote. Foi ordenado padre no dia 8 de julho de 1732. Sarnelli, além de visitar pessoas doentes, se comprometeu em ajudar crianças forçadas a trabalhar, ensinando-lhes o catecismo. Também visitava os homens idosos de uma obra intitulada São Januário”, os condenados às galeras e as pessoas doentes do hospital do porto.

6158. Sarnelli 02 -Entrou para os Redentoristas - Sarnelli tornou-se amigo de Afonso de Ligório, apaixonando-se por seu apostolado. Consagraram-se, então, ao ensino do catecismo para adultos, organizando as chamadas “capelas vespertinas”, que ficaram famosas. Em 1733, Sarnelli defendeu Santo Afonso diante das críticas injustas que lhe faziam devido à recente fundação da Congregação do Santíssimo Redentor, em Scala, no dia 11 de novembro de 1732. Em junho de 1733, Sarnelli apresentou-se em Scala, para ajudar o amigo durante as missões da cidade de Ravello e entrou para a Congregação de missionários, fundada por Santo Afonso Maria de Ligório. Sarnelli deixou 30 obras escritas sobre temas como: meditação, teologia mística, direção espiritual, lei, pedagogia, e temas morais e pastorais, em especial sobre jovens em perigo de prostituição. Devido à sua atividade social em favor da mulher, é considerado como um dos autores que trataram este tema de um modo mais completo na Europa no início do século XVIII.

6159. Sarnelli 03 - O Missionário - Sarnelli dedicou-se ao trabalho Redentorista: as Missões Apostólicas, onde propagou as meditações em comum entre os leigos, com o livro: "O mundo santificado". Em 1741, participou com Santo Afonso da grande missão pregada nos arredores da cidade de Nápoles. Suas últimas atividades foram em Nápoles, onde continuou se ocupando do apostolado em favor das moças em perigo de prostituição. Foi beatificado por S. João Paulo II, no dia 12 de maio de 1996. Seus restos mortais estão na igreja da Comunidade Redentorista da cidade de Ciorani, na Itália, a primeira igreja Redentorista. Devido a seu intenso trabalho social em defesa da mulher, Sarnelli é considerado um dos mais importantes autores que tratou deste assunto na Europa, na primeira metade do século dezoito. Ficou famoso por seu
apostolado em favor dos pobres e abandonados, com especial dedicação para com as pobres prostitutas. A prostituição, a difícil vida fácil, era uma das maiores chagas da cidade de Nápoles naquele tempo. Calculava-se, naquela época, um número de 30 a 40 mil meninas e mulheres dedicando-se à prostituição em Nápoles! Sarnelli sentiu a necessidade de tentar ser sinal de esperança no contexto daquela realidade, tentando despertar nelas o compromisso de serem "discípulas missionárias", levando-as a buscar o sentido da vida em Cristo, nosso Redentor. Neste campo, foi audaz, corajoso, sabendo deixar-se guiar pelas luzes do Espírito Santo. 
 
Pe. Geraldo Rodrigues, CSsR

Reflexão do dia


A reflexão seguinte supõe que você
antes leu o texto evangélico indicado

30 ─ Segunda-feira ─ Santos: Lucina, Basílides, Teobaldo


Evangelho (Mt 8,18-22) “Então um mestre da Lei aproximou-se e disse: ─ Mestre, eu te seguirei aonde quer que tu vás.”
Deve ter sido muito forte a impressão causada por Jesus sobre aquele homem. Ele era pessoa instruída, era mestre de muitos no caminho para Deus. E, no entanto, depois de ouvir Jesus, ele se colocou diante dele como discípulo, pronto a segui-lo para aprender. Cristo deixa-lhe claro que não tem nenhuma vantagem terrena a lhe oferecer. O evangelho não diz que decisão ele tomou.
Oração
Senhor Jesus, não prometeis prosperidade para quem vos segue. E quem vos segue, se for preciso, para vos seguir deve sacrificar a prosperidade. Para vos seguir preciso de coragem, ou melhor, preciso de muito amor. Vós quereis que seja vosso discípulo; dai-me então um amor muito grande por vós, e também pelos irmãos. Sede minha riqueza agora, para que seja sempre vosso. Amém.
Pe. Flávio Cavalca de Castro, Redentorista

