CONSAGRAÇÃO À NOSSA SENHORA APARECIDA NA VOZ DO PADRE VITOR COELHO CSsR

Ó MARIA SANTÍSSIMA, PELOS MÉRITOS DO SENHOR JESUS CRISTO QUE EM VOSSA IMAGEM MILAGROSA DE APARECIDA ESPALHAIS INÚMEROS BENEFÍCIOS SOBRE O BRASIL, EU, EMBORA INDIGNO DE PERTENCER AO NÚMERO DOS VOSSOS SERVOS, MAS DESEJANDO PARTICIPAR DOS BENEFÍCIOS DA VOSSA MISERICÓRDIA, PROSTRADO A VOSSOS PÉS, CONSAGRO-VOS O ENTENDIMENTO, PARA QUE SEMPRE PENSE NO AMOR QUE MERECEIS. CONSAGRO-VOS A LÍNGUA, PARA QUE SEMPRE VOS LOUVE E PROPAGUE A VOSSA DEVOÇÃO.CONSAGRO-VOS O CORAÇÃO, PARA QUE, DEPOIS DE DEUS, VOS AME SOBRE TODAS AS COUSAS.RECEBEI-NOS, Ó RAINHA INCOMPARÁVEL, QUE NOSSO CRISTO CRUCIFICADO DEU-NOS POR MÃE, NO DITOSO NÚMERO DOS VOSSOS SERVOS. ACOLHEI-NOS DEBAIXO DA VOSSA PROTEÇÃO. SOCORREI-NOS EM NOSSAS NECESSIDADES ESPIRITUAIS E TEMPORAIS E, SOBRETUDO, NA HORA DA NOSSA MORTE. ABENÇOAI-NOS Ó MÃE CELESTIAL, E COM VOSSA PODEROSA INTERCESSÃO FORTALECEI-NOS EM NOSSA FRAQUEZA, A FIM DE QUE, SERVINDO-VOS FIELMENTE NESTA VIDA, POSSAMOS LOUVAR-VOS, AMAR-VOS E RENDER-VOS GRAÇAS NO CÉU, POR TODA A ETERNIDADE. ASSIM SEJA! ...PELA INTERCESSÃO DE NOSSA SENHORA APARECIDA, RAINHA E PADROEIRA DO BRASIL, A BÊNÇÃO DE DEUS ONIPOTENTE, PAI, FILHO E ESPÍRITO SANTO, DESÇA SOBRE VÓS E PERMANEÇA SEMPRE.AMÉM!
PRÓXIMOS EVENTOS (Todos estão convidados)





ÁGAPE MENSAL
11 - fevereiro - 2017


MAIO - 2017
De 03 a 11 - Viagem / Peregrinação a Portugal
De 20 a 21 - 7º ERESER CAMPINAS
De 15 a 30 - 2ª Missão UNESER em Rondônia

JUNHO - 2017
De 17 a 18 - 2º ERESER CAMPINAS

JULHO - 2017

De 05 a 15 - 3ª Peregrinação a Pé Caminho da Fé
De 14 a 16 - 37º ERESER PROVÍNCIA RIO/MINAS/ES
De 21 a 23 - 22º ENESER - APARECIDA

SETEMBRO - 2017
De 01 a 03 - 5º ERESER VICE PROVÍNCIA MANAUS

OUTUBRO - 2017

Dia 07 - ERESER NA NOVENA DE APARECIDA
Dia 21 - 11º ERESER MAIRINQUE

NOVEMBRO - 2017
De 12 a 15 - 7º ERESER PROVÍNCIA DE CAMPO GRANDE


XIII RETIRO
De 02 a 04 de fevereiro de 2018
Local: Pedrinha (a ser confirmado)




SOM NO BLOG

QUANDO QUISER ASSISTIR ALGUM VÍDEO DO BLOG, VÁ ATÉ À "RÁDIO UNESER INTERATIVA" (caixa à direita do blog) E CLIQUE NO BOTÃO DE PAUSA (II).
APÓS ASSISTIR O VÍDEO, CLIQUE NO MESMO BOTÃO (PLAY) PARA CONTINUAR OUVINDO A RÁDIO.

5 de janeiro de 2015

Circular 001/2015 do Superior Provincial



CONGREGAÇÃO DO SANTÍSSIMO REDENTOR PROVÍNCIA DE SÃO PAULO
Rua Sampaio Vidal – 975 Tel (11) 99 623 4810
Jardim Paulistano 01443-001 www.a12.com
 
São Paulo/SP provincial@globo.com
 
Vimos adorar o Senhor
para “anunciar o Evangelho de modo sempre novo”!
Carta Circular 01/ Prot. GP04012015
 


 CONGREGAÇÃO DO SANTÍSSIMO REDENTOR
PROVÍNCIA DE SÃO PAULO
Rua Sampaio Vidal – 975 Tel (11) 99 623 4810
Jardim Paulistano 01443-001 www.a12.com
 
São Paulo/SP provincial@globo.com
 
Vimos adorar o Senhor
para “anunciar o Evangelho de modo sempre novo”!
Carta Circular 01/ Prot. GP04012015
 
 
“À vida consagrada está confiada a missão de indicar o Filho de Deus feito homem como a meta
escatológica para onde tudo tende, o esplendor perante o qual qualquer outra luz empalidece, a
beleza infinita, a única que pode saciar totalmente o coração do homem. É que na vida
consagrada não se trata apenas de seguir Cristo de todo o coração, amando-O “mais do que o
pai ou a mãe, mais do que o filho ou a filha” (cf. Mt 10,37), como é pedido a todo o discípulo,
mas trata-se de viver e exprimir isso mesmo com uma adesão “conformativa” a Cristo da
existência inteira, numa tensão totalizante que antecipa, por quanto possível no tempo e aos
vários carismas, a perfeição escatológica”. (Vita Consecrata, 16).
 
