CONSAGRAÇÃO À NOSSA SENHORA APARECIDA NA VOZ DO PADRE VITOR COELHO CSsR

Ó MARIA SANTÍSSIMA, PELOS MÉRITOS DO SENHOR JESUS CRISTO QUE EM VOSSA IMAGEM MILAGROSA DE APARECIDA ESPALHAIS INÚMEROS BENEFÍCIOS SOBRE O BRASIL, EU, EMBORA INDIGNO DE PERTENCER AO NÚMERO DOS VOSSOS SERVOS, MAS DESEJANDO PARTICIPAR DOS BENEFÍCIOS DA VOSSA MISERICÓRDIA, PROSTRADO A VOSSOS PÉS, CONSAGRO-VOS O ENTENDIMENTO, PARA QUE SEMPRE PENSE NO AMOR QUE MERECEIS. CONSAGRO-VOS A LÍNGUA, PARA QUE SEMPRE VOS LOUVE E PROPAGUE A VOSSA DEVOÇÃO.CONSAGRO-VOS O CORAÇÃO, PARA QUE, DEPOIS DE DEUS, VOS AME SOBRE TODAS AS COUSAS.RECEBEI-NOS, Ó RAINHA INCOMPARÁVEL, QUE NOSSO CRISTO CRUCIFICADO DEU-NOS POR MÃE, NO DITOSO NÚMERO DOS VOSSOS SERVOS. ACOLHEI-NOS DEBAIXO DA VOSSA PROTEÇÃO. SOCORREI-NOS EM NOSSAS NECESSIDADES ESPIRITUAIS E TEMPORAIS E, SOBRETUDO, NA HORA DA NOSSA MORTE. ABENÇOAI-NOS Ó MÃE CELESTIAL, E COM VOSSA PODEROSA INTERCESSÃO FORTALECEI-NOS EM NOSSA FRAQUEZA, A FIM DE QUE, SERVINDO-VOS FIELMENTE NESTA VIDA, POSSAMOS LOUVAR-VOS, AMAR-VOS E RENDER-VOS GRAÇAS NO CÉU, POR TODA A ETERNIDADE. ASSIM SEJA! ...PELA INTERCESSÃO DE NOSSA SENHORA APARECIDA, RAINHA E PADROEIRA DO BRASIL, A BÊNÇÃO DE DEUS ONIPOTENTE, PAI, FILHO E ESPÍRITO SANTO, DESÇA SOBRE VÓS E PERMANEÇA SEMPRE.AMÉM!
PRÓXIMOS EVENTOS (Todos estão convidados)





ÁGAPE MENSAL
11 - fevereiro - 2017


SETEMBRO - 2017
De 01 a 03 - 5º ERESER VICE PROVÍNCIA MANAUS
De 29 a 01/10 - ERESER CURITIBA

OUTUBRO - 2017

Dia 07 - ERESER NA NOVENA DE APARECIDA
Dia 21 - 11º ERESER MAIRINQUE

NOVEMBRO - 2017
De 12 a 15 - 7º ERESER PROVÍNCIA DE CAMPO GRANDE


XIII RETIRO
De 26 A 28 de janeiro de 2018
Local: Vila Santo Afonso - Pedrinha
Tema: A Espiritualidade Redentorista na Prática
Orientador: Padre Alfredo Viana Avelar, CSsR - Rio




SOM NO BLOG

QUANDO QUISER ASSISTIR ALGUM VÍDEO DO BLOG, VÁ ATÉ À "RÁDIO UNESER INTERATIVA" (caixa à direita do blog) E CLIQUE NO BOTÃO DE PAUSA (II).
APÓS ASSISTIR O VÍDEO, CLIQUE NO MESMO BOTÃO (PLAY) PARA CONTINUAR OUVINDO A RÁDIO.

14 de setembro de 2014

A Palavra de Deus na vida - Homilia

Domingo – Exaltação da Santa Cruz – HOMILIA

Evangelho: João 3,13-17

Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos:
13 "Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem.
14 Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado, 
15 para que todos os que nele crerem tenham a vida eterna.
16 Pois Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna.
17 De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele".

JOSÉ ANTONIO PAGOLA

OLHAR COM FÉ O CRUCIFICADO
 
A festa que hoje os cristãos celebram é incompreensível e, até, absurda para quem desconhece o significado da fé cristã no Crucificado. Que sentido pode ter celebrar uma festa que se chama “Exaltação da Cruz” em uma sociedade que busca, apaixonadamente, o conforto, a comodidade e o máximo bem-estar?
 