Aniversariantes do dia


CÁSSIO ROPELATO
turma de 1982 de Araraquara (SP)
Festejando 48 anos de idade


PAULO BATISTA NASCIMENTO
de Belo Horizonte (MG)
Comemorando 78 anos de idade

PADRE SEBASTIÃO FERNANDES DANIEL
Comunidade de Campinas - SP
Comemorando 45 anos de idade

PADRE EDVALDO MANOEL DE ARAÚJO
Comunidade de Campinas - SP
Festejando 24 anos de Sacerdócio

PADRE JOSÉ AMARILDO LUCIANO DA SILVA
Vice Província de Manaus - AM
Festejando 33 anos de idade

29 de junho de 2014

Solenidade de Ss. Pedro e Paulo


Celebrando S. Pedro e S. Paulo e o Dia do Papa,
renovemos nosso compromisso de sermos
autênticos discípulos missionários de Jesus Cristo!

Pe. Geraldo Rodrigues, CSsR

A palavra de Deus na vida - Homilia

Solenidade de São Pedro e São Paulo Apóstolos – Ano A – HOMILIA

Evangelho: Mateus 16,13-19
Naquele tempo:
13 Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos:
“Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?”.
14 Eles responderam:
“Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; Outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”.
15 Então Jesus lhes perguntou:
“E vós, quem dizeis que eu sou?”.
16 Simão Pedro respondeu:
“Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”.
17 Respondendo, Jesus lhe disse:
“Feliz es tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu.
18 Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la.
19 Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”.
JOSÉ ANTONIO PAGOLA
 
O SERVIÇO DE PEDRO
Jesus conversa com seus discípulos na região de Cesareia de Filipe, não distante das nascentes do rio Jordão. O episódio ocupa um lugar destacado no evangelho de Mateus. Provavelmente, ele deseja que seus leitores não confundam as “igrejas” que estão nascendo de Jesus com as “sinagogas” ou comunidades judaicas onde há toda classe de opiniões sobre ele [Jesus].
A primeira coisa que precisa ser esclarecida é quem está no centro da Igreja. Jesus pergunta-o diretamente aos seus discípulos: “E vós, quem dizeis que eu sou?”. Pedro responde em nome de todos: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. Intui que Jesus não é somente o Messias esperado. Ele é “Filho do Deus vivo”. O Deus que é vida, fonte e origem de tudo aquilo que vive. Pedro capta o mistério de Jesus em suas palavras e gestos que trazem saúde, perdão e vida nova às pessoas.
Jesus o elogia: “Feliz és tu... porque isso somente o meu Pai do céu pôde revelar-lhe”. Nenhum ser humano “de carne e osso” pode despertar essa fé em Jesus. Essas coisas as revela o Pai aos simples, não aos sábios e entendidos. Pedro pertence a essa categoria de seguidores simples de Jesus que vivem com o coração aberto ao Pai. Essa é a grandeza de Pedro e de todo verdadeiro crente.
Em seguida, Jesus faz uma promessa solene: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja”. Não é uma pessoa qualquer que constrói a Igreja. É Jesus, mesmo, quem a edifica. É ele quem convida seus seguidores e reúne-os em torno de sua pessoa. A Igreja é dele. Nasce dele.
No entanto, Jesus não é um insensato que constrói sobre a areia. Pedro será “rocha” nessa Igreja. Não pela solidez e firmeza de seu temperamento, pois, ainda que honesto e apaixonado, também é inconstante e contraditório. Sua força provém de sua fé simples em Jesus. Pedro é o protótipo dos crentes e impulsionador da fé verdadeira em Jesus.
Este é o grande serviço de Pedro e seus sucessores à Igreja de Jesus. Pedro não é o “Filho do Deus vivo”, mas “filho de Jonas”. A Igreja não é sua, mas de Jesus. Somente Jesus ocupa o centro. Somente ele a edifica com seu Espírito. Porém, Pedro convida a vivermos abertos à revelação do Pai, a não esquecer Jesus e a centrar sua Igreja na verdadeira fé.
 