Introdução
Aos membros professos: Sacerdotes, Irmãos e Junioristas,
Aos não-professos: Aspirantes, Postulantes e Noviços,
Às Religiosas que trabalham conosco nas Santas Missões,
Às Monjas Redentoristas,
Aos leigos(as), oblatos(as) redentoristas e membros da UNESER,
Aos homens e mulheres que bebem de nossa espiritualidade e colaboram
conosco.
 
Hoje a Igreja celebra a Epifania do Senhor! Esta solenidade diz muito à Vida Consagrada e, especialmente, à nossa Vida Consagrada Redentorista, pois está em sintonia com o mistério da Encarnação, um dos pilares da nossa espiritualidade.
Por isso, propositalmente, escolhemos esta data, no Santuário de Aparecida, para a tomada de posse do novo Governo Provincial. Celebrar a manifestação do Senhor e experimentá-lo em nossa vida pessoal consagrada, eis a nossa missão!
Esta celebração nos coloca uma pergunta muito séria acerca da nossa Vida Consagrada e da nossa Missão: como, na atualidade, estamos trabalhando para a Epifania do Senhor acontecer na vida de nossos destinatários, a partir do nosso anúncio? Como, revestidos do Cristo (Rm 13,14), estamos sendo epifânicos? Isto é, como nosso ser redentorista por si só se apresenta como mensagem, de modo que as pessoas ao nos encontrarem, possam dizer “eles manifestam o Redentor em suas vidas”!?
 
A Epifania envolve duas realidades importantes: a primeira é a Manifestação do Amor e da Fidelidade Divinos, que se traduzem na crença e na
valorização divina do/no ser humano: “E o Verbo se fez Carne e habitou entre nós. E nós contemplamos a sua glória: glória do Filho único do Pai, cheio de amor e fidelidade” (Jo 1, 14). Portanto, o Altíssimo, por amor, foi quem, por primeiro, aposta no ser humano, correndo todos os riscos de não ser correspondido; a segunda, a colocar-se a caminho, com o coração ardente para o encontro que se
transforma em Adoração, ou seja, estar junto com o Senhor que nos mostra a sua face. “Voltando-se para nós, ele nos mostrará o seu rosto; seremos salvos e saciados, e isso nos bastará”.1
 
Antes de discorrermos amplamente, queremos, acima de tudo, registrar o nosso reconhecimento e agradecimento ao Governo Provincial predecessor por 
tudo aquilo que fez e pode ajudar a SP 2300 no seu desenvolvimento, bem como a atenção dada aos confrades nas mais diferenciadas formas. Aos Padres Luís Rodrigues Batista, Jorge Paulo da Silva Sampaio, Sebastião Fernandes Daniel, José Inácio de Medeiros e Luiz Gonzaga Scudeler a nossa promessa de orações e desejo de um auspicioso trabalho apostólico ao qual a Província lhes pedirá futuramente. Que o Senhor da Messe recompense a todos!
 
1. O encontro dos magos com Jesus
O texto litúrgico desta celebração é fixo para os três anos, mas nos evangelhos podemos perceber outros relatos da manifestação do Senhor (Mc 1,9-
11; Lc 2,15-22). Em Lucas esta epifania se dá aos pastores que estão aturdidos pelo anúncio do Anjo do Senhor (Lc 2,9) que provoca medo e ao mesmo tempo os encoraja para irem a Belém para verem o acontecimento que o Senhor tinha revelado. Os pastores foram às pressas. Queriam ver esta novidade e encontrar o Senhor que os libertaria de todo o jugo; queriam encontrar o Altíssimo que se lembrou dos mais pequeninos, dos pastores e ovelhas perdidas de Israel (Mt 10,6)...
O relato de Mateus nos fala de magos e não lhes dá nome. Posteriormente, atribuíram-lhes uma identidade: Baltazar, Gaspar e Melchior. Dessa forma, o
objetivo do texto bíblico é a universalidade da salvação que se manifesta, sem distinção de pessoas. Ou seja, cada homem e mulher que visa encontrar o Senhor. Os magos vieram a Jerusalém e ali se defrontam com o poder estabelecido: Herodes, os chefes dos Sacerdotes e os escribas do povo. E por que eles vão a Jerusalém?
 