Mais de uma pessoa se perguntará como é possível seguir, ainda hoje, exaltando a cruz. Não ficou superada, para sempre, essa forma mórbida de viver exaltando a dor e buscando o sofrimento? Temos de seguir alimentando um cristianismo centrado na agonia do Calvário e as chagas do Crucificado?
 
Essas são, sem dúvida, perguntas muito razoáveis que necessitam uma resposta clarificadora. Quando os cristãos olham o Crucificado não exaltam a dor, a tortura e a morte, mas o amor, a proximidade e a solidariedade de Deus que quis compartilhar nossa vida e nossa morte até o extremo.
 
Não é o sofrimento que salva, mas o amor de Deus que se solidariza com a história dolorosa do ser humano. Não é o sangue que, na realidade, limpa o nosso pecado, mas o amor insondável de Deus que nos acolhe como filhos. A crucificação é o acontecimento no qual melhor se revela seu amor por nós.
 
Descobrir a grandeza da Cruz não é atribuir, seja lá qual for, um misterioso poder ou virtude à dor, mas confessar a força salvadora do amor de Deus quando, encarnado em Jesus, vem reconciliar o mundo consigo.
Nesses braços estendidos que já não podem mais abraçar as crianças e nessas mãos que já não podem acariciar os leprosos nem bendizer os enfermos, os cristãos “contemplam” Deus com seus braços abertos para acolher, abraçar e sustentar nossas pobres vidas, quebrantadas por tantos sofrimentos.
 
Nesse rosto apagado pela morte, nesses olhos que já não podem olhar com ternura as prostitutas, nessa boca que já não pode gritar sua indignação pelas vítimas de tantos abusos e injustiças, nesses lábios que não podem pronunciar seu perdão aos pecadores, Deus nos está revelando, como em nenhum outro gesto, seu amor insondável à Humanidade.
 
Por isso, ser fiel ao Crucificado não é buscar cruzes e sofrimentos, mas viver como ele numa atitude de entrega e solidariedade, aceitando, se necessário, a crucificação e os males que nos podem chegar como consequência. Esta fidelidade ao Crucificado não é dolorosa, mas esperançosa. A uma vida “crucificada”, vivida com o mesmo espírito de amor com que viveu Jesus, somente lhe cabe esperar a ressurreição.

DEUS É DE TODOS
 
Poucas frases terão sido tão citadas como esta que o evangelho de João põe nos lábios de Jesus. Os estudiosos veem nela um resumo do essencial da fé, tal como se vivia entre não poucos cristãos no início do século II: “Tanto amou Deus o mundo, que enviou o seu Filho único”.
 
Deus ama o mundo inteiro, não somente aquelas comunidades cristãs às quais chegou a mensagem de Jesus. Ama todo o gênero humano, não somente a Igreja. Deus não é propriedade dos cristãos. Não pode ser monopolizado por nenhuma religião. Não cabe em nenhuma catedral, mesquita ou sinagoga.
 
Deus habita em todo ser humano, acompanhando cada pessoa em suas alegrias e desgraças. A ninguém deixa abandonado, pois tem seus caminhos para se encontrar com cada um, sem que tenha de seguir, necessariamente, aos que lhe assinalamos. Jesus via Deus, cada manhã, “fazendo nascer o sol sobre bons e maus”.
 
Deus não sabe, não quer nem pode fazer outra coisa senão amar, pois, no mais íntimo de seu ser, ele é amor. Por isso, diz o evangelho, que enviou seu Filho, não para “condenar o mundo”, mas para que “o mundo se salve por meio dele”. Ama o corpo tanto quanto a alma, e o sexo tanto como a inteligência. A única coisa que deseja é ver, desde agora e para sempre, a humanidade inteira desfrutando de sua criação.
 
Este Deus sofre na carne dos famintos e humilhados da terra; está nos oprimidos defendendo sua dignidade, e nos que lutam contra a opressão animando seu esforço. Está sempre em nós para “buscar e salvar” o que nós arruinamos e deixamos perder.
 
Deus é assim. Nosso maior erro seria esquecê-lo. Mais ainda. Fechar-nos em nossos preconceitos, condenações e mediocridade religiosa, impedindo as pessoas de cultivarem esta fé primeira e essencial. Para que servem os discursos dos teólogos, moralistas, pregadores e catequistas se não despertam o louvor ao Criador, se não fazem crescer no mundo a amizade e o amor, se não tornam a vida mais bela e luminosa, recordando que o mundo está envolvido, pelos quatro cantos, pelo amor de Deus?
 
Traduzido do espanhol por Telmo José Amaral de Figueiredo.
 
Fonte: MUSICALITURGICA.COM – Homilías de José A. Pagola

 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar. Sua participação é muito importante para nós.