CONSAGRAÇÃO À NOSSA SENHORA APARECIDA NA VOZ DO PADRE VITOR COELHO CSsR

Ó MARIA SANTÍSSIMA, PELOS MÉRITOS DO SENHOR JESUS CRISTO QUE EM VOSSA IMAGEM MILAGROSA DE APARECIDA ESPALHAIS INÚMEROS BENEFÍCIOS SOBRE O BRASIL, EU, EMBORA INDIGNO DE PERTENCER AO NÚMERO DOS VOSSOS SERVOS, MAS DESEJANDO PARTICIPAR DOS BENEFÍCIOS DA VOSSA MISERICÓRDIA, PROSTRADO A VOSSOS PÉS, CONSAGRO-VOS O ENTENDIMENTO, PARA QUE SEMPRE PENSE NO AMOR QUE MERECEIS. CONSAGRO-VOS A LÍNGUA, PARA QUE SEMPRE VOS LOUVE E PROPAGUE A VOSSA DEVOÇÃO.CONSAGRO-VOS O CORAÇÃO, PARA QUE, DEPOIS DE DEUS, VOS AME SOBRE TODAS AS COUSAS.RECEBEI-NOS, Ó RAINHA INCOMPARÁVEL, QUE NOSSO CRISTO CRUCIFICADO DEU-NOS POR MÃE, NO DITOSO NÚMERO DOS VOSSOS SERVOS. ACOLHEI-NOS DEBAIXO DA VOSSA PROTEÇÃO. SOCORREI-NOS EM NOSSAS NECESSIDADES ESPIRITUAIS E TEMPORAIS E, SOBRETUDO, NA HORA DA NOSSA MORTE. ABENÇOAI-NOS Ó MÃE CELESTIAL, E COM VOSSA PODEROSA INTERCESSÃO FORTALECEI-NOS EM NOSSA FRAQUEZA, A FIM DE QUE, SERVINDO-VOS FIELMENTE NESTA VIDA, POSSAMOS LOUVAR-VOS, AMAR-VOS E RENDER-VOS GRAÇAS NO CÉU, POR TODA A ETERNIDADE. ASSIM SEJA! ...PELA INTERCESSÃO DE NOSSA SENHORA APARECIDA, RAINHA E PADROEIRA DO BRASIL, A BÊNÇÃO DE DEUS ONIPOTENTE, PAI, FILHO E ESPÍRITO SANTO, DESÇA SOBRE VÓS E PERMANEÇA SEMPRE.AMÉM!
PRÓXIMOS EVENTOS (Todos estão convidados)





ÁGAPE MENSAL
11 - fevereiro - 2017


SETEMBRO - 2017
De 01 a 03 - 5º ERESER VICE PROVÍNCIA MANAUS
De 29 a 01/10 - ERESER CURITIBA

OUTUBRO - 2017

Dia 07 - ERESER NA NOVENA DE APARECIDA
Dia 21 - 11º ERESER MAIRINQUE

NOVEMBRO - 2017
De 12 a 15 - 7º ERESER PROVÍNCIA DE CAMPO GRANDE


XIII RETIRO
De 26 A 28 de janeiro de 2018
Local: Vila Santo Afonso - Pedrinha
Tema: A Espiritualidade Redentorista na Prática
Orientador: Padre Alfredo Viana Avelar, CSsR - Rio




SOM NO BLOG

QUANDO QUISER ASSISTIR ALGUM VÍDEO DO BLOG, VÁ ATÉ À "RÁDIO UNESER INTERATIVA" (caixa à direita do blog) E CLIQUE NO BOTÃO DE PAUSA (II).
APÓS ASSISTIR O VÍDEO, CLIQUE NO MESMO BOTÃO (PLAY) PARA CONTINUAR OUVINDO A RÁDIO.

2 de agosto de 2013

A Palavra de Deus na Vida - Homilia





18º Domingo do Tempo Comum - Ano C - HOMILIA

Evangelho: Lucas 12,13-21



Naquele tempo, 12,13 disse a Jesus alguém do meio do povo: “Mestre, dize a meu irmão que reparta comigo a herança”. 
14 Jesus respondeu-lhe: “Meu amigo, quem me constituiu juiz ou árbitro entre vós?” 
15 E disse então ao povo: “Guardai-vos escrupulosamente de toda a avareza, porque a vida de um homem, ainda que ele esteja na abundância, não depende de suas riquezas”. 
16 E propôs-lhe esta parábola: “Havia um homem rico cujos campos produziam muito”. 
17 E ele refletia consigo: ‘Que farei? Porque não tenho onde recolher a minha colheita’. 
18 Disse então ele: ‘Farei o seguinte: derrubarei os meus celeiros e construirei maiores; neles recolherei toda a minha colheita e os meus bens. 
19 E direi à minha alma: ó minha alma, tens muitos bens em depósito para muitíssimos anos; descansa, come, bebe e regala-te’. 
20 Deus, porém, lhe disse: ‘Insensato! Nesta noite ainda exigirão de ti a tua alma. E as coisas, que ajuntaste, de quem serão?’
21 Assim acontece ao homem que entesoura para si mesmo e não é rico para Deus”. 
Palavra da Salvação.