ENCONTRAR-NOS COM JESUS
Os cristãos têm esquecido, com demasiada frequência, que a fé não consiste em crer em algo, mas em crer em Alguém. Não se trata de aderirmos, fielmente, a um credo e, muito menos, de aceitar cegamente “um conjunto estranho de doutrinas”, mas de nos encontrarmos com Alguém vivo que dá sentido radical à nossa existência.
O decisivo é, verdadeiramente, encontrar-nos com a pessoa de Jesus Cristo e descobrir, por experiência pessoal, que ele é o único que pode responder, de maneira plena, às nossas perguntas mais decisivas, aos nossos anseios mais profundos e às nossas necessidades mais últimas.
Em nossos tempos, se faz cada vez mais difícil crer em algo. As ideologias mais fortes, os sistemas mais poderosos, as teorias mais brilhantes cambalearam ao descobrirmos suas limitações e profundas deficiências.
O homem moderno, castigado por dogmas, ideologias e sistemas doutrinais, talvez, quem sabe, esteja disposto a crer em pessoas que o ajudem a viver e o possam “salvar” dando um sentido novo à sua existência.
Por isso, o teólogo Karl Lehmann pôde dizer que “o homem moderno somente será crente quando tiver feito uma experiência autêntica de adesão à pessoa de Jesus Cristo”.
Causa tristeza observar a atitude de setores católicos cuja única obsessão parece ser “conservar a fé” como “um depósito de doutrinas” que se deve saber defender contra o assalto de novas ideologias e correntes que, para muitos, resultam mais atraentes, mais atuais e mais interessantes.
Crer é outra coisa. Antes de mais nada, nós cristãos devemos nos preocupar em reavivar nossa adesão profunda à pessoa de Jesus Cristo. Somente quando vivemos “seduzidos” por ele e trabalhamos pela força regeneradora de sua pessoa, poderemos difundir, também hoje, seu espírito e sua visão da vida. Do contrário, continuaremos proclamando com os lábios doutrinas sublimes, ao mesmo tempo que prosseguimos vivendo uma fé medíocre e pouco convincente.
Nós cristãos temos de responder, com sinceridade, a essa pergunta interpeladora de Jesus: “e vós, quem dizeis que eu sou?”.
Ibn Arabi escreveu que “aquele que foi tomado por essa enfermidade chamada Jesus, já não pode se curar”.
Traduzido do espanhol por Telmo José Amaral de Figueiredo.
Fonte: MUSICALITURGICA.COM – Homilías de José A. Pagola

Vivências - De perto @ De longe

N º 1461  -   29/06/2014
 
6153. Evangelho de domingo -Solenidade de S. Pedro e S. Paulo (29-06-2014)
At 12, 1-11; Sl 33; 2Tm 4, 6-8.17-18; Mt 16, 13-19-Jesus foi para os lados de Cesareia de Filipe e perguntou aos discípulos: "Quem dizem os homens que é o Filho do homem?" Responderam-lhe: "Uns dizem que é João Batista; outros, Elias; outros, Jeremias ou algum dos profetas". "E vós", perguntou-lhes, "quem dizeis que eu sou?" Respondeu-lhe Simão Pedro: "Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo". E Jesus respondeu-lhe: "Bem-aventurado és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne ou o sangue que te revelou, mas meu Pai que está nos céus. Ora, também eu te digo: -Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Dar-te-ei as chaves do reino dos céus, e o que ligares na terra ficará ligado nos céus e o que desligares na terra ficará desligado nos céus".

Recadinho: -Que importância tem Jesus em sua vida? -Como você encara o papel da hierarquia da Igreja? -Você se sente feliz por poder servir a nível de Igreja? Como serve? -Tem facilidades para buscar maior instrução religiosa? Que meios emprega? -Sente que no contexto de sua comunidade vive-se a união?