O autor conecta aquele evento da manifestação em Belém à cidade aonde, mais tarde, ocorrerá a epifania da sua glória e da sua obediência ao Pai. O texto da liturgia evidencia que em Jerusalém a profecia já estava dada, bastava recorrer aos livros, aos sábios, às fórmulas já prontas, enraizadas e estagnadas. Os seus intérpretes eram capazes de reconhecer que nasceria um menino em Belém... mas ao que parece isso não representou absolutamente nada àquele povo até a provocação dos magos. Os magos não tinham a segurança da profecia, eles vão à procura... Não tiveram medo de arriscar e de buscar o novo e de encontrá-lo. Para isso tiveram que se colocar em êxodo e perder o conforto das certezas das profecias estabelecidas. Arriscam ao se depararem com a habilidade subreptícia do mal que queria impedi-los de fazer a experiência do encontro e da salvação.
Eles arriscam e são protegidos pelo anjo... Em Lucas os anjos encorajam os pastores!
Nesta solenidade, o novo Governo Provincial inicia a sua missão. Conforme recorda a Constituição 126: “O Superior provincial desempenhe seu encargo
como pastor, animador e coordenador de todas as comunidades e dos confrades de sua província; ajude-os com todo o empenho e ao mesmo tempo urja que vivam dignamente a vocação a que foram chamados e que corajosamente assumam e levem adiante os trabalhos apostólicos”. Nesta missão, o Superior Provincial não está sozinho e conta com os seus conselheiros que o auxiliam nas diferentes tarefas e decisões a serem tomadas para o bem da Província e dos confrades. Deste modo, o Governo Provincial é uma comunidade de fé, de esperança, de caridade, de pastoreio, de animação e de coordenação. Se perdermos este foco corre-se o risco de perder a mística que sustenta o próprio serviço de coordenar, bem como a de incentivar cada confrade e as diferentes comunidades provinciais a viverem a sua união com Cristo e, ainda, podemos nos transformar em uma relação meramente burocrática e empresarial.
O Governo Provincial tem a sua responsabilidade, mas isto não dispensa cada confrade de exercer o seu múnus de colaborador na coordenação, a partir de sua docilidade ao Espírito e da própria corresponsabilidade no que diz respeito à vida apostólica e dedicada a Cristo Redentor com as suas implicações (Cf. Const. 21-90). Cada confrade é chamado, na sua comunidade, mesmo com os desafios existentes a reluzir o Cristo que se manifesta a todas as nações e a destruir as trevas que possam habitar aquelas realidades que ainda carecem de ser iluminadas para constituir o novo dia, fundado na esperança e no desejo de responder à Consagração feita ao Senhor. Somos chamados a fazer de nossa Província e das nossas comunidades, a melhor comunidade, onde todos tenham vida e vida em abundância (Jo 10,10). Isto faz parte do nosso ministério como consagrados!
A Epifania do Senhor nos fornece alguns elementos que nos ajudam a fortalecer a nossa Vida Consagrada e a nos encantar pelo Senhor e quebrar a
rotina de nossa vida, vencendo nossos desânimos, os nossos desencantos e a superar um marasmo que nos afoga, entedia e não nos deixa irradiar a alegria que provém da fonte límpida do Evangelho que nos constitui sempre homens novos por meio do Espírito (Jo 3,4-8). “Se alguém está em Cristo é uma nova criatura” (2Cor 5,17). Esta alegria “consolida-se na experiência da fraternidade, qual lugar teológico, onde cada um é responsável da fidelidade ao Evangelho e do crescimento de cada um. Quando uma fraternidade se alimenta do mesmo Corpo e Sangue de Jesus, reúne-se à volta do Filho de Deus para partilhar o caminho de fé guiado pela Palavra, torna-se uma só coisa com Ele; é uma fraternidade em comunhão, que sente o amor gratuito e vive em festa, livre, alegre, cheia de coragem”.2
Diante disso, Qual o caminho escolheremos? O da alegria? Aquele que nos leva ao Senhor, à Comunidade, aos nossos Destinatários? Ou aquela pequena estrada curta e estreita que já conhecemos e não nos permite descortinar horizontes? Afonso, Geraldo, Clemente, Gaspar e tantos outros fizeram a escolha do caminho sem volta, porque se lançaram nos braços Daquele que se manifestou ao mundo somente por amor e seguiu os caminhos do Pai. Resta-nos ter a coragem e a ousadia deste encontro fundamental com o Senhor da História que conhece nossas fraquezas e limites e nunca nos abandona nas diferentes realidades pastorais, pelas quais somos chamados a gastar generosamente nossas vidas! Que a estrela de Belém nos leve até Ele, o Caminho, como chamavam os primeiros cristãos (At 9,2)...
 