JOSÉ ANTONIO PAGOLA



CONTRA A INSENSATEZ 

Cada vez sabemos mais sobre a situação social e econômica que Jesus conheceu na Galileia dos anos trinta. Enquanto nas cidades de Séforis e Tiberíades crescia a riqueza, nas aldeias aumentava a fome e a miséria. Os camponeses ficavam sem terra e os latifundiários construíam silos e celeiros cada vez maiores.

No pequeno relato conservado por Lucas, Jesus revela o que pensa daquela situação tão contrária ao projeto desejado por Deus de um mundo mais humano para todos. Não narra esta parábola para denunciar os abusos e ultrajes cometidos pelos latifundiários, mas para desmascarar a loucura, a insensatez em que vivem instalados.

Um rico fazendeiro se vê surpreendido por uma grande colheita. Não sabe como administrar tanta abundância. "O que farei?". Seu monólogo nos revela a lógica sem sentido dos poderosos que somente vivem para acumular riqueza e bem-estar, excluindo de seu horizonte os necessitados.

O rico da parábola planeja sua vida e toma decisões. Destruirá os velhos celeiros e construirá outros maiores. Armazenará ali toda a sua colheita. Pode acumular bens para muitos anos. Daqui em diante, só viverá para desfrutar: "descanse, coma, beba e leva uma boa vida". De forma inesperada, Deus interrompe seus projetos: "Insensato! Nesta mesma noite, te exigirão a tua vida. Aquilo que acumulaste, de quem será?".

Este homem reduz a sua existência a desfrutar da abundância de seus bens. No centro de sua vida está, somente, ele e seu bem-estar. Deus está ausente. Os diaristas que trabalham suas terras não existem. As famílias das aldeias que lutam contra a fome não contam. O juízo de Deus é inequívoco: esta vida é só loucura e insensatez.

Atualmente, praticamente em todo o mundo está aumentando, de modo alarmante, a desigualdade. Este é o fato mais sombrio e desumano: "os ricos, sobretudo os mais ricos, vão se tornando ainda mais ricos, enquanto os pobres, sobretudo os mais pobres, vão se transformando em mais pobres, ainda" (Zygmunt Bauman).

Este fato não é normal. É, simplesmente, a última consequência da insensatez mais grave que os seres humanos estão cometendo: substituir a cooperação amiga, a solidariedade e a busca do bem comum da Humanidade pela competição, a rivalidade e a acumulação de bens nas mãos dos mais poderosos do Planeta. 

A partir da Igreja de Jesus, presente em toda a Terra, deveria se escutar o clamor de seus seguidores contra tanta loucura e a reação contra o modelo que dirige, hoje, a história humana.


LUCIDEZ DE JESUS

Uma das características mais chamativas na pregação de Jesus, é a lucidez com a qual soube desmascarar o poder alienante e desumanizador que se encerra nas riquezas.

A visão de Jesus não é a de um moralista que se preocupa de saber como adquirimos nossos bens e como os usamos. O risco de quem vive desfrutando de suas riquezas é esquecer sua condição de filho de um Deus Pai e irmão de todos. 

Daí o seu grito de alerta: "Não podeis servir a Deus e ao dinheiro". Não podemos ser fiéis a um Deus Pai que busca justiça, solidariedade e fraternidade para todos e, ao mesmo tempo, vivermos voltados para nossos bens e riquezas.

O dinheiro pode dar poder, fama, prestígio, segurança, bem-estar... porém, na medida em que escraviza a pessoa, a fecha para Deus Pai, lhe faz esquecer sua condição de irmão e a leva a romper a solidariedade com os outros. Deus não pode reinar na vida de quem está dominado pelo dinheiro.

A raiz profunda está em que as riquezas despertam em nós o desejo insaciável de ter sempre mais. E, então, cresce na pessoa a necessidade de acumular, capitalizar e possuir sempre mais e mais. Jesus considera como uma verdadeira loucura a vida daqueles latifundiários da Palestina, obcecados por armazenar suas colheitas em celeiros cada vez maiores. É uma loucura dedicar as melhores energias e esforços em adquirir e acumular riquezas.

Quando, finalmente, Deus se aproxima para recolher sua vida, torna-se claro que ele a desperdiçou. Sua vida carece de conteúdo e valor. "Tolo ...". "Assim é aquele que acumula tesouros para si mesmo e não é rico para com Deus" (versículos 20 e 21).

Um dia, o pensamento cristão descobrirá, com uma lucidez que hoje não temos, a profunda contradição que há entre o espírito que anima o capitalismo e aquele que anima o projeto de vida desejado por Jesus. Esta contradição não se resolve nem com a profissão de fé daqueles que vivem com o espírito capitalista nem com toda a beneficência que possam fazer com os seus lucros. 

Tradução do espanhol por Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fonte: MUSICALITURGICA.COM - Homilías de José A. Pagola - Terça-feira, 30 de julho de 2013 - 12h55 - Internet: http://www.musicaliturgica.com/0000009a2106d5d04.php

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar. Sua participação é muito importante para nós.