6154. Uganda: encontro internacional da Renovação Carismática Católica - De 30 de junho a 12 de julho de 2014, realiza-se em Kampala, Uganda, o encontro internacional da Renovação Carismática Católica, definido como "um evento profético espiritual". O encontro tem como objetivo principal preparar os cinquenta anos do movimento a serem celebrados em 2017. "Delegados provenientes dos cinco continentes virão à África pela primeira vez a fim de pedir ao Senhor para que renove a efusão do Espírito na Igreja e no mundo", destacam os bispos de Uganda. Estão previstos no congresso internacional encontros para jovens e sacerdotes, e uma peregrinação aos Santuários dos Mártires Ugandenses localizados em Munyonyo e Namugongo. O objetivo da Renovação Carismática Católica é fazer reviver na Igreja a experiência carismática das primeiras comunidades cristãs para promover a cultura de Pentecostes e a civilização do amor", ressalta a nota divulgada pelos bispos de Uganda. Este movimento foi definido pelo Papa Paulo VI "uma chance para a Igreja e para o mundo", por S. João Paulo II, "uma primavera da Igreja", e por Bento XVI "um dom do Senhor e um recurso inestimável para a vida da Igreja". E, por sua vez, o Papa Francisco, na conversa com jornalistas no voo de retorno do Brasil para a Itália, em julho de 2013, testemunhou: "Acredito que esse movimento faça muito bem para a Igreja em geral. Ele serve à própria Igreja e nos renova. Neste momento da Igreja, acredito que os movimentos são necessários. Eles são uma graça do Espírito”.

6155. Mãe cristã condenada à morte no Sudão foi libertada - No dia 23 de junho de 2014, o Tribunal de Apelações de Cartum, no Sudão, suspendeu a sentença de morte e libertou a jovem mãe cristã Meriam Ibrahim. A decisão da Corte pegou todos de surpresa. A jovem tinha sido presa com seus dois filhos e a justiça lhe havia dado dois anos de vida para que pudesse amamentar seu segundo filho, nascido na prisão em maio de 2014. O motivo da prisão foi sua suposta conversão do Islã ao cristianismo por três pessoas que asseguraram ser seus parentes, apesar das constantes alegações da jovem de que ela sempre tinha sido cristã e fora criada como tal por sua falecida mãe. Meriam assegurou em todas as ocasiões que jamais havia “abandonado” o islã. Daniel Wani, o marido de Meriam, contou que durante o parto as autoridades penitenciárias mantiveram uma corrente em suas pernas. Depois do parto, Daniel não obteve permissão para ver sua filha recém-nascida. Conseguiu ver a
filha no dia seguinte, em companhia do advogado de Meriam. Só então foram retiradas as correntes das pernas de Meriam. As autoridades islâmicas a condenaram também a 100 chicotadas pelo delito de adultério, pois seu matrimônio com Daniel Wani não é reconhecido como tal sob a lei muçulmana. Depois de ser advertida por um religioso muçulmano do perigo para sua vida, Meriam manteve-se firme: "sou cristã e seguirei sendo cristã!" Numa das visitas que Daniel fez à sua esposa, na prisão, Meriam lhe disse: Recuso-me a mudar de religião. Não vou renunciar ao cristianismo só para que possa viver. Sei que poderia seguir viva me convertendo, declarando-me muçulmana. Mas preciso ser honesta comigo mesma! Uma campanha pela sua libertação foi promovida na internet, reunindo mais de 304 mil assinaturas. Ela foi libertada, mas presa novamente no dia seguinte, sendo libertada novamente depois!
 