2. O encontro de Consagrados Redentoristas com o Senhor
Os magos fazem o seu percurso e encontram o Senhor. Ofertam-lhe ouro, incenso e mirra. Trazem o que possuem de melhor, apenas o essencial, Àquele
que se manifesta como salvação do mundo. Para encontrarem o Senhor, superam o poder do mal, rompem com a sacralidade estabelecida em erusalém, superam os desafios das noites escuras da caminhada. A exemplo dos magos, hoje, como Vida Consagrada Redentorista, trazemos, ao Senhor que se manifesta, o nosso ouro, o nosso incenso e a nossa mirra, através dos nossos votos religiosos de pobreza, de castidade e de obediência, por meio da fé, da esperança e da caridade. 
Aqueles magos para encontrarem o Senhor perseveraram no seu desejo de irem encontrá-lo. Eles perseveraram! Seguiram a estrela de Belém. Para nós
redentoristas, a nossa estrela de Belém é o nosso voto de perseverança. Sem ele não podemos enfrentar a esperteza herodiana que obstaculiza tantas vezes o projeto da Redenção. Os magos viram a estrela, o primeiro amor (Ap. 2,4), e não perderam o encantamento, mesmo diante do cinismo daqueles que queriam saber tudo sobre onde estava Jesus para lhe fazer o mal. Eles tinham consciência que ela iluminava os seus caminhos, os seus corações e eles iam encontrar o Senhor da História. “Ao verem de novo a estrela, os magos sentiram uma alegria muito grande” (v.10), de tal modo que se lhes faltassem a luz, eles já tinham feito a experiência de vê-la e seguiam não mais uma luz aparente, e sim aquela da consciência, no mais abscôndito da alma, que os fazia discernir sobre os perigos da estrada.
Hoje, este mesmo Senhor da História que encontrou tantos pastores e magos, homens e mulheres, que perderam o medo, acreditaram e se puseram a
caminho para conhecê-lo também se manifesta a nós! Podemos nos perguntar pessoalmente: como está o brilho da estrela de Belém dentro de nosso coração? Ela ainda é capaz de nos tirar do “Oriente”, deslocar-nos até as “Jerusaléns” de hoje e ajudar-nos a escapar dos Herodes que nos querem usar para praticar o mal e nos impedir de ter um encontro significativo com o Senhor que se manifesta e nos abraça? O que ofertaremos ao Senhor, hoje? O ouro da nossa pobreza, o incenso da nossa obediência e a mirra da nossa castidade? Ou como Herodes, vamos apenas ficar alarmados e recorrer às profecias para acalentarem o nosso coração indeciso e incrédulo que nos estagna? Ou vamos seguir a estrela de Belém que nos leva ao Sol Nascente e depois desaparece para dar lugar à nova aurora da Redenção que se manifesta a todos nós, homens e mulheres de hoje?
A estrela do nosso primeiro amor, do nosso encantamento brilha dentro de nós... depende só, e tão somente só, de nós segui-la para encontrarmos o Sol
Nascente que nos veio visitar (Lc 1,78) e nos chama por meio de nossa Vocação a experimentar, a vivenciar, a anunciar e a testemunhar a Copiosa apud eum Redemptio. “Ao entusiasmo do primeiro encontro com Cristo, deverá seguir-se, obviamente, o paciente esforço daquela correspondência diária que faz da vocação uma história de amizade com o Senhor” (VC, 64). Caso contrário, deixaremos nos seduzir pela esperteza e sabedoria de Herodes e nos perdemos na escuridão de nossas opções mal feitas ou ficamos estagnados em Jerusalém por causa de nossos baús pesados e sem essência e não atravessamos as fronteiras até Belém.
Os magos saíram de onde estavam para um encontro com o Senhor. Colocaram-se a caminho e enfrentaram os perigos da estrada para um encontro
significativo do Senhor da História que se manifesta aos olhos humanos que contemplam tamanha beleza “tão antiga e tão nova”.3 Procuram o Senhor, querem encontrá-lo. Querem estar com ele, adorá-lo. E o que mudou na vida deles? O texto silencia... Não diz se ficaram com ele, nem o quanto tempo, nem quando voltaram... Talvez o texto tenha ficado em silêncio por não ter palavras para descrever a profundidade de tal encontro. Somente contemplando é possível compreender o significado. O prefácio próprio da Epifania é mistagógico: “Revelastes, hoje, o mistério de vosso Filho como luz para iluminar todos os povos no caminho da salvação. Quando Cristo se manifestou em nossa carne mortal, vós nos recriastes na luz eterna da sua divindade”.4
 
Este episódio diz tanto a nossa Vida Consagrada Redentorista: a necessidade do encontro. O nosso primeiro encontro significativo, tão forte, que
nos trouxe até aqui foi/ é o nosso encontro com o Senhor por meio de nosso Batismo e de nossa vocação. Ele olhou para nós com amor (Mc 10,21) e, por isso, fomos capazes de segui-lo ousadamente para continuar a sua presença no mundo, colocando-o como centro de nossas vidas. Nós vimos a estrela de Belém, deixamos nossas casas, nossos pais, familiares, amigos, emprego e fomos ao seu encontro! S. Leão Magno, ao referir-se a essa estrela, relembra: “O serviço prestado por esta estrela nos convida a imitar sua obediência, isto é, servir com todas as forças essa graça que nos chama todos para Cristo”.5
A nossa vocação é um encontro profundo com o Senhor que se transforma em resposta comprometedora com o Reino, na realidade dos mais esquecidos da sociedade, e é alimentada pela espiritualidade pessoal e comunitária e pela oração sincera das pessoas simples que todos os dias dedilham ave-marias para a nossa perseverança e missão e também por meio do testemunho silencioso e fiel de confrades, irmãos e sacerdotes, que se consomem como chama viva que faz o nosso coração arder.
 