Pe. Geraldo Rodrigues, CSsR

Reflexão do dia


A reflexão seguinte supõe que você
antes leu o texto evangélico indicado

29 ─ Domingo ─ Santos: Pedro e Paulo

 Evangelho (Mt 16,13-19) “Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: ─ Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?”
 Se Jesus fizesse essa pergunta a mim, não teria muita dificuldade em responder. Iria ás bibliotecas e faria o levantamento de uma infinidade de opiniões, algumas insensatas e outras sublimes. Difícil seria responder o que ele é para mim. Até que poderia lembrar-me logo do que diz o Catecismo, ou o que li nos teólogos. Mas, que poderei dizer a Cristo sobre o que ele significa em minha vida? Mesmo dizendo alguma coisa, ainda teria de explicar por que nem sempre sou coerente como o que digo acreditar, por que meu entusiasmo às vezes quase desaparece, por que não falo tanto dele se é tão importante para mim, e mais isto e mais aquilo. Vejo logo que devo conhecê-lo cada vez mais, de modo que minha vida reflita sempre mais a minha fé.
Oração
Senhor Jesus, só vos posso conhecer na medida em que vos revelais a mim, e me seduzis. Aumentai em mim o dom da fé, conquistai meu amor, derrubai todas as resistências que eu tentar opor. Sem merecimento meu, vós me chamastes para vos seguir como discípulo. Para vos seguir já deixei alguma coisa, mas preciso deixar muito mais para vos seguir até o fim. Dai-me, então coragem para romper com tudo que for preciso abandonar. Fazei de mim um discípulo alegre e entusiasmado, para que também outros descubram como é bom estar convosco. Sei que ainda terei de enfrentar dificuldades no caminho por onde me levais. Que eu não vos perca de vista, e saiba com certeza que nunca estais muito longe, só o suficiente para me fazer ir mais adiante. Amém.
Pe. Flávio Cavalca de Castro, Redentorista

Aniversariantes do dia


JOÃO BATISTA DE FARIA SANTOS
turma de 1952 de São José dos Campos
Fetejando 75 anos de idade

JOSÉ AUGUSTO LIMA
de Brazópolis (MG)

PEDRO WAGNER EUSÉBIO
de Pindamonhangaba (SP)


 
 PADRE VALDEVIR CORTEZI
Paróquia Nossa Senhora da Luz - Tucuruvi (SP)
Festejando 39 anos de Ordenação Sacerdotal


PADRE DOMINGOS SÁVIO DA SILVA
Reitor do Santuário Nacional de Aparecida
Comemorando 39 anos de Ordenação Sacerdotal
 

PADRE LUIZ CARLOS TREIDER
Comunidade de São João da Boa Vista (SP)
Comemorando 48 anos de idade
 

PADRE PEDRO GUARESCHI
Província de Porto Alegre - RS
Festejando 74 anos de idade


PADRE PEDRO LUIS DOS SANTOS
Vice Província de Recife - PE
Festejando 40 anos de idade

PADRE PAULO NASCIMENTO
Província de Campo Grande 


PADRE WILLIAM HENRY STEINER
Vice Província de Manaus - AM
Comemorando 62 anos de idade
 
 

PAPA EMÉRITO BENTO XVI
Comemorando 63 anos de Ordenação Sacerdotal


PROVÍNCIA DO RIO DE JANEIRO
COMEMORANDO 63 ANOS DE FUNDAÇÃO

28 de junho de 2014

Celebração do Imaculado Coração de Maria


A devoção ao Coração de Maria foi incentivada por S. João Eudes, no século XVII.
O Papa Pio VII a promoveu em 1805.
Hoje celebra-se um dia após o dia dedicado ao Sagrado Coração de Jesus.
As aparições de Nossa Senhora em Fátima, Portugal, em 1917, ajudaram muito a espalhar a devoção.
Em 1942 o Papa Pio XII consagrou o mundo ao Coração Imaculado de Maria.
Ao celebrar o Imaculado Coração de Maria, exaltamos a bondade de nossa Mãe, o seu carinho e solicitude constante e sua ajuda oportuna.
Ela é para nós o caminho mais fácil e mais seguro que nos leva a Deus.

Pe. Geraldo Rodrigues, CSsR

O Evangelho do dia

 Dia Litúrgico:   Sábado depois do Domingo II depois do Pentecostes:   O Coração Imaculado de Maria

Evangelho (Lc 2,41-51): Todos os anos, os pais de Jesus iam a Jerusalém para a festa da Páscoa. Quando completou doze anos, eles foram para a festa, como de costume. Terminados os dias da festa, enquanto eles voltavam, Jesus ficou em Jerusalém, sem que seus pais percebessem. Pensando que se encontrasse na caravana, caminharam um dia inteiro. Começaram então a procurá-lo entre os parentes e conhecidos. Mas, como não o encontrassem, voltaram a Jerusalém, procurando-o.

Depois de três dias, o encontraram no templo, sentado entre os mestres, ouvindo-os e fazendo-lhes perguntas. Todos aqueles que ouviam o menino ficavam maravilhados com sua inteligência e suas respostas. Quando o viram, seus pais ficaram comovidos, e sua mãe lhe disse: «Filho, por que agiste assim conosco? Olha, teu pai e eu estávamos, angustiados, à tua procura!». Ele respondeu: «Por que me procuráveis? Não sabíeis que eu devo estar naquilo que é de meu pai?». Eles, porém, não compreenderam a palavra que ele lhes falou. Jesus desceu, então, com seus pais para Nazaré e era obediente a eles. Sua mãe guardava todas estas coisas no coração.
Comentário: Rev. D. Jordi PASCUAL i Bancells (Salt, Girona, Espanha)
Sua mãe guardava todas estas coisas no coração
Hoje celebramos a memória do Coração Imaculado de Maria. Um coração sem mancha, cheio de Deus, aberto totalmente a obedecer-lhe e escutar-lhe. O coração, em linguagem da Bíblia, refere-se ao mais profundo da pessoa, de onde emanam todos os seus pensamentos, palavras e obras. O que emana do coração de Maria? Fé, obediência, ternura, disponibilidade, espírito de serviço, fortaleza, humildade, simplicidade, agradecimento, e todo um rol infindável de virtudes.

Por quê? A resposta a encontramos nas palavras de Jesus: «Onde está o teu tesouro, aí estará o teu coração» (Mt 6,21). O tesouro de Maria é o seu Filho, e nele tem posto todo o seu coração; os pensamentos, palavras e obras de Maria têm como origem e como fim contemplar e agradar ao Senhor.

O Evangelho de hoje dá-nos uma boa mostra disso. Depois de narrarmos a cena do menino Jesus perdido e encontrado no templo, diz-nos que «sua mãe guardava todas estas coisas no coração» (Lc 2,51). São Gregório de Nisa comenta: «Deus deixa-se contemplar pelos que têm o coração purificado». Que guarde Maria no seu coração? Desde a Encarnação até a Ascensão de Jesus ao céu, passando pelas horas amargas do Calvário, são tantas e tantas recordações meditadas e aprofundadas: a alegria da visita do anjo Gabriel manifestando-lhe o desígnio de Deus para Ela, o primeiro beijo e o primeiro abraço a Jesus recém-nascido, os primeiros passos de seu Filho na terra, ver como ia crescendo em sabedoria e em graça, a sua “cumplicidade” nas bodas de Caná, os ensinamentos de Jesus na sua pregação, a dor do salvador da cruz, a esperança no triunfo da Ressurreição.

Peçamos a Deus ter o gozo de amá-lo cada dia de um modo mais perfeito, com todo o coração, como bons filhos da Virgem.

Vivências - De perto @ De longe

N º 1460  -  28/06/2014
6151. Evangelho de sábado - Imaculado Coração de Maria (28-06-2014) -Is 61, 9-11; 1Sm 2,1.4-8; Lc 2, 41-51 - Cada ano, os pais de Jesus costumavam subir até Jerusalém para a festa da Páscoa. Quando Jesus completou doze anos, eles foram para a festa, como de costume. Acabada a festa, quando iam voltando, o menino Jesus ficou em Jerusalém e seus pais não o perceberam. Pensavam que estivesse na caravana. Depois de um dia de caminho, começaram a procurar o menino entre os parentes e conhecidos. Não o encontraram e por isso voltaram a Jerusalém para procurá-lo. Depois de três dias, encontraram-no no Templo. Estava sentado entre os doutores, escutando e perguntando. Todos que ouviam o menino estavam admirados com sua inteligência e suas respostas. Vendo-o, seus pais ficaram comovidos. E sua mãe disse: - “Meu filho, por que você fez isso conosco? Seu pai e eu, angustiados, andávamos à sua procura”. E o menino respondeu: “Por que me procuravam? Não sabiam que é preciso eu estar à disposição de meu Pai?” Mas eles não compreenderam o que lhes tinha dito. O menino desceu com eles para Nazaré e continuou obediente a eles. Sua mãe guardava fielmente essas lembranças no coração.