“Na origem da consagração religiosa há um chamado de Deus que se explica somente pelo amor que Ele nutre pela pessoa chamada. Este amor é
absolutamente gratuito, pessoal e único. Abarca a pessoa a tal ponto que essa não pertence mais a si mesma, mas pertence a Cristo. Reveste também o caráter de uma aliança. O olhar de Jesus em direção ao jovem rico exprime este caráter ‘Fitando nele os olhos Jesus o amou’ (Mc 10,21). O dom do Espírito significa-o e o exprime. Este dom compromete a pessoa que Deus chama ao seguimento de Cristo, mediante a prática dos conselhos evangélicos de castidade, de pobreza e de obediência. É um ‘dom divino que a Igreja recebeu de seu Senhor e que, pela sua graça, conserva fielmente’. E por isso ‘a norma última da vida religiosa’ será a de ‘seguir Cristo segundo o ensinamento do Evangelho’”.6
 
Este encontro amoroso e fundamental é explicitado pelas nossas Constituições: “Escolhem os Redentoristas a pessoa de Cristo como o centro de
sua vida” (Const. 23). Deste encontro com o Senhor resulta a nossa memória agradecida por Ele ter se recordado da pequenez destes servos (Lc 1,48). Um encontro se torna amizade se permanece no coração, na memória e no desejo de retornar sempre à primeira experiência. Daí o desejo que brota interiormente em cultivá-lo de modo que a relação se torne perene. Para nós Redentoristas a Eucaristia, a vida espiritual e as suas componentes, a vida comum e a pastoral são verdadeiros encontros com Jesus Cristo. Sem estes elementos, o nosso encontro com o Senhor pode ir se tornando uma memória apagada sem significado que não faz o coração arder, incorrendo numa perda de sentido da nossa consagração. Ao contrário, o silêncio do nosso encontro com o Senhor deve ecoar na excelência de nossa palavra que exprime a Copiosa Redenção aos mais esquecidos da sociedade. Como dizia Paulo: “Ai de mim se eu não evangelizar” (1Cor 9,16). Caso contrário, seremos tristes, sem esperança e cairemos no marasmo de uma vida que cumpre horários, ritos e se torna estéril. O encontro dos magos com o Senhor nos faz perguntar: Quando e como foi o encontro que tive com o Senhor que me moveu até hoje? Como eu tenho ido ao encontro com o Senhor? Que obstáculos tenho encontrado? Que encontros significativos eu tive/tenho com o Senhor? Que caminhos devemos (pessoal e comunitariamente) percorrer para encontrá-lo?
Como estão os meus encontros com o Senhor, atualmente? De acordo com a Exortação Vita Consecrata “a vida religiosa será tanto mais apostólica quanto mais íntima for a sua dedicação ao Senhor Jesus, quanto mais fraterna for a sua forma comunitária de existência, quanto mais ardoroso for o seu empenhamento na missão específica do Instituto” (VC, 72).
 
O outro encontro que não podemos prescindir é entre nós. Quando professamos, escolhemos livremente viver e conviver em comunidade, mesmo
com as diferenças de mentalidades, idades, culturas, sensibilidades, concepções religiosas, etc. Trata-se de um grande desafio, todavia, é com o outro que nos humanizamos e nos enriquecemos. Cada confrade é um universo a ser desvendado e revela outras constelações desconhecidas por nós. A constelação desconhecida por nós que existe no confrade pode ser a estrela de Belém que nos leva ao Redentor. Por isso, é fundamental qualificar os nossos encontros cotidianos: a oração, a Eucaristia, as reuniões da comunidade, o recreio comunitário e as refeições. Precisamos otimizar o nosso tempo com o outro, contrapondo-nos à mentalidade do mercado. O tempo com o outro é ‘dinheiro’ que moeda nenhuma paga. Gastar tempo com os confrades – as novas gerações e as que já percorreram longas estradas da experiência – é algo enriquecedor. Para isso, é fundamental o ato de fé no outro e se colocar a caminho na descoberta deste tesouro. Para isso é preciso que deixemos de lado, pelo menos nos dias reservados ao convívio, a pressa e as nossas redes virtuais para tecer redes significativas e carismáticas na vida comunitária, por meio do encontro “eu-tu e Tu Absoluto” (Martin Buber). Deste modo, “no nosso tempo, dominado pela comunicação generalizada e global e, ao mesmo tempo, da incapacidade de comunicar com autenticidade, a vida consagrada é chamada a ser sinal da possibilidade de relações humanas acolhedoras, transparentes, sinceros”.7 O Papa Francisco, na Carta Apostólica às Pessoas Consagradas, reafirma: “Numa sociedade marcada pelo conflito, a convivência difícil entre culturas diversas, a prepotência sobre os mais fracos, as desigualdades, somos chamados a oferecer um modelo concreto de comunidade que, mediante o reconhecimento da dignidade de cada pessoa e a partilha do dom que cada um é portador, permita viver relações fraternas”.8
“O encontro e o acolhimento de todos, a solidariedade e a fraternidade, são os elementos que tornam a nossa civilização verdadeiramente humana. Temos de ser servidores da comunhão e da cultura do encontro!”.9
Se vamos deixando o encontro comunitário, esvaziamo-nos, tornamo-nos áridos e ficamos cada vez mais sem face e irreconhecíveis uns aos outros e nos tornamos vulneráveis, quando a esperteza herodiana e seus profetas tentarem mudar nossas convicções por meio das profecias estéreis ou do comodismo. Os magos eram uma comunidade, um só coração e uma só alma (At 4,32), que foram louvar o Menino de Belém. A Vida Consagrada Redentorista é vivida por pessoas que se encontram e confluem-se na amizade com o Redentor, para proclamar sempre o ano da graça do Senhor.
 
O encontro entre os confrades é sempre jubilar e proclama o tempo novo N’Ele. Precisamos reavivar nossos encontros cotidianos: liturgia das horas,
eucaristias e realçar as celebrações de nossos santos e beatos por meio de suas hagiografias e textos espirituais; recordar as datas especiais de nossa
Congregação e Província, os aniversários dos confrades; participar das profissões religiosas, das ordenações, assim como dos momentos dolorosos de nossos confrades doentes e daquele do despedir-se da vida, fazendo-se presente nos funerais dos confrades e também dos seus familiares mais próximos. Como me solidarizo com os nossos doentes? Visito-os? A Vida Consagrada não é feita muitas vezes das grandes realizações, e sim dos pequenos encontros sinceros e cotidianos da vida. “A atual fragilidade da vida consagrada deriva também de ter perdido a alegria das pequenas coisas da vida”.10
Deste modo, é muito importante cada um de nós revermos a qualidade dos nossos encontros. Como tenho deixado me encontrar pelo outro? Tenho me colocado a caminho para caminhar com os confrades que não escolhi, mas que Deus colocou em meu caminho? Quais os encontros significativos vivi com meus/minha confrades/comunidade até hoje? Que desencontros vivenciei que me feriram profundamente? Por que e quais vezes feri os meus confrades? Como está a minha/nossa capacidade de perdoar? Temos, de fato, gastado o tempo uns com os outros? “A comunidade que senta à mesa e reconhece o Cristo ao partir o pão (cf. Lc 24,13-35) é também lugar no qual cada um reconhece as fragilidades. A fraternidade não produz a perfeição das relações, mas acolhe o limite de todos e o carrega no coração e o leva na oração como ferida infligida ao mandamento do amor (cf. Jo 13,31-35): lugar
onde o mistério pascal opera a cura e fermenta a unidade”.11
 
3. Os caminhos do Senhor 
Os magos experimentaram o Senhor em primeira pessoa, adoraram-no. Tiveram um encontro significativo. Ao oferecerem a riqueza que tinham, voltam por outro caminho. “E, sendo por divina revelação avisados num sonho para que não voltassem para junto de Herodes, partiram para a sua terra por outro caminho” (Mt 2,12 ). Seguindo a lógica do texto, isso se dá, obviamente, pelos perigos que Herodes representava. No entanto, há muito o que extrair daí. Quem experimenta o Senhor sempre se coloca em itinerância, disponibilidade e sempre percorre novos caminhos e ouve o Senhor (sonho). Não retorna por aquelas estradas que não levam à conversão e ao novo do Reino. Há caminhos que nos distanciam do Senhor e daquilo que professamos publicamente. São eles o individualismo, o orgulho, o denominar-se melhor que o outro, o ativismo, o conformismo, o apego aos bens materiais, o aburguesamento, o desejar mal ao outro, a maledicências, etc. Escolher estes caminhos é desobedecer à voz de Deus que fala ‘por meio do sonho’ e se perder nas encruzilhadas das estradas de Herodes que visa nos impedir de encontrar o Senhor que se revela nos confrades e em nossos destinatários.
Depende de cada um de nós escolher o caminho da vida ou o caminho da morte (Dt 30,15;Jr 21,8). O caminho da morte é aquele do pessimismo e da falta de esperança, da crítica que destrói e fere e não apresenta nenhuma alternativa viável, a não ser aquela de uma mera aparência que não faz o coração arder, mas doer. O caminho da vida é o que se coloca na itinerância da fé e leva ao encontro do Senhor e de cada confrade, com sua história, suas alegrias e dores. Precisamos melhorar a nossa visão em relação aos outros, sermos capazes de reconhecer e de elogiar a riqueza que o outro tem. Isto é ver a vida por outro prisma, o da caridade fraterna. Olhando para a Província e seus trabalhos, quanta vida podemos identificar, quanta esperança! Quanto bem foi feito! Somos trabalhadores da messe do Senhor. Nesta seara, a cada um é atribuído um serviço e nenhum é mais importante do que o outro. São interdependentes e sem isto, não se chega ao objetivo final. O importante é servir ao Senhor para que o seu Reino aconteça! Quantos confrades são santos anônimos e dão o seu sim cotidiano a este projeto do Espírito que tocou o coração de Afonso. Este projeto veio de Deus e somos continuadores. Por isso, devemos ser “fortes na fé, alegres na esperança, fervorosos na caridade, inflamados no zelo, humildes e sempre dados à oração” (Const. 20).
O Senhor se manifesta a todos nós! Nós o experimentamos e quem o faz, muda o seu percurso, não faz o mesmo caminho! Não é mais o mesmo, porque é provocado a sair de si, a manifestar-se e dar uma resposta concreta: “‘Anunciar o Evangelho de modo sempre novo’ (São Clemente) com renovada esperança, corações renovados e estruturas renovadas para a missão”, conforme nos recorda o XXIV Capítulo Geral. Os magos, ao retornarem, não tinham mais a estrela, e sim uma estrada diferente. Tiveram que reestruturar o próprio itinerário. Aqueles homens sem nome do Evangelho somos nós redentoristas que queremos encontrar o Senhor. Ao fazê-lo, o Menino de Belém nos provoca para o distacco/kenosis para o novo caminho e isto depende de cada um. Podemos deixar nossos caminhos completamente desobstruídos e seremos livres, uma vez que o nosso norte é o Evangelho. Para isso professamos e escolhemos Aquele que não tinha onde repousar a sua cabeça (Mt 8,20). Assim, podemos cantar o cântico de Simeão: “Agora, Senhor, conforme a tua promessa, podes deixar o teu servo partir em paz. Porque meus olhos viram a tua salvação, que preparaste diante de todos os povos: luz para iluminar as nações e glória do teu povo, Israel” (Lc 2,29-32). 
Nesta missão de animar a Vida Consagrada Redentorista da Província de São Paulo, o Governo Provincial, escolhe quatro caminhos com o objetivo de que possamos encontrar o Verdadeiro Caminho, o Redentor. São eles:
 