Recadinho: - É fácil hoje envolver os filhos nas coisas da fé? -É difícil cumprir os preceitos da Igreja? -Ocupo-me em primeiro lugar das coisas de Deus? -Consigo crescer espiritualmente? -Rezo em família? Como e quando? 
 
6152. 28/junho: Festa de 4 beatos ucranianos, missionários redentoristas - Celebramos hoje quatro heróis que deram a vida pela Fé, beatificados por João Paulo II, no dia 27 de junho de 2001: Beato Nicolau Charnetskyi (1884-1959): Foi ordenado bispo em Roma, na igreja de Santo Afonso, em 1926. Em 1945 foi preso e torturado nos campos de concentração da Sibéria por ser considerado “agente do Vaticano”. Como primeiro bispo ucraniano redentorista, sofreu perseguição desde o início da sua atividade. Foi torturado e por várias vezes foi preso. Apesar de todo o sofrimento, o bispo sempre conseguiu encontrar uma palavra de consolo para seus colegas de prisão. No dia 2 de abril de 1959, ele faleceu. Suas últimas palavras foram uma súplica à Mãe do Perpétuo Socorro. Beato Ivan Ziatyk (1899-1952): Preso, condenado a trabalhos forçados na Sibéria, onde foi constantemente torturado, acusado de promover as ideias do Papa Romano e de divulgar a fé católica entre as nações do mundo para converter todos ao Catolicismo. O fim da Segunda Guerra Mundial foi um período terrível na história da Ucrânia, da Igreja Greco-Católica e da Província redentorista de Lviv. Todos os bispos Greco-Católicos foram presos e, na primavera de 1946, a polícia secreta soviética reuniu em Holosko os Redentoristas de Ternopil, Stanislaviv, Lviv e Zboiska e os confinou numa ala não-aquecida do convento. O P. Ivan estava entre esses, reunidos em Holosko. Ficaram lá dois anos sob constante vigilância da polícia secreta. A presença deles era controlada três ou quatro vezes por semana. Eram levados várias vezes para interrogatórios, durante os quais eram-lhes prometidos vários benefícios em troca da apostasia da fé ou da vocação religiosa. Em outubro de 1948, todos os Redentoristas que estavam em Holosko foram levados de caminhão para o convento de Univ. Beato Vasyl Velychkovskyi (1903-1973): Dedicou-se durante mais de vinte anos às missões entre o povo simples. Condenado ao fuzilamento, teve a pena comutada em prisão na Sibéria. Nomeado bispo, foi ordenado em 1963, num quarto de hotel. Durante o período da existência clandestina da Igreja Greco-Católica, não teve medo de celebrar a Liturgia diária, de pregar retiros e de ser diretor espiritual de muitos cristãos. Sofrendo gravemente do coração, foi libertado. Mudou-se então para o Canadá, onde faleceu. Seu coração se silenciou no seu corpo, mas continua a ecoar em nosso espírito. Beato Zenão Kovalyk (1903-1941): Confessor assíduo e pregador famoso, foi preso pelos comunistas em 1940 porque pregava abertamente contra os abusos do regime comunista. Zenão foi crucificado na parede da prisão e fuzilado junto com outros companheiros, em 1941. Morreu mártir, pelo testemunho da fé católica. O fato se deu do seguinte modo: As tropas alemãs entraram na cidade de Lviv e os russos, que deviam fugir, não podiam levar os presos. Decidiram, então, fuzilar a todos. E para se vingar do missionário, o pregador da palavra de Deus, crucificaram P. Zenão na parede do corredor da prisão, na presença de outros presos.
 
Pe. Geraldo Rodrigues, CSsR