1) O caminho da animação da Vida Religiosa Consagrada. O Governo Provincial, agindo como Corpo Missionário e considerando ser ele a primeira
comunidade da Província quer exercer bem o seu múnus de Animador da Vida Consagrada Redentorista pela presença do Governo Provincial como um todo ou por representação nas comunidades; pelo favorecimento conhecimento e vivência da Espiritualidade Redentorista; por meio do incentivo de todos os confrades no desempenho da centralidade da Missão Redentorista na vida e no agir pastoral; no exercício colegiado da autoridade como serviço; pela ação dos superiores locais; e tendo os Secretariados e Comissões como instâncias de participação e de exercício da corresponsabilidade.
2) O caminho da Vida Fraterna Redentorista. É primordial recuperar os valores fundamentais de nossa Vida Comunitária e de nossa Espiritualidade,
conforme nossas Constituições e Estatutos propõem. O objetivo maior deste quadriênio deverá ser a Vida Fraterna Redentorista, num processo de
reencantamento para a missão por meio da dinamização da Vida Comunitária; dos Encontros das Diversas Idades, dos retiros, da revitalização do ano sabático, do Ano Pastoral e de outras estratégias.
3) O caminho da Dimensão Missionária. Somos chamados para a missão e esta nos dá a verdadeira identidade de redentorista. Assim, buscaremos
recuperar os elementos específicos de nosso carisma missionário, conforme nossa história e tradição, e buscando uma atenção redobrada aos sinais dos
tempos e aos apelos de nossa realidade. Isso se dará pela atualização de nossa Legislação Ordinária; pela definição de nossas Prioridades Pastorais;
Favorecendo as Parcerias, Integração e capacitação das diversas frentes missionárias da Província.
4) O caminho da Identidade Pastoral Redentorista. Temos um ‘jeito de ser’ dentro da Igreja. Desde o sonho de Afonso, Geraldo, Clemente e de tantos
confrades até os dias de hoje, cumprimos uma função importante, a de sermos pastores, educadores na fé e curadores dos corações feridos que passam
cotidianamente pelos nossos confessionários. Mas isto só é possível à medida que a Vida Religiosa Redentorista se encontra animada e se enxerga a preciosidade de cada confrade em suas fraquezas e limitações e da importância de nossos destinatários, os mais pobres e mais abandonados, os cabreiros de hoje.
 
Conclusão
Celebramos a Epifania do Senhor. Exortamos todos os confrades, do mais jovem ao mais idoso para sermos lugar da manifestação do Senhor. Que a partir de nossa intimidade com Ele irradie sobre o nosso apostolado aquele vigor que encoraja e nutre as pessoas para descortinarem novos horizontes de esperança.
Deus nos cobriu/cobre de muitas bênçãos: nossa vocação, nossa entrega, nossa inteligência, bens materiais e conforto. Isto deve ser uma plataforma para nos lançar audazmente às águas mais profundas do serviço que obedientemente à Palavra do Senhor nos dispomos (Lc 5,4-5), como “servos humildes e audazes do Evangelho de Cristo, Redentor e Senhor, princípio e modelo da nova humanidade” (Const. 6). Não tenhamos medos de anunciar o Evangelho!
Esta manifestação do Senhor se dá por meio de nossa alegria incontida em sermos redentoristas, em sermos a estrela de Belém aos corações feridos e que ainda não descobriram a luz do Senhor; em sermos misericordiosos como o Pai Misericordioso (Lc 15,11-32) e Samaritanos (Lc 10, 25-37) quando somos capazes de curar as feridas dos nossos irmãos de comunidade e também dos nossos destinatários. Por fim, por ser quem somos, aceitando-nos com nossos limites e, a cada dia, com a Graça do Senhor, convertendo-se para que em nós se faça a vontade de Deus.
 
Encerramos esta Carta Circular com os Cânticos de Cecília Meireles: Não sejas o de hoje./Não suspires por ontens.../Não queiras ser o de amanhã./Faze-te sem limites no tempo./Vê a tua vida em todas as origens./Em todas as existências./Em todas as mortes./E sabe que serás assim para
sempre./Não queiras marcar a tua passagem./Ela prossegue: É a passagem que se continua./É a tua eternidade.../É a eternidade./És tu.(Canto II) [...]
Tu tens um medo: Acabar./Não vês que acabas todo o dia./Que morres no amor./Na tristeza./ Na dúvida./No desejo./Que te renovas todo o dia./No
amor./Na tristeza./Na dúvida./No desejo./ Que és sempre outro./Que és sempre o mesmo./Que morrerás por idades imensas./Até não teres medo de morrer./E então serás eterno. (Canto VI) [...]
Não fales as palavras dos homens./Palavras com vida humana./Que nascem, que crescem, que morrem./Faze a tua palavra perfeita./Dize somente coisas eternas./Vive em todos os tempos pela tua voz./Sê o que o ouvido nunca esquece./Repete-te para sempre./Em todos os corações./Em todos os mundos. (Canto XII)12
Renova-te/Renasce em ti mesmo./Multiplica os teus olhos para verem mais./Multiplica os teus braços,/para semeares tudo./Destrói os olhos que tiverem visto./Cria outros, para visões novas./Destrói os braços que tiverem semeado,/Para enriquecerem de colher./Sê sempre o mesmo./Sempre outro./Mas sempre alto./Sempre longe/E dentro de tudo. (Canto XIII)
Que o Senhor que se manifesta a todos os povos e culturas nos ajude a manifestar a sua Luz aos sem luz, a sua ternura aos esquecidos, o seu Amor aos que odeiam e a sua Humanidade àqueles que perderam a esperança no humano! Maria, Mãe da Esperança e Madre Provincial, ajude-nos a ter a sua sensibilidade como em Caná, a sua disponibilidade em acolher o Verbo Encarnado, a sua perseverança no Calvário e nos pés da Cruz e a sua crença na manhã da ressurreição! Amém.
 
Dos Irmãos 
 
 Pe. Rogério Gomes, C.Ss.R
        Superior Provincial
 
Pe. José Inácio de Medeiros, C.Ss.R                                Pe. João Batista de Almeida, C.Ss.R
           Vigário Provincial                                                            Conselheiro Provincial
 
Pe. Daniel Antonio da Silva, C.Ss.R                                  Pe. Luiz Cláudio Alves de Macedo, C.Ss.R
        Conselheiro Provincial                                                            Conselheiro Provincial
 
Aparecida, 04 de janeiro de 2015
 Solenidade da Epifania do Senhor.
 

__________________________________________________________________
1 SANTO AGOSTINHO. Sermo 194, 3-4: PL 38, 1016-1017.3
2 CONGREGAÇÃO PARA OS INSTITUTOS DE VIDA CONSAGRADA E AS SOCIEDADES DE VIDA APOSTÓLICA.
Alegrai-vos: Carta circular aos consagrados e consagradas, nº 9, p. 46. Disponível em:
http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/ccscrlife/documents/rc_con_ccscrlife_doc_20140202
_rallegratevi-lettera-consacrati_po.pdfAcesso em: 11 novembro 2014.
3 AGOSTINHO. Confissões, 10,38: “Tarde te amei, ó Beleza tão antiga e tão nova, tarde te amei! Estavas
dentro de mim e eu estava fora, e aí te procurava... Estavas comigo e eu não estava contigo... Mas Tu me
chamaste, clamaste e rompeste a minha surdez. Brilhaste, resplandeceste e curaste a minha cegueira”.
4 PREFÁCIO DA EPIFANIA: Cristo, luz dos povos. In. MISSAL ROMANO. 15ª ed. São Paulo: Paulus, 2011, p.413.
5 LEÃO MAGNO. Sermo 3 in Epifhania Domini, 1-3.5: PL 54, 240-244.
6 CONGREGAZIONE PER GLI ISTITUTI DI VITA CONSACRATA E LE SOCIETÀ DI VITA APOSTOLICA.
Potissimum institutioni: direttive sulla formazione negli istituti religiosi, nº 8. Disponível em:
http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/ccscrlife/documents/rc_con_ccscrlife_doc_02021990
_directives-on-formation_it.html Acesso em: 10 novembro 2014.
7 CONGREGAZIONE PER GLI ISTITUTI DI VITA CONSACRATA E LE SOCIETÀ DI VITA APOSTOLICA.
Scrutate: ai consacrati e alle consacrate in cammino sui segni di Dio. Roma: Libreria Editrice Vaticana, nº 13, p. 73.
8 FRANCISCO. Carta Apostólica às pessoas consagradas. Para a proclamação do ano da Vida Consagrada, nº
2. Disponível em: http://m2.vatican.va/content/francesco/pt/apost_letters/documents/papafrancesco_lettera-ap_20141121_lettera-consacrati.pdf.
Acesso em: 22 nov. 2014.
9 CONGREGAÇÃO PARA OS INSTITUTOS DE VIDA CONSAGRADA E AS SOCIEDADES DE VIDA APOSTÓLICA.
Alegrai-vos: Carta circular aos consagrados e consagradas, nº 10, p. 49.
10 CONGREGAZIONE PER GLI ISTITUTI DI VITA CONSACRATA E LE SOCIETÀ DI VITA APOSTOLICA.
Scrutate, nº 16, p. 88.
11 CONGREGAZIONE PER GLI ISTITUTI DI VITA CONSACRATA E LE SOCIETÀ DI VITA APOSTOLICA.
Scrutate, nº 13, p. 77.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar. Sua participação é muito importante para nós.